Gestão de cuidados ao idoso dependente: Relato de um caso

Dalila Rodrigues Teixeira

Resumo


O presente caso enfatiza o papel do médico de família como gestor de cuidados assistenciais ao doente sem autonomia funcional; salientando-se a importância da abordagem sistêmica no planejamento da intervenção. Maria e José, ambos octogenários, formam uma família nuclear na fase VIII, do ciclo de Duvall. Na sequência de uma hospitalização prolongada, Maria ficou acamada, verificando-se na primeira visita domiciliar que José executava de forma praticamente isolada a função de cuidador. Perante esta situação, a médica de família coordenou uma rede apoios formais e informais, que permitiram aliviar a sobrecarga de José e a recuperação da capacidade de marcha de Maria. A relevância deste caso prende-se com o fato de constituir um exemplo paradigmático da atividade distintiva do médico de família, enquanto agente executor de uma abordagem globalizante, capaz de aglutinar os múltiplos aspectos fundamentais ao bem-estar integral dos doentes.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Idoso Dependência (Psicologia); Cuidados Médicos; Medicina de Família e Comunidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


Areosa SVC, Areosa AL. Envelhecimento e dependência: desafios a serem enfrentados. Textos Contextos (Porto Alegre).

;7(1):138-50.

Silva JV, Santos SMR. Trabalhando com famílias utilizando ferramentas. Rev APS. 2003;6(2):77-86.

Machado H, Soprano ATB, Machado C, Lustosa ACP, Lima MH, Mota ACG. Identificação de riscos na família a partir do

genograma. Fam Saúde Desenv. 2005;7(2):149-57.

Mello F, Vieira S. Genograma e ecomapa: possibilidades de utilização na estratégia de saúde da família. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2005;15(1):81-91.

Falceto OG, Fernandes CLC, Wartchow ES. O médico, o paciente e sua família. In: Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2004. p.115-24.

Elsen I. Cuidado familial: uma proposta inicial de sistematização. In: Elsen I, Marcon SS, Silva MRS, orgs. O viver em família e sua interface com a saúde e a doença. 2a ed. Maringá: Eduem; 2004. p.11-24.

Sampaio D, Resina T. Família: Saúde e Doença. Lisboa: Instituto de Clínica Geral da Zona Sul; 1994.

Allen J, Gay B, Crebolder H, Heyrman J, Svab I, Ram P, et al. A Definição Europeia de Medicina Geral e Familiar (Clínica

Geral/Medicina Familiar): versão reduzida. Lisboa: EURACT; 2005.

Attias-Donfut C. Les solidarités entre générations. Vieillesse, familles, État. Paris: Nathan; 1995.

Pimentel LG, Albuquerque CP, Solidariedades familiares e o apoio a idosos. Limites e Implicações. Textos Contextos (Porto Alegre). 2010;9(2):251-63.

Silveira Filho AD, Oliveira CA, Ribeiro EM, Lopes MGD. Programa Saúde da Família em Curitiba: estratégia de implementação da vigilância à saúde. In: Ducci L, Pedotti MA, Simão MG, Moysés SJ. Curitiba: a saúde de braços abertos. Rio de Janeiro: CEBES; 2001. p.239-51.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1103

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia