Avaliação dos resultados obtidos nos grupos de controle do tabagismo realizados numa unidade de saúde de Curitiba-PR

Lucileyne Wittkowski, Cynthia Ramos Soares Dias

Resumo


Introdução: O tabagismo é fator de risco para diversas doenças, sendo responsável por seis óbitos a cada segundo. No Brasil, sua prevalência é de 14,7%. A terapia cognitivo comportamental é alicerce principal para esta abordagem. Objetivo: Avaliar os resultados obtidos nos grupos do programa nacional de controle do tabagismo (PNCT) desenvolvidos numa unidade municipal de saúde (UMS) de Curitiba – Paraná (PR), com ênfase na avaliação da taxa de cessação da dependência nicotínica e análise do perfil clínico epidemiológico dos pacientes. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, observacional e retrospectivo. Foram analisados dados da população participantes dos grupos do PNCT através das fichas da avaliação inicial e das planilhas de consolidação de informações do Ministério da Saúde. Resultados: Foram realizados 8 grupos, totalizando 160 tabagistas. 68% eram do sexo feminino, 38% eram casados e 32,5% tinham ensino fundamental incompleto. A média de idade foi de 47,2 anos e de início do tabagismo, de 15 anos. A porcentagem de cessação do uso do tabaco variou de 12,5 até 72,7 ao final do primeiro mês. A taxa de desistência do tratamento chegou a 62,5% nos grupos. Conclusão: Os Grupos do Programa de Controle ao Tabagismo apresentam resultados a curto prazo, porém alto índice de abandono do tratamento. Houve baixa adesão à manutenção da abstinêcia no decorrer do tempo. Maiores esforços devem ser destinados visando uma abstinência duradoura.


Palavras-chave


Tabagismo. Uso de Tabaco. Abandono do Uso de Tabaco. Terapia Cognitiva.

Texto completo:

PDF

Referências


Santos JDP, Achutti A, Guths P. Tabagismo. In: Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ, eds. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseada em evidências. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2013. p. 564-73.

Studart FS, Zavattieri AG. Tabagismo. In: Gusso G, Lopes JMC, eds. Tratado de Medicina de Família e Comunidade – Princípio, Formação e Prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 1943-80.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Vigitel Brasil 2016: Saúde Suplementar. Vigilância de fatores de risco eproteção para doenças crôncias por inquértio telefônico. Estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

World Health Organization. Reducing deaths from tobacco. In: World Health Statistics 2008. Geneva: WHO Library Cataloguing-in-Publication Data; 2008. p. 18-20.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Abordagem e Tratamento do Fumante – Consenso 2001. Rio de Janeiro: INCA; 2001.

Silva AR, Chiovatto ED, Sampaio M, Rachid L. Tabagismo. In: Medeiros Junior ME, Silva ATC, Alonso Junior AH, Lopes HR, Rios IC, Arrojo Junior JC, et al., orgs. Manual do Médico de Família Santa Marcelina. São Paulo: Martinari; 2016. p. 671-83.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Tratamento do Tabagismo [Internet]. [acesso 2016 Mar 22]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/situacao/arquivos/acoes_tratamento_tabagismo.pdf

Madewell ZJ, Figueiredo VC, Harbertson J, Pérez RL, Novotny T. Exposure to smoking in soap operas and movies: smoking cessation and attempts to quit. Cad Saúde Pública. 2017;33(Suppl 3):e00118015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00118015

Mendes FL, Szklo AS, Perez CA, Cavalcante TM, Fong GT. A percepção do cumprimento das leis antifumo em bares e restaurantes em três cidades brasileiras: dados do ITC-Brasil. Cad. Saúde Pública. 2017;33(Suppl 3):e00140315. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00140315

Ramos LR, Malta DC, Gomes GAO, Bracco MM, Florindo AA, Mielke GI, et al. Prevalência de programas de promoção da saúde em unidades básicas no Brasil. Rev Saúde Pública. 2014;48(5):837-44. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005249

Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação de Prevenção e Vigilância — Conprev. Deixando de Fumar sem Mistérios. Rio de Janeiro: MS/INCA; 2004. 54 p.

Azevedo RCS, Higa CMH, Assumpção ISMA, Frazatto CRG, Fernandes RF, Goulart W, et al. Grupo terapêutico para tabagistas: resultados após seguimento de dois anos. Rev Assoc Med Bras. 2009;55(5):593-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000500025

Lombardi EMS, Prado GF, Santos UP, Fernandes FLA. O tabagismo e a mulher: riscos, impactos e desafios. J Bras Pneumol. 2011;37(1):118-28. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132011000100017

Bittencourt L, Person SD, Cruz RC, Scarinci IC. Pictorial health warnings on cigarette packs and the impact on women. Rev Saúde Pública. 2013;47(6):1123-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102013000901123

Sousa NA. Abordagem e tratamento do tabagismo: resultados de um grupo educativo. In: I Fórum da Saúde: o foco é você. 2011 Out 7-9; Jundiaí, SP, Brasil.

Mesquita AA. Avaliação de um programa de tratamento do tabagismo. Rev Bras Ter Comp Cogn. 2013;15(2):35-44.

Pawlina MM, Rondina RC, Espinosa MM, Botelho C. Abandonment of nicotine dependence treatment: A cohort study. Sao Paulo Med J. 2016;134(1):47-55. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1516-3180.2015.00830309

Stead LF, Koilpillai P, Fanshawe TR, Lancaster T. Combined pharmacotherapy and behavioural interventions for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev. 2016;3:CD008286. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD008286.pub3

Stead LF, Carroll AJ, Lancaster T. Group behaviour therapy programmes for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev. 2017;3:CD001007.

Cahill K, Lancaster T. Workplace interventions for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev. 2014;(2):CD003440.

Stead LF, Perera R, Bullen C, Mant D, Hartmann-Boyce J, Cahill K, et al. Nicotine replacement therapy for smoking cessation. Cochrane Database Syst Rev. 2012;11:CD000146. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD000146.pub4

Cahill K, Stevens S, Perera R, Lancaster T. Pharmacological interventions for smoking cessation: an overview and network meta-analysis. Cochrane Database Syst Rev. 2013;(5):CD009329. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD009329.pub2

Lindson-Hawley N, Aveyard P, Hughes JR. Reduction versus abrupt cessation in smokers who want to quit. Cochrane Database Syst Rev. 2012;11:CD008033. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD008033.pub3

Bittencourt L, Scarinci IC. Is There a Role for Community Health Workers in Tobacco Cessation Programs? Perceptions of Administrators and Health Care Professionals. Nicotine Tob Res. 2014;16(5):626-31. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/ntr/ntt217

Bittencourt L, Cruz RC, Scarinci IC. Seleção e capacitação para o tratamento do tabagismo no sistema único de saúde: perspectivas de gestores e profissionais de saúde no estado do Paraná, Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):645-54. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000400006




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1463

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia