Micropolítica do trabalho na Estratégia Saúde da Família: quem cuida também precisa de cuidados?

Francisco Senna de Oliveira Neto

Resumo


O espaço da micropolítica do trabalho na Estratégia Saúde da Família (ESF) traduz-se no cenário em que transcorre o protagonismo dos trabalhadores e usuários dos serviços de saúde. Este artigo objetivou reconhecer e estudar o potencial diverso, criativo e dinâmico do modo como se organiza a atividade produtiva em saúde na ESF e, em especial, lançar um olhar sobre a outra face da tecnologia do cuidado: a saúde do trabalhador/cuidador. Trata-se de um estudo de caráter exploratório, quali-quantitativo, que foi desenvolvido a partir da aplicação de instrumentos de avaliação da qualidade de vida e anamnese ocupacional, e também apoiado na observação e avaliação do cotidiano de trabalho em uma Unidade de Saúde da Família, do município de Jerônimo Monteiro, no Espírito Santo. Os resultados demonstram que, quando se refere à própria saúde, o trabalhador/cuidador preocupa-se mais com problemas e agravos de saúde já instalados, negligenciando os aspectos preventivos. Sinais de sofrimento orgânico e psíquico constituíram registros da sobrecarga laboral e da precariedade dos vínculos e das condições de trabalho. O estudo apontou, ainda, que merecem ser feitas reflexões sobre a saúde ocupacional na ESF e que a prevenção e a promoção da saúde precisam ser ‘exercitadas’ também pelos trabalhadores. Faz-se necessário rever os caminhos da ESF sob a ótica da Saúde do Trabalhador, rumo à construção dos ambientes de trabalho humanizados e humanizadores.


Palavras-chave


Saúde Pública; Atenção Primária à Saúde; Saúde da Família; Saúde do Trabalhador

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Série Pactos pela Saúde 2006, n. 4. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Nespoli G. A micropolítica do programa de saúde da família: um estudo de caso no território Ilha das Caieiras, Vitória-ES. [dissertação]. Rio de Janeiro: Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2002.

Mendonça AVM, Sousa MF. O PSF em Juazeiro: seus andares. Rio de Janeiro: Cebes; 2004.

Mendonça AVM, Sousa MF. Dez anos do PSF em Campina Grande: o sentir e o fazer – suas vozes. Rio de Janeiro: Cebes; 2004.

Oliveira Neto FS. Gestão do Sistema Único de Saúde: olhares sobre a Saúde da Família em municípios do Espírito Santo- 1998-2007. [dissertação]. São Paulo, Programa de Pós-graduação em Gestão de Saúde e Meio Ambiente, Centro Universitário Senac; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Apresenta informações sobre evolução do credenciamento e implantação da Saúde da Família. [acesso em 2009 Sept 15]. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/dab/historico_cobertura_sf.php.

Silva RC, Vilela RAG. A saúde da família nas mãos das “mulheres maravilhas”: trabalho e sofrimento das agentes comunitárias de saúde sob a ótica da ergonomia. [monografia]. Piracicaba: Universidade Metodista de Piracicaba; 2006.

Franco TB. As redes na micropolítica do processo de trabalho em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA. Gestão em redes: práticas de avaliação, formação e participação na saúde. Rio de Janeiro: CEPESC-IMS/UERJ-LAPPIS; 2006.

Boff L. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra. Rio de Janeiro: Petrópolis; 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Curso de formação de facilitadores de educação permanente em saúde: unidade de aprendizagem – trabalho e relações na produção do cuidado em saúde. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde/Fiocruz; 2005.

Schmidt MI, Duncan BB, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3. ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.

Gonçalves RJ, Soares RA, Troll T, Cyrino EG. Ser médico no PSF: formação acadêmica, perspectivas e trabalho cotidiano. Rev Bras Ed Médica. 2009; 33(3): 393-403.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção Primária e Promoção da Saúde. Coleção Progestores – Para entender a gestão do SUS, 8. Brasília: CONASS; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Saúde da Família: avaliação da implementação em dez grandes centros urbanos: síntese dos principais resultados. 2. ed. atual. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2005.

SBMFC. Site oficial. O Título de Especialista em Medicina de Família e Comunidade. [Internet]. [acesso em 2011 Sept 15]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/default.asp?site_Acao=MostraPagina&PaginaId=14.

Reis LB. Uma análise da dimensão ético-política do trabalho de agentes comunitários de saúde no município de Vitória. [dissertação]. Vitória: Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espírito Santo; 2005.

Merhy EE. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy EE, Onocko R. Agir em saúde: um desafio para o público. 3. ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

Oliveira RG, Grabois V, Mendes Júnior WV. Qualificação de gestores do SUS. Rio de Janeiro: EAD/Ensp; 2009.

Bellini MIB. Desenvolvimento do sujeito contemporâneo e saúde: algumas respostas possíveis. Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social (CPIHTS). Estudos e documentos. [Internet]. [acesso em 2011 Sept 15]. Disponível em: http://www.cpihts.com/PDF02/ Mª%20Isabel% 20Bellini.pdf.

Backes DS, Erdmann AL. Humanizando o cuidado pela valorização do ser humano: resignificação de valores e princípios pelos profissionais de saúde. Rev Lat-Am Enf. 2007; 15(1): 34-41.

Merhy EE. Gestão da produção do cuidado e clínica do corpo sem órgãos: novos componentes dos processos de produção do cuidado em saúde: desafios para os modos de produzir o cuidado centrados nas atuais profissões. UFRJ. Linha de Pesquisa Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde. [Internet]. [acesso em 2009 Sept 25]. Disponível em: http://www.medicina.ufrj.br/micropolitica/textos/gestao_da_producao_do_cuidado.pdf.

Pinheiro R, Mattos RA. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. Rio de Janeiro: IMS-UERJ; 2003.

Pinheiro R, Mattos RA. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: IMS-UERJ; 2001.

Jerônimo Monteiro. Secretaria Municipal de Saúde. Sistema de Informação de Atenção Básica. Consolidado das famílias cadastradas. 2009.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec; 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc6(21)120

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexada em:

   

 

 

 
Apoio:
RBMFC está sob licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Brasil License.
Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (RBMFC)
ISSN 2179-7994 (Online) - 1809-5909 (Impresso)
rbmfc@sbmfc.org.br
Rio de Janeiro - RJ - Brasil