As ações intersetoriais na Estratégia de Saúde da Família: um estudo da representação do conceito de saúde e de suas práticas na Atenção Básica

Alana Diniz Cavalcanti, Joselma Cavalcanti Cordeiro

Resumo


Objetivo: Analisar a dinâmica das ações intersetoriais presentes na Estratégia de Saúde da Família a partir de um território, na cidade do Recife. Método: Pesquisa qualitativa, adotando o referencial teórico da produção social da saúde e a entrevista semiestruturada como instrumento de coleta dos dados aplicado aos profissionais que compõem equipes de saúde da família e profissionais que compõem serviços de referência do território investigado, tendo a teoria de Bardin como base para realização da análise de conteúdo. Resultados: Obtém-se a noção de saúde perpassando os múltiplos aspectos que envolvem a vida humana e o conceito de intersetorialidade distante das agendas dos serviços, refletindo uma prática intersetorial também deficitária. Conclusão: Possibilidades de práticas de diálogos entre os setores emergiram como caminhos possíveis dentro e fora do setor saúde como forma de superação dos problemas. 


Palavras-chave


Ação Intersetorial; Estratégia de Saúde da Família; Atenção à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Mendes EV. Uma agenda para a Saúde. São Paulo: Hucitec; 1996.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO/Ministério da Saúde; 2002. p.726.

Albuquerque PC. Educação popular em saúde no município de Recife - PE: em busca da integralidade [Tese de doutorado]. Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Rio de Janeiro; 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes Nacionais de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. Coordenação-Geral de Planejamento. Plano Nacional de Saúde-PNS: 2012-2015. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Junqueira LAP. A gestão intersetorial das políticas sociais e o terceiro setor. Saude Soc. 2004;13(1):25-36. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000100004

Wimmer GF, Figueiredo GO. Ação coletiva para qualidade de vida: autonomia, transdisciplinaridade e intersetorialidade. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(1):145-54. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000100022

Campos GW, Barros RB, Castro AM. Avaliação de política nacional de promoção da saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(3):745-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000300025

Mozzato AR, Grzybovski D. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Rev Adm Contemp. 2011;15(4):731-47. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552011000400010

Caponi S. Georges Canguilhem y el estatuto epistemológico del concepto de salud. Hist Cienc Saúde-Manguinhos. 1997;4(1):287-307. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59701997000200006

Segre M, Ferraz FC. O conceito de saúde. Rev Saúde Pública. 1997;31(5):538-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000600016

Silva KL, Rodrigues AT. Ações intersetoriais para promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família: experiências, desafios e possibilidades. Rev Bras Enferm. 2010;63(5):762-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000500011

Buss PM, Pellegrini Filho A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis (Rio J.). 2007;17(1):77-93. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100006

Silva DS, Ávila MA, Santos MI, Borges CNF. Ações intersetoriais no planejamento político em esporte, lazer, cultura e turismo na gestão municipal de Ilhéus-BA. Licere. 2012;15(1)

Dalmolin BB, Backes DS, Zamberlan C, Schaurich D, Colomé JS, Gehlen MH. Significados do conceito de saúde na perspectiva de docentes da área da saúde. Esc Anna Nery. 2011;15(2):389-94.

Ayres JRCM. Uma concepção hermenêutica de saúde. Physis (Rio J.). 2007;17(1):43-62. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100004

Aciole GG. Falta um pacto na Saúde: elementos para a construção de um Pacto Ético-Político entre gestores e trabalhadores do SUS. Saúde Debate. 2012;36(95):684-94. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042012000400021

Gonçalves AM, Sena RR, Resende VA, Horta NC. Promoção da saúde no cotidiano das equipes de saúde da família: uma prática intersetorial? Rev Enferm Cent-Oeste Min. 2011;1(1):94-102.

Silva LA, Casotti CA, Chaves SCL. A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família e a mudança no modelo de atenção. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(1):221-32. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000100023

Monnerat GL, Souza RG. Da Seguridade Social à intersetorialidade: reflexões sobre a integração das políticas sociais no Brasil. Rev Katál. 2011;14(1):41-9.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(37)1059

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Alana Diniz Cavalcanti, Joselma Cavalcanti Cordeiro

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia