Cobertura da vacina meningocócica C nos estados e regiões do Brasil em 2012

Rosália Garcia Neves, Andrea Wendt Böhm, Caroline dos Santos Costa, Thaynã Ramos Flores, Ana Luiza Gonçalves Soares, Fernando César Wehrmeister

Resumo


Objetivos: Descrever a cobertura da vacina meningocócica C em crianças menores de um ano de idade, em 2012, nos estados e regiões do Brasil, e correlacionar com variáveis socioeconômicas e cobertura da Estratégia de Saúde da Família. Métodos: Estudo ecológico. A cobertura vacinal foi calculada utilizando o número de doses da vacina em 2012, disponível no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações, como numerador, e população residente menor de um ano, também em 2012, como denominador. Ainda, foi realizada uma correlação de Pearson (r) entre a cobertura vacinal e as variáveis socioeconômicas. Resultados: As regiões Norte e Nordeste não atingiram a recomendação de 95% para cobertura. A cobertura vacinal apresentou correlação positiva moderada com renda média per capita (r=0,6) e negativa e moderada com o coeficiente de Gini (r=-0,5). Conclusão: São necessárias ações educativas e políticas para aumentar a cobertura vacinal com objetivo de reduzir a incidência da doença meningocócica, além de estudos com delineamentos mais robustos.


Palavras-chave


Cobertura Vacinal; Programas de Imunização; Criança; Estudos Ecológicos; Meningite Meningocócica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Sáfadi MA, Cintra OA. Epidemiology of meningococcal disease in Latin America: current situation and opportunities for

prevention. Neurol Res. 2010;32(3):263-71. DOI: http://dx.doi.org/10.1179/016164110X12644252260754

Edmond K, Clark A, Korczak VS, Sanderson C, Griffiths UK, Rudan I. Global and regional risk of disabling sequelae from

bacterial meningitis: a systematic review and meta-analysis. Lancet Infect Dis. 2010;10(5):317-28. DOI: http://dx.doi.

org/10.1016/S1473-3099(10)70048-7

Rosenstein NE, Perkins BA, Stephens DS, Lefkowitz L, Cartter ML, Danila R, et al. The changing epidemiology of

meningococcal disease in the United States, 1992-1996. J Infect Dis. 1999;180(6):1894-901. DOI: http://dx.doi.org/10.1086/315158

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde

Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília; 2012. p.444.

Trotter CL, Andrews NJ, Kaczmarski EB, Miller E, Ramsay ME. Effectiveness of meningococcal serogroup C conjugate

vaccine 4 years after introduction. Lancet. 2004;364(9431):365-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(04)16725-1

Campbell H, Borrow R, Salisbury D, Miller E. Meningococcal C conjugate vaccine: the experience in England and Wales.

Vaccine. 2009;27 Suppl 2:B20-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.vaccine.2009.04.067

Trotter CL, Maiden MC. Meningococcal vaccines and herd immunity: lessons learned from serogroup C conjugate vaccination

programs. Expert Rev Vaccines. 2009;8(7):851-61. DOI: http://dx.doi.org/10.1586/erv.09.48

Sáfadi MAP, Berezin EN, Oselka GW. Análise crítica das recomendações do uso das vacinas meningocócicas conjugadas.

J Pediatr. (Rio J). 2012;88(3):195-202. DOI: http://dx.doi.org/10.2223/JPED.2167

Smith PJ, Jain N, Stevenson J, Männikkö N, Molinari NA. Progress in timely vaccination coverage among children living in lowincome

households. Arch Pediatr Adolesc Med. 2009;163(5):462-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/archpediatrics.2009.25

Barata RB, Pereira SM. Desigualdades sociais e cobertura vacinal na cidade de Salvador, Bahia. Rev Bras Epidemiol.

;16(2):266-77. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000200004

Porto MA, Santos CP, Gonçalves GG, Martinato LHM, Miranda PP, Celeste RK. Análise das desigualdades socioeconômicas

na cobertura da vacina contra difteria, tétano e coqueluche (DTP)/tetravalente para menores de 1 ano de idade no Rio Grande

do Sul, 2000-2009. Epidemiol Serv Saúde. 2013;22(4):579-86. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000400004

Moraes JC, Ribeiro MCSA. Desigualdades sociais e cobertura vacinal: uso de inquéritos domiciliares. Rev Bras Epidemiol.

;11(Suppl 1):113-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2008000500011

Senna Mde C. Equity and health policy: some reflections on the Family Health Program in Brazil. Cad Saúde Pública.

;Suppl:203-11. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000700020

Guimarães TMR, Alves JGB, Tavares MMF. Impacto das ações de imunização pelo Programa Saúde da Família na

mortalidade infantil por doenças evitáveis em Olinda, Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(4):868-76. DOI:

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000400018

Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FV, et al. Desempenho do PSF no Sul e no Nordeste

do Brasil: avaliação institucional e epidemiológica da Atenção Básica à Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(3):669-81.

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000300015

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações SI-PNI. Campanha de vacinação

[base de dados da internet] [Acesso 14 Jun 2014]. Disponível em: http://pni.datasus.gov.br/

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas populacionais para os municípios brasileiros em 01.07.2012

[Acesso 14 Jun 2014]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2012/default.shtm

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Histórico de Cobertura da Saúde da Família [Acesso 15

Jun 2014]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/historico_cobertura_sf.php Acesso em: 15 jun 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da família no Brasil:

uma análise de indicadores selecionados: 1998-2004. Brasília; 2006.

Blank D. A puericultura hoje: um enfoque apoiado em evidências. J Pediatr. (Rio J). 2003;79supl 1:S13-22. DOI: http://

dx.doi.org/10.1590/S0021-75572003000700003

Moraes JC, Ribeiro MCSA, Simões O, Castro PC, Barata RB. Qual é a cobertura vacinal real? Epidemiol Serv Saúde. 2003;12(3):147-53.

Sáfadi MAP, Barros AP. Vacinas meningocócicas conjugadas: eficácia e novas combinações. J Pediatr. (Rio J). 2006;82(3):s35-44. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572006000400005

Victora CG, Vaughan JP, Barros FC, Silva AC, Tomasi E. Explaining trends in inequities: evidence from Brazilian child health

studies. Lancet. 2000;356(9235):1093-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(00)02741-0

Rocha R, Soares RR. Evaluating the impact of community-based health interventions: evidence from Brazil’s Family Health

Program. Health Econ. 2010;19 Suppl:126-58. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/hec.1607

Teixeira AMS, Mota ELA. Denominadores para o cálculo de coberturas vacinais: um estudo das bases de dados para estimar a população menor de um ano de idade. Epidemiol Serv Saúde. 2010;19(3):187-203.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1122

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia