Prevalência de burnout em médicos residentes de Medicina Geral e Familiar em Portugal

  • Sara Cristina Robalo dos Santos Unidade de Saúde Familiar S. Julião, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
  • Ana Isabel Francisco Viegas Unidade de Saúde Familiar Conde de Oeiras, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
  • Catarina Isabel de Magalhães Oliveira Morgado Unidade de Saúde Familiar S. Julião, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
  • Carla Sofia Varela Ramos Unidade de Saúde Familiar S. Julião, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
  • Christina Nunes Delgado Soares Unidade de Saúde Familiar Travessa da Saúde, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Loures Odivelas
  • Helena Mafalda da Conceição João Roxo Unidade de Saúde Familiar Cova da Piedade, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Almada-Seixal
  • Mafalda Cleto da Silva Santos Unidade de Saúde Familiar S. Julião, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
  • Sara Nunes Pires Nabais Unidade de Saúde Familiar Conde de Oeiras, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
Palavras-chave: Esgotamento Profissional. Internato e Residência. Medicina de Família e Comunidade. Atenção Primária à Saúde.

Resumo

Objetivo: Determinar a prevalência de burnout nos residentes de Medicina Geral e Familiar (MGF) em Portugal e analisar variáveis que possam influenciar os níveis de burnout nas suas três dimensões (Exaustão Emocional - EE; Despersonalização - DP e Realização Pessoal - RP). Métodos: Estudo transversal, observacional; aplicados questionários de novembro a dezembro de 2015 constituídos pelo Maslach Burnout Inventory e por variáveis sociodemográficas e da residência. Tamanho da amostra estimado de 327 residentes (IC 95%; erro amostral de 5%). Resultados: Amostra representativa composta por 431 residentes (média de 28,7 anos, 80,7% do gênero feminino). A prevalência de burnout global (níveis de burnout elevado na dimensão da EE e/ou DP) foi 46,9%; 38,1% dos residentes apresentava burnout elevado na EE, 45,2% na RP e 26,5% na DP. Verificou-se uma associação estatisticamente significativa entre níveis de burnout elevado e residentes medicados com ansiolíticos/hipnóticos – EE (p<0,001); RP (p=0,001) e DP (p<0,001) e também nos residentes medicados com antidepressivos, na EE e RP (p=0,01). Nos residentes com intenção de desistir da residência/carreira médica verificaram-se níveis elevados de burnout na EE (p<0,001 para ambas), na RP (p=0,003 e p=0,01, respectivamente) e na DP (p=0,005 e p<0,001, respectivamente). Nos residentes que não escolheram MGF como primeira opção, verificaram-se níveis de burnout elevados na dimensão da DP (p<0,001) e da RP (p=0,04). Conclusão: Dada a elevada prevalência de burnout nos residentes de MGF em Portugal, torna-se fundamental desenvolver novos estudos a nível internacional e desenvolver estratégias que previnam e minimizem o impacto negativo desta síndrome.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sara Cristina Robalo dos Santos, Unidade de Saúde Familiar S. Julião, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras

Médica Interna de 4º ano de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar S. Julião

Ana Isabel Francisco Viegas, Unidade de Saúde Familiar Conde de Oeiras, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
Médica Interna de 4º ano de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar Conde de Oeiras
Catarina Isabel de Magalhães Oliveira Morgado, Unidade de Saúde Familiar S. Julião, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
Médica Interna de 4º ano de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar S. Julião
Carla Sofia Varela Ramos, Unidade de Saúde Familiar S. Julião, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
Médica Interna de 3º ano de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar S. Julião
Christina Nunes Delgado Soares, Unidade de Saúde Familiar Travessa da Saúde, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Loures Odivelas
Médica Interna de 4º ano de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar Travessa da Saúde
Helena Mafalda da Conceição João Roxo, Unidade de Saúde Familiar Cova da Piedade, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Almada-Seixal
Médica Interna de 4º ano de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar Cova da Piedade
Mafalda Cleto da Silva Santos, Unidade de Saúde Familiar S. Julião, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
Médica Interna de 4º ano de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar de S. Julião
Sara Nunes Pires Nabais, Unidade de Saúde Familiar Conde de Oeiras, Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras
Médica Interna de 4º ano de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar Conde de Oeiras

Referências

Soler JK, Yaman H, Esteva M, Dobbs F, Asenova RS, Katic M, et al.; European General Practice Research Network Burnout Study Group. Burnout in European family doctors: the EGPRN study. Fam Pract. 2008;25(4):245-65. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/fampra/cmn038

Morelli SG, Sapede M, Silva ATC. Burnout em médicos da Atenção Primária: uma revisão sistemática. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-9. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(34)958

Putnik K, Houkes I. Work related characteristics, work-home and home-work interference and burnout among primary healthcare physicians: a gender perspective in a Serbian context. BMC Public Health. 2011;11:716. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2458-11-716

Matía Cubillo AC, Cordero Guevara J, Mediavilla Bravo JJ, Pereda Riguera MJ, González Castro ML, González Sanz A. Evolution of burnout and associated factors in primary care physicians. Aten Primaria. 2012;44(9):532-9.

Al-Sareai NS, Al-Khaldi YM, Mostafa OA, Abdel-Fattah MM. Magnitude and risk factors for burnout among primary health care physicians in Asir Province, Saudi Arabia. East Mediterr Health J. 2013;19(5):426-34.

Schaufeli WB, Bakker AB, Hoogduin K, Schaap C, Kladler A. on the clinical validity of the maslach burnout inventory and the burnout measure. Psychol Health. 2001;16(5):565-82. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/08870440108405527

Prins JT, Gazendam-Donofrio SM, Tubben BJ, van der Heijden FM, van de Wiel HB, Hoekstra-Weebers JE. Burnout in medical residents: a review. Med Educ. 2007;41(8):788-800. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2923.2007.02797.x

Ishak WW, Lederer S, Mandili C, Nikravesh R, Seligman L, Vasa M, et al. Burnout during residency training: a literature review. J Grad Med Educ. 2009;1(2):236-42. DOI: http://dx.doi.org/10.4300/JGME-D-09-00054.1

Thomas NT. Resident burnout. JAMA. 2004;292(23):2880-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/jama.292.23.2880

Galam E, Komly V, Le Tourneur A, Jund J. Burnout among French GPs in training: a cross-sectional study. Br J Gen Pract. 2013;63(608):e217-24. DOI: http://dx.doi.org/10.3399/bjgp13X664270

Zis P, Anagnostopoulos F, Sykioti P. Burnout in medical residents: a study based on the job demands-resources model. ScientificWorldJournal. 2014;2014:673279. DOI: http://dx.doi.org/10.1155/2014/673279

Dyrbye LN, West CP, Satele D, Boone S, Tan L, Sloan J, et al. Burnout among U.S. medical students, residents, and early career physicians relative to the general U.S. population. Acad Med. 2014;89(3):443-51. DOI:

http://dx.doi.org/10.1097/ACM.0000000000000134

Rutherford K, Oda J. Family medicine residency training and burnout: a qualitative study. Can Med Educ J. 2014;5(1):e13-23.

Dyrbye L, Shanafelt T. A narrative review on burnout experienced by medical students and residents. Med Educ. 2016;50(1):132-49. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/medu.12927

Prins JT, Hoekstra-Weebers JE, van de Wiel HB, Gazendam-Donofrio SM, Sprangers F, Jaspers FC, et al. Burnout among Dutch medical residents. Int J Behav Med. 2007;14(3):119-25. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/BF03000182

Gómez-Gascón T, Martín-Fernández J, Gálvez-Herrer M, Tapias-Merino E, Beamud-Lagos M, Mingote-Adán JC; Grupo EDESPROAP-Madrid. Effectiveness of an intervention for prevention and treatment of burnout in primary health care professionals. BMC Fam Pract. 2013;14:173. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-14-173

Bovier PA, Arigoni F, Schneider M, Gallacchi MB. Relationships between work satisfaction, emotional exhaustion and mental health among Swiss primary care physicians. Eur J Public Health. 2009;19(6):611-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/eurpub/ckp056

Nielsen HG, Tulinius C. Preventing burnout among general practitioners: is there a possible route? Educ Prim Care. 2009;20(5):353-9.

Marôco J, Marôco AL, Leite E, Bastos C, Vazão MJ, Campos J. Burnout em Profissionais de Saúde Portugueses: Uma Análise a Nível Nacional. Acta Med Port. 2016;29(1):24-30. DOI: http://dx.doi.org/10.20344/amp.6460

Mendes P, Cardoso VP, Yaphe J. Stress e burnout em internos de medicina geral e familiar da zona Norte de Portugal: estudo transversal. Rev Port Med Geral Fam. 2017;33(1):16-28.

Gaspar D. Medicina Geral e Familiar: uma escolha gratificante. Acta Med Port. 2006;19(2):133-40.

Gaspar D, Jesus SN, Cruz JP. Motivação Profissional e Apoio Fornecido no Estágio: Estudo longitudinal de uma Coorte de Médicos do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar. Acta Med Port. 2011;24(S2):137-46.

West CP, Dyrbye LN, Erwin PJ, Shanafelt TD. Interventions to prevent and reduce physician burnout: a systematic review and meta-analysis. Lancet. 2016;388(10057):2272-81. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(16)31279-X

Publicado
2017-06-22
Como Citar
dos Santos, S. C. R., Viegas, A. I. F., Morgado, C. I. de M. O., Ramos, C. S. V., Soares, C. N. D., Roxo, H. M. da C. J., Santos, M. C. da S., & Nabais, S. N. P. (2017). Prevalência de burnout em médicos residentes de Medicina Geral e Familiar em Portugal. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 12(39), 1-9. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1430
Seção
Artigos de Pesquisa