Proposta de residência em Atenção Domiciliar como área de atuação

Leonardo Cançado Monteiro Savassi, Cibele Gomes Lima Melo, Daniel Almeida Gonçalves, Denize Ornelas Pereira Salvador Oliveira, Heitor Rossi Lopes, Renata Luciana Hasegawa Fregonezi, Sara Turcotte

Resumo


A Atenção Domiciliar (AD) configura-se numa área de atuação de diversos especialistas, como Médicos de Família e Comunidade, Geriatras, Pediatras e Internistas. Por suas especificidades e dentro do seu campo de práticas, demanda competências que não estão contempladas isoladamente em nenhuma especialidade médica, sendo que o tempo e a estrutura necessários para a aquisição destas ultrapassa a capacidade de inserção ao longo dos programas atuais.  A expansão desta modalidade de cuidados representa uma demanda crescente de formação, exigindo a inclusão da AD como potencial campo de trabalho destes especialistas, concebendo a necessidade de terceiro ano de residência, enquanto área de atuação. Discutem-se as estratégias de formação, campos da prática e estrutura programática, necessários para a consolidação desta proposta. Espera-se que este artigo possa subsidiar a natural construção desta especialidade no âmbito da atuação médica em saúde.


Palavras-chave


Internato e Residência; Serviços de Assistência Domiciliar; Visita Domiciliar; Educação em Saúde; Educação Médica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Domiciliar. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.529 de 19 de outubro de 2006. Institui a Internação Domiciliar no âmbito do SUS. Brasília: Diário Oficial da União; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.029 de 24 de agosto de 2011. Define a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Diário Oficial da União; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.527 de 27 de outubro de 2011. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Diário Oficial da União; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Sala de Apoio a Gestão Estratégica. Brasília: Portal SAGE; 2017 [Internet]. [citado 2017 Ago 19]. Disponível em: http://sage.saude.gov.br

Brasil. Ministério da Saúde. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. SCNES. Brasília: DATASUS [Internet]. [citado 2018 Fev 6]. Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br/

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 825 de 26 de abril de 2016. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Brasília: Diário Oficial da União; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Segurança do paciente no domicílio. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Brasil. Agência de Vigilância Sanitária. Resolução RDC Nº 11, de 26 de janeiro de 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção Domiciliar. Brasília: Ministério da Saúde; 2006 [Internet]. [citado 2017 Ago 26]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2006/res0011_26_01_2006.html

Silva KL, Sena RR, Seixas CT, Feuerwerker LCM, Merhy EE. Atenção domiciliar como mudança do modelo tecnoassistencial. Rev Saúde Pública. 2010;44(1):166-76. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000100018

Dias MB, Savassi LCM, Nunes MRMTP, Zachi MLR. A Política Nacional de Atenção Domiciliar no Brasil: potencialidades, desafios, e a valorização necessária da Atenção Primária a Saúde. J Manag Prim Heal Care. 2015;6(1):1-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Decreto Nº 8.516, de 10 de setembro de 2015. Regulamenta a formação do Cadastro Nacional de Especialistas de que tratam o § 4º e § 5º do art. 1º da Lei nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e o art. 35 da Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Brasília: Diário Oficial da União; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM Nº 2.148 de 22 de julho de 2016. Dispõe sobre a homologação da Portaria CME nº 01/2016, que disciplina o funcionamento da Comissão Mista de Especialidades (CME), composta pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), que normatiza o reconhecimento e o registro das especialidades médicas e respectivas áreas de atuação no âmbito dos Conselhos de Medicina. Brasília: Diário Oficial da União; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM Nº 2.162, de 18 de maio de 2017. Homologa a Portaria CME nº 1/2017 que atualiza a relação de especialidades e áreas de atuação médicas aprovadas pela Comissão Mista de Especialidades. Brasília: Diário Oficial da União; 2017.

Savassi LCM. Os atuais desafios da Atenção Domiciliar na Atenção Primária à Saúde: uma análise na perspectiva do Sistema Único de Saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016;11(38):1-12. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1259

Stephen GG. The lntellectual Basis of Familly Practice. Tucson: Winter Publishing; 1982.

Feuerwerker LCM, Merhy EE. A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas. Rev Panam Salud Publica. 2008;24(3):180-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892008000900004

Meyer GS, Gibbons RV. House calls to the elderly--a vanishing practice among physicians. N Engl J Med. 1997;337(25):1815-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJM199712183372507

São Paulo. Secretaria Municipal de Saude. Processo 2014-196. Parecer 396-2016 de 21-01-2016, Proposta Técnica de janeiro de 2017. [Internet]. 2017 Ago; [citado 2017 Ago 25]. Disponível em: http://ead2.saude.prefeitura.sp.gov.br/course/view.php?id=74

Sociedade Brasileira de Medicina Família e Comunidade. Lermen Junior N, Org. Currículo baseado em competências para Medicina de Família e Comunidade. Florianópolis: SBMFC; 2015 [Internet]. [citado 2017 Ago 13]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/Curriculo%20Baseado%20em%20Competencias(1).pdf

Associação Paulista de Medicina. Departamento de Medicina de Família e Comunidade. Relatório II Simpósio de Medicina de Família e Comunidade “Prática Médica Domiciliar: Qualificação e Integração do Cuidado” [Manuscrito]. São Paulo: Associação Paulista de Medicina; 2017.

Aagaard E, Teherani A, Irby DM. Effectiveness of the one-minute preceptor model for diagnosing the patient and the learner: proof of concept. Acad Med. 2004;79(1):42-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00001888-200401000-00010

Brasil. Ministério da educação. Comissão Nacional de Residência Médica. Resolução Nº 5, de 8 de junho de 2004. Dispõe sobre os serviços de preceptor/tutor dos programas de Residência Médica. Brasília: Diário Oficial da União; 2004.

Lopes AC. Sem preceptor não há residência médica [entrevista]. São Paulo: Jornal do Cremesp; 2007. p. 3-4.

Catsicaris C, Eymann A, Cacchiarelli N, Usandivaras I. La persona del médico residente y El síndrome de desgaste profesional (burnout). Un modelo de prevención en la formación médica. Arch Argent Pediatr. 2007;105(3):236-40.

Nogueira-Martins LA. Qualidade de vida dos médicos residentes: revisão de estudos brasileiros. Cad ABEM. 2010;6:12-8.

Asaiag PE, Perotta B, Martins MA, Tempski P. Avaliação da qualidade de vida, sonolência diurna e burnout em Médicos Residentes. Rev Bras Educ Méd. 2010;34(3):422-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000300012




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1599

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia