Avaliação do Risco Cardiovascular na Unidade Básica de Saúde HCPA/Santa Cecília

Ângela va Ben, Cristina Rolim Neumann, Erno Harzheim, Julia Rostirolla Schimitt, Camila Miranda, Vanessa Schierholt Silva, Cintia Junges, Graziela Massochini, Rafaela Piccoli, Fabian Nickel, Verena Rovigatti, Ariel Camargo, Larissa Garcia, Tiago Leão, Mariana Gomes, Brigida Oliveira, Waleska Petterle

Resumo


Introdução: um dos passos importantes no processo de avaliação dos serviços de saúde, propostos por Donabedian, é a avaliação das características sócio-demográficas e de saúde da população atendida, utilizando estas informações no planejamento. Objetivo: determinar a prevalência dos fatores e comportamentos de risco cardiovascular numa área adscrita do Programa de Saúde da Família da UBS HCPA/Santa Cecília e avaliar a qualidade do cuidado preventivo a esses pacientes, sua afiliação ao serviço de saúde e a percepção das pessoas em relação a sua saúde. Materiais e Métodos: foi planejado um estudo de prevalência, no qual selecionamos em entrevistas domiciliares os homens ? 45, mulheres ? 55 anos e os indivíduos com pelo menos um dos seguintes fatores de risco independente da idade: Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), Diabete Melitus (DM), Cardiopatia Isquêmica (CI), Doença Cerebrovascular (DCV). Os indivíduos selecionados responderam a um questionário sobre fatores de risco que incluía variáveis sócio-demográficas, antropométricas, afiliação ao serviço de saúde e presença de fatores de risco tais como: tabagismo, sedentarismo, consumo de álcool, HAS, DM, Hipercolesterolemia, obesidade, obesidade central e doença cardiovascular. Os dados preliminares são apresentados de forma descritiva utilizando média e desvio padrão ou mediana e quartil conforme a distribuição gauseana ou não-gauseana, respectivamente. Resultados: foram identificados 1126 domicílios na área. Destes, 94 foram visitados e encontrados 82 indivíduos com fatores de risco cardiovascular. Esta amostra foi composta por 49 (59,7%) mulheres e a idade média foi de 62 ±11.8 e com média de 8,7 anos de estudo. A análise dos fatores de risco nesta amostra populacional mostrou a presença de fatores de risco nos seguintes percentuais: HAS 64,6 %, DM 22%, 42,6% obesos, 32,9% com sobrepeso, tabagismo 10,2%, sedentarismo 46,1%, dislipidemia 41,5%, história de acidente vascular cerebral 7,3%, história de infarto agudo do miocárdio 7,3% e CI 13,4%. Não foram encontradas diferenças entre homens e mulheres quanto à presença de fatores de risco. Conclusões: os dados preliminares sugerem uma grande prevalência de fatores de risco na população estudada, principalmente no que se refere à HAS, à DM, à obesidade e ao sedentarismo. Intervenções na comunidade visando o controle destes fatores de risco devem ser implementadas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(18)153

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2011 Ângela va Ben, Cristina Rolim Neumann, Erno Harzheim, Julia Rostirolla Schimitt, Camila Miranda, Vanessa Schierholt Silva, Cintia Junges, Graziela Massochini, Rafaela Piccoli, Fabian Nickel, Verena Rovigatti, Ariel Camargo, Larissa Garcia, Tiago Leão, Mariana Gomes, Brigida Oliveira, Waleska Petterle

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia