Prevenção quaternária: as bases para sua operacionalização na relação médico-paciente

  • Armando Henrique Norman Departamento de Antropologia, Universidade de Durham. Durham,
  • Charles Dalcanale Tesser Departamento de Saúde Pública. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC,
Palavras-chave: Prevenção Quaternária, Relações Médico-Paciente, Medicalização, Atenção Primária à Saúde, Medicina de Família e Comunidade

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar as bases clínicas e conceituais para se operacionalizar a prevenção quaternária na prática dos serviços de Atenção Primária à Saúde e no ambiente de ensino e/ou programa de residência em medicina de família. Utilizou-se o modelo aprimorado de Calgary-Cambridge como substrato organizativo da consulta médica, de modo a inserir a prevenção quaternária em dois momentos: diagnóstico e plano de cuidados. Para fortalecer a prevenção quaternária nesses dois momentos da consulta discute-se: a) os eixos conceituais das doenças (anatomopatológico, fisiopatológico, semiológico e epidemiológico); b) as abordagens explicativas do fenômeno do adoecimento (ontológica e dinâmica); e c) o sofrimento em relação ao tempo (presente e futuro), diferenciando o sofrimento vivenciado no presente das preocupações com a saúde futura. Conclui-se que apesar das limitações da proposta, a formalização da prevenção quaternária no processo de consulta pode auxiliar a reduzir o automatismo diagnóstico e prescritivo que muito tem medicalizado as expressões do adoecer no cotidiano dos serviços da atenção primária à saúde.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Armando Henrique Norman, Departamento de Antropologia, Universidade de Durham. Durham,

Possui graduação em medicina pela Universidade Federal do Paraná (1995), Residência em Medicina Geral e Comunitária/Medicina de Família e Comunidade pela PUC-PR (2001) e mestrado em Antropologia Médica pela Universidade de Durham/Reino Unido (2011). Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Médica, atuando principalmente nos seguintes temas: Pagamento por Performance (P4P), Prevenção Quaternária, Medicalização Social, Rastreamento, Medicina de Família e Comunidade, Atenção Primária a Saúde (APS), Medicina Preventiva e Medicinas Complementares (Homeopatia).

Mais Informações: Currículo Lattes

Referências

Moynihan R, Heneghan C, Godlee F. Too much medicine: from evidence to action. BMJ. 2013;347:f7141. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.f7141

Norman AH, Tesser CD. Prevenção quaternária na atenção primária à saúde: uma necessidade do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2009;25(9):2012–20. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000900015

Jørgensen KJ, Zahl PH, Gøtzsche PC. Breast cancer mortality in organised mammography screening in Denmark: comparative study. BMJ. 2010;340:c1241. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.c1241

Harrison S, Moran M, Wood B. Policy emergence and policy convergence: the case of “scientific-bureaucratic medicine” in the United States and United Kingdom. British J Politics International Relations. 2002;4:1-24. http://dx.doi.org/10.1111/1467-856X.41068

Goldenberg MJ. On evidence and evidence-based medicine: lessons from the philosophy of Science. Soc Sci Med. 2006;62(11):2621-32. http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2005.11.031

Lambert H, Gordon EJ, Bogdan-Lovis E. Introduction: gift horse or Trojan horse? Social science perspectives on evidence-based health care. Soc Sci Med. 2006;62(11):2613-20. http://dx.doi.org/10.1016/j.socscimed.2005.11.022

Greenhalgh T, Howick J, Maskrey N. Evidence based medicine: a movement in crisis? BMJ. 2014;348:g3725. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.g3725

Jamoulle M, Gomes LF. Prevenção Quaternária e limites em medicina. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(31):186-91. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(31)867

McWhinney IR. William Pickles Lecture 1996. The importance of being different. Br J Gen Pract. 1996;46:433-6.

McWhinney IR. A textbook of Family Medicine. New York: Oxford University Press; 1989.

Lakasing E. Michael Balint: an outstanding medical life. British J Gen Pract. 2005;55(518):724-5.

Johnson AH. The Balint movement in America. Family Med. 2001;33(3):174-7.

Engel GL. The need for a new medical model: a challenge for biomedicine. Science. 1977;196(4286):129-136. http://dx.doi.org/10.1126/science.847460

Cheraghi-Sohi S. Contractual change and UK general practitioners: still a case of street-level bureaucrats? [dissertation]. Manchester, UK: Faculty of Medicine and Human Sciences, Manchester University School; 2011.

Stewart M, Brown JB, Weston WW, et al. Medicina centrada na pessoa - transformando o método clínico. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Kurtz SM, Silverman JD, Benson J, Draper J. Marrying content and process in clinical method teaching: enhancing the Calgary-Cambridge guides. Acad Med. 2003;78(8):802-809. http://dx.doi.org/10.1097/00001888-200308000-00011

SOAP note [Internet]. St. Petesburg (FL): Wikimedia Foundation, Inc. 2001 – [acesso em 2014 Oct 07]. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/SOAP_note

Durham and Tees Valley GP Training Programme. Available at: http://www.dtvgptraining.co.uk/st3_consultation_skills_revision.html

Rose G. Estratégias da medicina preventiva. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Camargo Jr KR. A construção das doenças na medicina ocidental contemporânea. Rev SBHC [Internet]. 1993 [acesso em 2014 Oct 07];9(31-40). Disponível em: www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=268

Camargo Jr KR. Biomedicina, saber & ciência: uma abordagem crítica. São Paulo: Hucitec; 2003.

Albuquerque CMS, Oliveira CPF. Saúde e doença: significações e perspectivas em mudança. Millenium Rev ISPV [Internet]. 2002 [acesso em 2008 Feb 23];25. Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium25/25_27.htm

Myers S, Benson H. Psychological factors in healing: a new perspective on an old debate. Behavioral Medicine. 1992;18:5-11. http://dx.doi.org/10.1080/08964289.1992.10544235

Jensen MC, Brant-Zawadzki MN, Obuchowski N, Modic MT, Malkasian D, Ross JS. Magnetic resonance imaging of the lumbar spine in people without back pain. N Engl J Med. 1994;331(2):69-73. http://dx.doi.org/10.1056/NEJM199407143310201

Adams V, Murphy M, Clarke AE. Anticipation: technoscience, life, affect, temporality. Subjectivity. 2009. 28:246–265. http://dx.doi.org/10.1057/sub.2009.18

Starfield B, Hyde J, Gérvas J, Heath I. The concept of prevention: a good idea gone astray? J Epidemiology Community Health. 2008;62(7):580–3. http://dx.doi.org/10.1136/jech.2007.071027

Montori V, Isley W, Guyatt G. Waking up from the DREAM of preventing diabetes with drugs. BMJ. 2007;334:882–884. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.39169.447488.94

Gøtzsche P. Psychiatry Gone Astray. Mad in America: science, psychiatry and community. 2014 Jan 28 [acesso em 2014 Oct 07]. Disponível em: http://www.madinamerica.com/2014/01/psychiatry-gone-astray/

Tesser CD. Medicalização social (II): limites biomédicos e propostas para a clínica na atenção básica. Interface (Botucatu). 2006;10(20):347-62. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832006000200006

Norman AH, Russell AJ, Macnaughton J. The payment for performance model and its influence on British general practitioners’ principles and practice. Cad Saúde Pública. 2014;30(1):55–67. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00149912

Tesser CD. A verdade na biomedicina, reações adversas e efeitos colaterais: uma reflexão introdutória. Physis. 2007;17(3):465-484. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000300004

Publicado
2015-06-24
Como Citar
Norman, A. H., & Tesser, C. D. (2015). Prevenção quaternária: as bases para sua operacionalização na relação médico-paciente. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 10(35), 1-10. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1011