Um início duvidoso, um fim incógnito – um caso de tinha incógnita

Autores

  • Francisco Pinto da Costa ACeS Póvoa de Varzim. Vila do Conde, Porto
  • Margarida Moreira ACeS Póvoa de Varzim. Vila do Conde, Porto
  • Margarida Ferreira da Silva ACeS Póvoa de Varzim. Vila do Conde, Porto
  • Rita Ferreira ACeS Póvoa de Varzim. Vila do Conde, Porto

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc10(37)1015

Palavras-chave:

Tinha, Corticosteroides, Administração Cutânea

Resumo

A tinha incógnita é causada pela modificação de uma dermatofitose após tratamento com imunossupressores, geralmente corticoides tópicos, mascarando as suas características típicas, resultando na progressão da infecção fúngica original. Relata-se um caso clínico de um homem de 71 anos que desenvolveu um quadro de “picadelas” (sic), dor e desconforto no antebraço direito associado a lesões pápulo-vesiculares de cor rósea, não pruriginosas. O doente foi avaliado e medicado, com antiviral, antibiótico, anti-inflamatório não esteroide e corticoide sem sucesso, tendo desenvolvido lesões pápulo-pustulosas violáceas com descamação em cerca de 1 mês. Após prova terapêutica com um agente antifúngico e depois de descoberto que o paciente usava cronicamente corticoides tópicos, foi diagnosticada uma tinha incógnita. O diagnóstico da tinha incógnita representa um desafio para o Médico de Família, uma vez que esta mimetiza várias condições dermatológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Pinto da Costa, ACeS Póvoa de Varzim. Vila do Conde, Porto

Interno 4º Ano de Medicina Geral e Familiar

Margarida Moreira, ACeS Póvoa de Varzim. Vila do Conde, Porto

Interna 3º Ano de Medicina Geral e Familiar

Margarida Ferreira da Silva, ACeS Póvoa de Varzim. Vila do Conde, Porto

Especialista de Medicina Geral e Familiar

Rita Ferreira, ACeS Póvoa de Varzim. Vila do Conde, Porto

Interna 2º Ano de Medicina Geral e Familiar

Referências

Segal D, Wells MM, Rahalkar A, Joseph M, Mrkobrada M. A case of tinea incognito. Dermatol Online J. 2013;19(5):18175.

Kim WJ, Kim TW, Mun JH, Song M, Kim HS, Ko HC, et al. Tinea incognito in Korea and its risk factors: nine-year multicenter survey. J Korean Med Sci. 2013;28(1):145-51. DOI: http://dx.doi.org/10.3346/jkms.2013.28.1.145 DOI: https://doi.org/10.3346/jkms.2013.28.1.145

Pinto-Almeida T, Selores M. Caso dermatológico. Nascer Crescer. 2011;20(4):288-9.

Verma S, Heffernan MP. Superficial Fungal Infection: Dermatophytosis, Onychomycosis, Tinea Nigra, Piedra. In: Wolff K, Goldsmith LA, Katz SI, Gilchrest BA, Paller AS, Leffell DJ, eds. Fitzpatrick´s Dermatology in General Medicine. 7th ed. New York: McGraw Hill; 2008. p.369-72.

Gupta AK, Cooper EA, Ryder JE, Nicol KA, Chow M, Chaudhry MM. Optimal management of fungal infections of the skin, hair, and nails. Am J Clin Dermatol. 2004;5(4):225-37. DOI: http://dx.doi.org/10.2165/00128071-200405040-00003 DOI: https://doi.org/10.2165/00128071-200405040-00003

Downloads

Publicado

2015-12-30

Como Citar

1.
Costa FP da, Moreira M, da Silva MF, Ferreira R. Um início duvidoso, um fim incógnito – um caso de tinha incógnita. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de dezembro de 2015 [citado 30º de novembro de 2021];10(37):1-5. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1015

Edição

Seção

Casos Clínicos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.