Proposta de residência em Atenção Domiciliar como área de atuação

  • Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP; Universidade Aberta do SUS - UNASUS http://orcid.org/0000-0001-6780-0377
  • Cibele Gomes Lima Melo Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Casa de Saúde Santa Marcelina; MEMAD - Casa de Saúde Santa Marcelina e Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina.
  • Daniel Almeida Gonçalves Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Unifesp/ Escola Paulista de Medicina.
  • Denize Ornelas Pereira Salvador Oliveira Coordenadora do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria de Saude de São Bernardo do Campo
  • Heitor Rossi Lopes Docente da Faculdade de Medicina do Santa Marcelina (FASM); Preceptor de Campo em Atenção Domiciliar do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do Hospital Santa Marcelina, da Universidade de Toronto (Canadá) - "Global Health and Vulnerable Populations" e do Internato Médico da FASM - Casa de Saúde Santa Marcelina; Médico Visitador em Atenção Domiciliar - EMAD UBS Jardim São Carlos - Casa de Saúde Santa Marcelina
  • Renata Luciana Hasegawa Fregonezi Programa de residência em medicina de família e comunidade da secretaria municipal de saúde de São Paulo - 8a Coreme - residência em rede
  • Sara Turcotte Departamento de Medicina de Família da Associação Paulista de Medicina; Associação Paulista de Medicina de Família e Comunidade
Palavras-chave: Internato e Residência, Serviços de Assistência Domiciliar, Visita Domiciliar, Educação em Saúde, Educação Médica

Resumo

A Atenção Domiciliar (AD) configura-se numa área de atuação de diversos especialistas, como Médicos de Família e Comunidade, Geriatras, Pediatras e Internistas. Por suas especificidades e dentro do seu campo de práticas, demanda competências que não estão contempladas isoladamente em nenhuma especialidade médica, sendo que o tempo e a estrutura necessários para a aquisição destas ultrapassa a capacidade de inserção ao longo dos programas atuais.  A expansão desta modalidade de cuidados representa uma demanda crescente de formação, exigindo a inclusão da AD como potencial campo de trabalho destes especialistas, concebendo a necessidade de terceiro ano de residência, enquanto área de atuação. Discutem-se as estratégias de formação, campos da prática e estrutura programática, necessários para a consolidação desta proposta. Espera-se que este artigo possa subsidiar a natural construção desta especialidade no âmbito da atuação médica em saúde.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leonardo Cançado Monteiro Savassi, Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP; Universidade Aberta do SUS - UNASUS

ATUAÇÃO: Docente da Universidade Federal de Ouro Preto; Editor do Curso Multicêntrico em Atenção Domiciliar da Universidade Aberta do SUS - UnASUS; Pediatra da Atenção Domiciliar da Unimed Belo Horizonte/MG. /// FORMAÇÃO: Curso Qualificação de Gestores para o SUS pela ENSP/ Fiocruz; Especialização em Saúde da Família pelo MEC/UFMG/ESPMG; Título de Especialista em Medicina de Família e Comunidade pelo MEC/ SBMFC; Residência Médica em Pediatria pelo MEC/ Hospital Belo Horizonte; Mestre e Doutor em Ciências da Saúde (Medicina II), área de concentração Saúde Coletiva, sub-área: Educação em Saúde do CPqRR/FIOCRUZ-MInas. Membro do Grupo de Pesquisas em Hanseníase da FHEMIG /// HISTÓRICO: Ex-Presidente da Associação Mineira de MFC 2005-2007 . Ex-Diretor de Publicações da Sociedade Brasileira de MFC 2008-2010. Ex-Coordenador do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde de Betim/MG 2007-2010. Ex-Editor da Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade 2009-2010. Ex-Presidente da Associação Médica de Betim 2009-2011. Ex-membro do Núcleo Pedagógico do Curso Ágora CEABSF do Nescon/ UFMG 2009-2012. Ex-Diretor de Educação em Saúde da Prefeitura Municipal de Betim 2013;

 

Cibele Gomes Lima Melo, Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Casa de Saúde Santa Marcelina; MEMAD - Casa de Saúde Santa Marcelina e Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina.

Graduação em Medicina pela Universidade Nove de Julho (2009) , Curso de Especialização em Saúde da Família - Universidade Federal de São Paulo- UNIFESP (2012-2013) e Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (2015). Atualmente Preceptora de Campo em Atenção Domiciliar do Programa de Residência Médica de Medicina de Família e Comunidade - Casa de Saúde Santa Marcelina; Preceptora Pregressa de Campo do Curso de Medicina FASM- Graduação (2012-2015) e Internato (2013- 2015) Médico Conveniado; Médico visitador em Atenção Domiciliar - EMAD UBS Vila Regina e EMAD UBS Carrão - Casa de Saúde Santa Marcelina e Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina . Tem experiência em Assistência e Docência na área de Medicina, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade e Atenção Domiciliar. 

Daniel Almeida Gonçalves, Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Unifesp/ Escola Paulista de Medicina.
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina (1999), mestrado em Psiquiatria e Psicologia Médica (2009) e Doutorado em Saúde Coletiva (2012) pela Universidade Federal de São Paulo. Atualmente é coordenador pedagógico do curso de Especialização em Saúde da Família/UNASUS Unifesp, Médico Tecnico Admisnistrativo em Educação do Departamento de Medicina Preventiva da UNIFESP/EPM, preceptor da residência médica de Medicina de Família e Comunidade da Universidade Federal de São Paulo e Coordenador de Educação Médica da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina - SPDM/PAIS. Também atua como médico clínico da Prefeitura Municipal de São Paulo. Tem experiência na área de Medicina, atuando principalmente nos seguintes temas: Medicina de Família, Atenção Primária e Saúde Mental.
Denize Ornelas Pereira Salvador Oliveira, Coordenadora do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria de Saude de São Bernardo do Campo
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal Fluminense (2008) e é Médica de Família e Comunidade com Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de MFC. Especialista em Saúde da Família pela UNIFESP/UNASUS (2011) e em Diagnósticos Primários em Oftalmologia pela UNIFESP (2012). Atua como Apoio Técnico do Departamento de Atenção Básica e Gestão do Cuidado na Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo e coordena o Programa de Residência Médica de MFC da mesma secretaria. É Diretora de Exercício Profissional e Mercado de Trabalho da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (2014-2016) e Secretária Geral do Sindicato dos Médicos de São Paulo (2014-2016).
Heitor Rossi Lopes, Docente da Faculdade de Medicina do Santa Marcelina (FASM); Preceptor de Campo em Atenção Domiciliar do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do Hospital Santa Marcelina, da Universidade de Toronto (Canadá) - "Global Health and Vulnerable Populations" e do Internato Médico da FASM - Casa de Saúde Santa Marcelina; Médico Visitador em Atenção Domiciliar - EMAD UBS Jardim São Carlos - Casa de Saúde Santa Marcelina
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo / Escola Paulista de Medicina (2009), Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (2014) e Especialização em Atenção Domiciliar (2016). Atualmente é da Equipe de Coordenação da Residência de Medicina de Família e Comunidade da SMS/SP; Professor Especialista da Disciplina de Medicina de Família e Comunidade - Faculdades de Medicina do Santa Marcelina (FASM); Preceptor de Campo em Atenção Domiciliar do Programa de Residência Médica de Medicina de Família e Comunidade do Hospital Santa Marcelina, da Universidade de Toronto (Canadá) - "Global Health and Vulnerable Populations" e do Internato Médico da FASM - Casa de Saúde Santa Marcelina; Médico Visitador em Atenção Domiciliar - EMAD UBS Jardim São Carlos - Casa de Saúde Santa Marcelina; Supervisor do Programa Mais Médicos para o Brasil - Casa de Saúde Santa Marcelina; Instrutor do Curso Internacional de ACLS credenciado pelo AHA; Instrutor do Curso TECA A da Sociedade Brasileira de Cardiologia; Preceptor Pregresso de Campo na Estratégia Saúde da Família do Curso de Medicina FASM (Medicina de Família e Comunidade) - Graduação e Internato Médico Conveniado; Analista de Saúde - Médico Pregresso de Saúde Pública da Supervisão Técnica de Saúde Penha (Urgência/Emergência na APS) - Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo; Analista de Saúde - Médico Pregresso de Saúde Pública da Vigilância Sanitária - Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. Tem experiência em Assistência e Docência na área de Saúde Pública, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade e Atenção Domiciliar; Ensino e Gestão em Residência Médica e Atendimento de Urgências e Emergências no âmbito da Atenção Primária à Saúde; e Supervisão de Vigilância em Saúde.
Renata Luciana Hasegawa Fregonezi, Programa de residência em medicina de família e comunidade da secretaria municipal de saúde de São Paulo - 8a Coreme - residência em rede
Possui graduação em medicina pela Faculdade de Medicina de Sorocaba PUC/ SP (2001), residência médica em medicina de família e comunidade pela UNIFESP (2002/2003), título de especialista em medicina de família e comunidade pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (2004) .Médica da Prefeitura Municipal de São Paulo atualmente em exercício na assessoria técnica da coordenadoria regional de saúde sudeste (CRSSE). Experiência na área de Medicina de Família e Comunidade, atuando como médica e preceptora na estratégia saúde da família , atenção domiciliar e gestão. Área de interesse : atenção básica, medicina de família e comunidade, residência médica e preceptoria, gestão em saúde, saúde da pessoa idosa.
Sara Turcotte, Departamento de Medicina de Família da Associação Paulista de Medicina; Associação Paulista de Medicina de Família e Comunidade

Médica de Família e Comunidade
Médica Antroposófica
Fellow do Colégio dos Médicos de Família do Canada
Titulada por proficiência pela AMB e SBMFC
Presidente do Departamento de Medicina de Família da Associação Paulista de Medicina
Diretora de Exercício Profissional da Associação Paulista de Medicina de Família e Comunidade
Especializada em Medicina Tropical, Gestão de Serviços de Saúde e Sociais e Atenção Domiciliar

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Domiciliar. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.529 de 19 de outubro de 2006. Institui a Internação Domiciliar no âmbito do SUS. Brasília: Diário Oficial da União; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.029 de 24 de agosto de 2011. Define a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Diário Oficial da União; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.527 de 27 de outubro de 2011. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Diário Oficial da União; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Sala de Apoio a Gestão Estratégica. Brasília: Portal SAGE; 2017 [Internet]. [citado 2017 Ago 19]. Disponível em: http://sage.saude.gov.br

Brasil. Ministério da Saúde. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. SCNES. Brasília: DATASUS [Internet]. [citado 2018 Fev 6]. Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br/

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 825 de 26 de abril de 2016. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Brasília: Diário Oficial da União; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Segurança do paciente no domicílio. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Brasil. Agência de Vigilância Sanitária. Resolução RDC Nº 11, de 26 de janeiro de 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção Domiciliar. Brasília: Ministério da Saúde; 2006 [Internet]. [citado 2017 Ago 26]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2006/res0011_26_01_2006.html

Silva KL, Sena RR, Seixas CT, Feuerwerker LCM, Merhy EE. Atenção domiciliar como mudança do modelo tecnoassistencial. Rev Saúde Pública. 2010;44(1):166-76. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000100018

Dias MB, Savassi LCM, Nunes MRMTP, Zachi MLR. A Política Nacional de Atenção Domiciliar no Brasil: potencialidades, desafios, e a valorização necessária da Atenção Primária a Saúde. J Manag Prim Heal Care. 2015;6(1):1-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Decreto Nº 8.516, de 10 de setembro de 2015. Regulamenta a formação do Cadastro Nacional de Especialistas de que tratam o § 4º e § 5º do art. 1º da Lei nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e o art. 35 da Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Brasília: Diário Oficial da União; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM Nº 2.148 de 22 de julho de 2016. Dispõe sobre a homologação da Portaria CME nº 01/2016, que disciplina o funcionamento da Comissão Mista de Especialidades (CME), composta pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), que normatiza o reconhecimento e o registro das especialidades médicas e respectivas áreas de atuação no âmbito dos Conselhos de Medicina. Brasília: Diário Oficial da União; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM Nº 2.162, de 18 de maio de 2017. Homologa a Portaria CME nº 1/2017 que atualiza a relação de especialidades e áreas de atuação médicas aprovadas pela Comissão Mista de Especialidades. Brasília: Diário Oficial da União; 2017.

Savassi LCM. Os atuais desafios da Atenção Domiciliar na Atenção Primária à Saúde: uma análise na perspectiva do Sistema Único de Saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016;11(38):1-12. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1259

Stephen GG. The lntellectual Basis of Familly Practice. Tucson: Winter Publishing; 1982.

Feuerwerker LCM, Merhy EE. A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas. Rev Panam Salud Publica. 2008;24(3):180-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892008000900004

Meyer GS, Gibbons RV. House calls to the elderly--a vanishing practice among physicians. N Engl J Med. 1997;337(25):1815-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJM199712183372507

São Paulo. Secretaria Municipal de Saude. Processo 2014-196. Parecer 396-2016 de 21-01-2016, Proposta Técnica de janeiro de 2017. [Internet]. 2017 Ago; [citado 2017 Ago 25]. Disponível em: http://ead2.saude.prefeitura.sp.gov.br/course/view.php?id=74

Sociedade Brasileira de Medicina Família e Comunidade. Lermen Junior N, Org. Currículo baseado em competências para Medicina de Família e Comunidade. Florianópolis: SBMFC; 2015 [Internet]. [citado 2017 Ago 13]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/Curriculo%20Baseado%20em%20Competencias(1).pdf

Associação Paulista de Medicina. Departamento de Medicina de Família e Comunidade. Relatório II Simpósio de Medicina de Família e Comunidade “Prática Médica Domiciliar: Qualificação e Integração do Cuidado” [Manuscrito]. São Paulo: Associação Paulista de Medicina; 2017.

Aagaard E, Teherani A, Irby DM. Effectiveness of the one-minute preceptor model for diagnosing the patient and the learner: proof of concept. Acad Med. 2004;79(1):42-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/00001888-200401000-00010

Brasil. Ministério da educação. Comissão Nacional de Residência Médica. Resolução Nº 5, de 8 de junho de 2004. Dispõe sobre os serviços de preceptor/tutor dos programas de Residência Médica. Brasília: Diário Oficial da União; 2004.

Lopes AC. Sem preceptor não há residência médica [entrevista]. São Paulo: Jornal do Cremesp; 2007. p. 3-4.

Catsicaris C, Eymann A, Cacchiarelli N, Usandivaras I. La persona del médico residente y El síndrome de desgaste profesional (burnout). Un modelo de prevención en la formación médica. Arch Argent Pediatr. 2007;105(3):236-40.

Nogueira-Martins LA. Qualidade de vida dos médicos residentes: revisão de estudos brasileiros. Cad ABEM. 2010;6:12-8.

Asaiag PE, Perotta B, Martins MA, Tempski P. Avaliação da qualidade de vida, sonolência diurna e burnout em Médicos Residentes. Rev Bras Educ Méd. 2010;34(3):422-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000300012

Publicado
2018-03-20
Como Citar
Savassi, L. C. M., Melo, C. G. L., Gonçalves, D. A., Oliveira, D. O. P. S., Lopes, H. R., Fregonezi, R. L. H., & Turcotte, S. (2018). Proposta de residência em Atenção Domiciliar como área de atuação. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 13(40), 1-13. https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1599
Seção
Especial Residência Médica