Atrofia de Múltiplos Sistemas: gestão de caso complexo em uma Unidade de Saúde da Família

Natalia Rocha Henriques Magela, Luciane Loures dos Santos, Tiago Batistela, Marcela Stabile da Silva Fukui, Janise Braga Barros Ferreira

Resumo


A Atrofia de Múltiplos Sistemas é uma doença neurodegenerativa grave, caracterizada por falência autonômica progressiva, com características parkinsonianas, cerebelares e piramidais em diferentes combinações. É a terceira causa de Parkinsonismo, atingindo 7,8% dos maiores de 40 anos, de evolução rápida e com média de 6 a 10 anos de vida após o início dos sintomas. O objetivo do estudo foi relatar um caso complexo de Atrofia de Múltiplos Sistemas acompanhado em uma Unidade de Saúde da Família. Reforça a importância da longitudinalidade para a coordenação do cuidado, o diagnóstico diferencial e a integralidade da atenção. O olhar global da equipe de saúde da família influenciou o manejo do caso, favorecendo o trabalho em rede com a abordagem especializada. Destaca a magnitude da gestão do cuidado praticada na Atenção Primária à Saúde na condução dos casos complexos.


Palavras-chave


Parkinsonismo. Atrofia de Múltiplos Sistemas. Administração de Caso. Atenção Primária à Saúde. Estratégia de Saúde da Família. Diagnóstico Diferencial.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO/Ministério da Saúde; 2004. 726 p.

Falk JW, Gusso G, Lopes JMC. Medicina de Família e Comunidade como especialidade médica e profissão. In: Tratado de Medicina de Família e Comunidade. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 12-18.

Fanciulli A, Wenning GK. Multiple-system atrophy. N Engl J Med. 2015;372(3):249-63. PMID: 25587949 DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJMra1311488

Knopp DB, Barsottini OGP, Ferraz HB. Avaliação fonoaudiológica na Atrofia de Múltiplos Sistemas. Estudo com cinco pacientes. Arq Neuro-Psiquiatr. 2002;60(3A):619-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2002000400019

Albuquerque AV, Freitas MR, Cincinatus D, Harouche MB. Clinical-radiological correlation. Report of two cases. Arq Neuro-Psiquiatr. 2007;65(2B):512-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2007000300029

Gusso G. A especialidade Medicina de Família e Comunidade. Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. 2011. [citado 2016 Mar 4]. Disponível em: http://www.apmfc.org.br/images/artigos/especialidade.pdf

Matuda CG, Pinto NRS, Martins CL, Frazão P. Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família: implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(8):2511-21. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015208.11652014

Landsberg GAP, Savassi LCM, Sousa AB, Freitas JMR, Nascimento JLS, Azagra R. Análise de demanda em Medicina de Família no Brasil utilizando a Classificação Internacional de Atenção Primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):3025-36. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100019




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1328

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia