Violência, drogadição e processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: conflitos de um grande centro urbano brasileiro

Tatiana Monteiro Fiúza, Alcides Silva de Miranda, Marco Túlio Aguiar Mourão Ribeiro, Mayrá Lobato Pequeno, Pedro Renan Santos de Oliveira

Resumo


A implantação e consolidação da Estratégia Saúde da Família (ESF) em um grande centro urbano é um desafio. Questões decorrentes da dinâmica histórico-social de um grande centro urbano influenciam o processo de trabalho e as necessidades de educação em saúde percebidas pelos profissionais de saúde. A pobreza, a desigualdade social, as drogas e a violência urbana potencializam-se por meio de um feedback cruel e positivo, o que Campos denominou de um fluxo maluco e contraditório de informações, com essa ciranda perversa de destruição de valores penosamente construídos, influenciando nas atividades das Equipes de Saúde da Família. Este trabalho possuiu como objetivo analisar as percepções de profissionais de nível superior que atuam na ESF sobre a influência do trabalho em um grande centro urbano no processo de trabalho das equipes e necessidades educacionais dos profissionais, particularmente a violência urbana, a drogadição e tráfico de drogas. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa sobre os discursos práticos de profissionais de Saúde, a partir de Grupos Focais e entrevistas individuais em profundidade, com o escopo de análise baseado no método de Análise de Conteúdo, do tipo Categorial e Temática. Diferenças entre a ESF no interior, em municípios de pequeno e médio porte e na capital e as dificuldades inerentes ao trabalho nesta foram recorrentes no discurso. Reflexões sobre a problemática da violência urbana, da drogadição e do tráfico de drogas são explícitas no material discursivo. Riscos e vulnerabilidades inerentes a essa questão surgem como problemática a ser enfrentada pelos profissionais da ESF: promiscuidade sexual, início precoce da vida sexual, atividade sexual desprotegida, prostituição, negligência para com as crianças, problemas familiares, abandono e maus tratos de idosos, evasão escolar, dentre outros.

Palavras-chave


Violência; Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias; Atenção Primária à Saúde; Saúde da Família

Texto completo:

PDF

Referências


Campos EMS. A Estratégia de Saúde da Família e sua proposta de (Re) estruturação do Modelo Assistencial do SUS: a perspectiva de quem molda sua operacionalização. [Resumo de tese de Doutorado em Saúde Coletiva]. Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de Atenção Básica. Brasília; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia prático do Programa Saúde da Família. Brasília; 2001.

Briceno-Leon R. La nueva violencia urbana de América Latina. Sociologias. 2002;4(8):34-51.

World Health Organization (WHO). Injury, a leading cause of the global burden of disease. Geneva; 1999.

Cruz JM. La victimización por violencia urbana: niveles y factores asociados en ciudades de América Latina y España. Rev Panam Salud Publica. 1999;5(4):259-67.

Castillo MMA, Caufield, LC, Meza MVG. Consumo de drogas e violência ocupacional em mulheres trabalhadoras de Monterrey, N. L. México. Rev Latino-Am Enfermagem. 2005;13(2):1155-63.

Carneiro HS. As drogas e a história da humanidade. Psicologia Ciência e Profissão. 2009;6(6):13-15.

Brasil. Lei 6.368 de 1976. Dispõe sobre medidas de prevenção e repressão ao tráfico ilícito e uso indevido de substâncias entorpecentes ou que determinem dependência física ou psíquica, e dá outras providências. Brasília: Senado Federal; 1976.

Karam ML. Um olhar sobre a política proibicionista. Psicol Ciência Profissão. 2009;6(6):38-42.

Brasil. Lei 11.343 de 2006. Política Nacional sobre Drogas. Brasília: Casa Civil; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde. Relatório Final da III Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Conselho Federal de Psicologia. Subjetividade do consumo de álcool e outras drogas e as políticas públicas brasileiras. Brasília: CFP; 2010.

Barreto ICHC, Andrade LOM, Loiola F, Paula JB, Miranda AS, Goya N. A Educação Permanente e a construção de Sistemas Municipais de Saúde-Escola: O caso de Fortaleza (CE). Divulgação em para debate – Série Conasens/CEBES 2006;34:31-46.

Andrade LO, Barreto IC, Bezerra LC. Atenção primária à saúde e Estratégia de Saúde da Família. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Junior M, Carvalho YM. Tratado de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Hucitec; Fiocruz; 2006.

Habermas J. Teoría de la acción comunicativa: complementos y estudios previos. Madrid: Cátedra; 1989.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

Kind L. Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psicologia em Revista. 2004;10(15):124-36.

Gatti BA. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Líber livro; 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Resolução nº 196, de 1996. Brasília, DF, out. 1996. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/1996/Reso196.doc

World Medical Association. WMA Declaration of Helsinki: ethical principles for medical research involving human subjects [Internet]. Ferney-Voltaire (France); 2008 [acesso 2010 Jan 10]. 59th WMA General Assembly, Seoul, Korea, October 2008. Disponível em: http://www.wma.net/ en/30publications/10policies/b3/.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(18)119

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia