Estoque domiciliar de medicamentos de pessoas assistidas por uma equipe de profissionais da Estratégia de Saúde da Família

Ana Paula Loch, Nevoni Goretti Damo, Ernani Tiaraju de Santa Helena, Edson Machado Sirai Missugiro

Resumo


O estoque domiciliar de medicamentos é uma prática comum a muitas famílias, mas pode representar um risco à saúde. Foi realizado um estudo transversal em 100 domicílios em uma área de abrangência da Estratégia Saúde da Família (ESF) em Blumenau, SC, entre fevereiro e março de 2012. Nos domicílios visitados, 91% tinham medicamentos, sendo encontrados 737 medicamentos (média de 7,6 por domicílio). O grupo terapêutico de medicamentos mais frequente foi o dos que atuam no sistema digestivo 148 (20,1%) e o medicamento mais encontrado foi o paracetamol (48,7%). Dentre os entrevistados, 29 (31,9%) relataram descartar medicamentos no lixo comum, 12 (13,2%) não observavam o aspecto físico antes de utilizar e 74 (81,3%) tiveram acesso a medicamentos em farmácias comunitárias e ESFs. Observou-se associação entre número de medicamentos e número de pessoas no domicílio (p<0,01) e com presença de doenças crônicas (p<0,05). Pessoas com mais escolaridade armazenam mais medicamentos (p<0,001). Contudo, pessoas com baixa escolaridade utilizam mais medicamentos prescritos por médicos (p<0,001).


Palavras-chave


Armazenamento de Medicamentos; Medicamentos; Uso de Medicamentos; Autocuidado; Atenção Farmacêutica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Secretaria de Políticas de Saúde. Política nacional de medicamentos. Rev Saúde Pública. 2000;34(2):206-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200018

Bueno CS, Weber D, Oliveira KR. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí - RS. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2009;30(2):203-10.

Schenkel EP, Fernándes LC, Mengue SS. Como são armazenados os medicamentos nos domicílios? Acta Farm Bonaerense. 2005;24(2):266-70.

Ribeiro MA, Heineck I. Estoque Domiciliar de Medicamentos na Comunidade Ibiaense Acompanhada pelo Programa Saúde da Família, em Ibiá - MG, Brasil. Saúde Soc São Paulo. 2010;19(3):653-63.

Tourinho FSV, Bucaretchi F, Stephan C, Cordeiro R. Farmácias domiciliares e sua relação com a automedicação em crianças e adolescentes. J Pediatr (Rio J.). 2008;84(5):416- 22.

WHO - World Health Organization. WHO Collaborating Centre for Drug Statistics Methodology. The Anatomical Therapeutic Chemical Classification (ATC); 2014 [acesso 18 Nov 2015]. Disponível em: http://www.whocc.no/atc_ddd_index/

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Bulário Eletrônico; 2014 [acesso 18 Nov 2015]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/index.asp

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Medicamentos. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME). Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Prefeitura municipal de Blumenau, Secretaria Municipal da Saúde. Relação municipal de medicamentos. Blumenau, SC; 2012 [acesso 18 Nov 2015]. Disponível em: http://www.blumenau.sc.gov.br/downloads/semus/portaria_359.pdf

Ferreira WA, Silva MEST, Paula ACCFF, Resende CAMB. Avaliação de farmácia caseira no município de Divinópolis (mg) por estudantes do curso de farmácia da Unifenas. Infarma. 2005;17(7/9):84-6.

Yousif MA. In-home drug storage and utilization habits: a Sudanese study. East Mediterr Health J. 2002;8(2-3):422-31.

Kiyingi KS, Lauwo JA. Drugs in the home: danger and waste. World Health Forum. 1993;14(4):381-4. PMID: 8185788

Deitos A, Laste G, Marcolin F, Hammes L, Schwingel D, Weizanmann RS, et al. Análise do estoque domiciliar de medicamentos em municípios do vale do taquari - RS. XI Salão de Iniciação Científica - PUCRS, 09 a 12 de agosto de 2010 [acesso 18 Nov 2015]. Disponível em: http://www.pucrs.br/edipucrs/XISalaoIC/Ciencias_da_Saude/Farmacia/82642-ALICIA_DEITOS.pdf

Franco RCS, Carvalho Neto JA, Khouri MA, Nunes MO, Santos Júnior JW, Marques Neto J, et al. Consumo de medicamentos em um grupo populacional da área urbana de Salvador-BA. Rev Baiana Saúde Publica. 1987;13/14(4/1):113-21.

Kusturica MP, Sabo A, Tomic Z, Horvat O, Solak Z. Storage and disposal of unused medications: knowledge, behavior, and attitudes among Serbian people. Int J Clin Pharm, 34(4):604-10, 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s11096-012-9652-0

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). RDC Nº 306 de 2004. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Falqueto E, Kligerman DC. Diretrizes para um programa de recolhimento de medicamentos vencidos no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(3):883-92. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000800034

Milanez MC, Stutz E, Rosales TO, Penteado AJ, Perez E, Cruciol e Souza JM, et al. Avaliação dos estoques domiciliares de medicamentos em uma cidade do Centro-Sul do Paraná. Rev Ciênc Méd Biol. 2013;12(3):283-9.

Shah AD, Wood DM, Dargan PI. Internet survey of home storage of paracetamol by individuals in the UK. QJM. 2013;106(3):253-9. Epub 2012 Dec 19. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/qjmed/hcs232

Krousel-Wood M, Islam T, Webber LS, Re RN, Morisky DE, Muntner P. New medication adherence scale versus pharmacy fill rates in seniors with hypertension. Am J Manag Care. 2009;15(1):59-66.

Rodrigues MA, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, et al. Use of primary care services by elderly people with chronic conditions, Brazil. Rev Saúde Pública. 2009;43(4):604-12. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000037

Arrais PSD, Brito LL, Barreto ML, Coelho HLL. Prevalência e fatores determinantes do consumo de medicamentos no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005;21(6):1737-46. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000600021

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). RDC Nº 44 de 2010. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Uso Racional de Medicamentos: temas selecionados. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(37)1090

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia