Efetividade do programa de controle ao tabagismo em uma cidade do sul do Brasil

Kelser de Souza Kock, Matheus Walerio Braido Arantes, Carolina Campos dos Santos, Solange de Souza Castelini

Resumo


Objetivo: Avaliar a efetividade do programa de controle ao tabagismo em uma cidade do sul do Brasil. Métodos: Foi realizado um estudo de Coorte Retrospectiva que analisou os resultados das unidades de saúde que participaram do Programa de Controle do Tabagismo na cidade de Tubarão (SC) no período de 2014 a 2016. Resultados: Foram analisados dados de 106 usuários, sendo na maioria mulheres, com média de idade de 51,0±10,9 anos. A efetividade do programa foi de 51,9%, com tempo médio para cessação tabágica de aproximadamente de 3 semanas. Os indivíduos do sexo feminino e que participaram de menos do que 4 encontros apresentaram maior dificuldade em parar de fumar. Conclusão: O programa apresenta boa efetividade, compatível com outros programas semelhantes no Brasil e no exterior. A dependência à nicotina e uso de bupropiona não foram fatores determinantes no desfecho e o período em que o programa foi mais efetivo quanto à cessação do tabaco foram as 3 semanas iniciais.


Palavras-chave


Hábito de Fumar. Abandono do Uso de Tabaco .Programa Nacional de Controle do Tabagismo. Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


World Health Organization - WHO. Global status report on noncommunicable diseases 2010: Description of the global burden of NCDs, their risk factors and determinants. Geneva: World Health Organization; 2011.

Silva LC, Araújo AJ, Queiroz AM, Sales MD, Castellano MV; Comissão de Tabagismo da SBPT. Smoking control: challenges and achievements. J Bras Pneumol. 2016;42(4):290-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1806-37562016000000145

Oberg M, Jaakkola MS, Woodward A, Peruga A, Prüss-Ustün A. Worldwide burden of disease from exposure to second-hand smoke: a retrospective analysis of data from 192 countries. Lancet. 2011;377(9760):139-46. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(10)61388-8

Lightwood JM, Glantz SA. Declines in acute myocardial infarction after smoke-free laws and individual risk attributable to secondhand smoke. Circulation. 2009;120(14):1373-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.109.870691

Shafey O, Ericksen M, Mackay J, Ross H. The Tobacco Atlas, 3rd ed. Atlanta: Bookhouse Group/American Cancer Society; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco: Secretaria Executiva da Comissão Nacional para Implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco. Rio de Janeiro: INCA; 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O controle do tabaco no Brasil: uma trajetória. Rio de Janeiro: INCA; 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Tabagismo. Tratamento do tabagismo no SUS: informações aos gestores. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Coordenação de Prevenção e Vigilância (CONPREV). Abordagem e Tratamento do Fumante: Consenso 2001. Rio de Janeiro: INCA; 2001.

Mesquita AA. Avaliação de um programa de tratamento do tabagismo. Rev Bras Ter Comport Cogn. 2013;15(2):35-44.

Azevedo RCS, Higa CMH, Assumpção ISMA, Frazatto CRG, Fernandes RF, Goulart W, et al. Grupo terapêutico para tabagistas: resultados após seguimento de dois anos. Rev Assoc Méd Bras. 2009;55(5):593-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000500025

Meier DAP, Vannuchi MTO, Secco IAO. Abandono do tratamento do tabagismo em programa de município do norte do Paraná. Rev Esp Saúde. 2011;13(1):35-44.

Rodrigues NC, Neves RD, Mendes Dde S, Mendes CP, Martins IH, Reis IN, et al. Profile of Brazilian smokers in the National Program for Tobacco Control. Rev Bras Psiquiatr. 2015;37(2):150-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1516-4446-2014-1611

Peña P, Zagolin M, Acuña M, Navarrete S, Bustamante P, Canals A. Factors associated with success of a smoking cessation program. Rev Med Chil. 2016;144(8):965-71.

Mavrot C, Stucki I, Sager F, Etter JF. Efficacy of an Internet-based, individually tailored smoking cessation program: A randomized-controlled trial. J Telemed Telecare. 2017;23(5):521-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/1357633X16655476

Jesus MCP, Silva MH, Cordeiro SM, Kortchmar E, Zampier VSB, Merighi MAB. Understanding unsuccessful attempts to quit smoking: a social phenomenology approach. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(1):71-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000100010

Eckerdt NS, Corradi-Webster CM. Sentidos sobre o hábito de fumar para mulheres participantes de grupo de tabagistas. Rev Latino Am Enferm. 2010;18(no.spe):641-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692010000700022

Figueiró LR, Barros HM, Ferigolo M, Dantas DC. Assessment of factors related to smokers’ adherence to a short-term support group for smoking cessation: a longitudinal study in a developing country. Trends Psychiatry Psychother. 2017;39(1):19-28. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2237-6089-2016-0041

Curry SJ, Mermelstein RJ, Sporer AK. Sustainability of Community-Based Youth Smoking Cessation Programs: Results From a 3-Year Follow-Up. Health Promot Pract. 2016;17(6):845-52. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/1524839916657326

França SAS, Neves ALF, Souza TAS, Martins MCN, Carneiro SR, Sarges ESNF, et al. Fatores associados à cessação do tabagismo. Rev Saúde Pública. 2015;49:10.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1562

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Kelser de Souza Kock, Matheus Walerio Braido Arantes, Carolina Campos dos Santos, Solange de Souza Castelini

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia