O Tao na Medicina de Família e Comunidade: Relações entre Acupuntura e o Método Clínico Centrado na Pessoa

Aarão Carajás Dias dos Santos, Isabel Brandão Correia, Rubens Cavalcanti Silva

Resumo


Objetivo: Compreender a extensão dos componentes do Método Clínico Centrado na Pessoa na prática da acupuntura a partir da percepção dos usuários. Métodos: Por meio de uma pesquisa qualitativa com grupo focal, buscou-se entender como a acupuntura faz a pessoa perceber suas experiências de saúde e doença; intensifica a percepção da pessoa enquanto ser integral; viabiliza a pessoa se sentir participante do processo de cuidado; auxilia na intensificação da relação médico-pessoa. Resultados: Emergiram temas que versavam sobre emancipação, autoconhecimento, integralidade, vínculos e afetos, que foram sistematizados nas categorias: A prática integrada do MCCP/MTC produzindo rizomas; Unidade mente-corpo no contexto do cuidado; Percepção de uma anatomia emocional e MCCP E MTC como reconfiguradoras do Circuito dos Afetos. Conclusões: O estudo reflete, a partir da percepção dos usuários, a utilização dos conhecimentos advindos de outras racionalidades para potencializar o cuidado realizado na Atenção Primária à Saúde.


Palavras-chave


Terapia por Acupuntura; Medicina de Família e Comunidade; Assistência Centrada no Paciente

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Cunha GT. A construção da clínica ampliada. 3ª ed. São Paulo: HUCITEC; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Formação em Auriculoterapia para profissionais de Saúde da Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Lopes JMC. Consulta e Abordagem Centrada na Pessoa. In: Gusso G, Lopes JMC, eds. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. Porto Alegre: ARTMED; 2012. p. 113-23.

McWhinney IR. A evolução do método clínico. In: Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina Centrada na Pessoa. Transformando o Método Clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017. p. 17-30.

Tesser CD, Barros NF. Medicalização social e medicina alternativa e complementar: pluralização terapêutica do Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):914-20. https://doi.org/10.1590/S0034-89102008000500018

White AC, Cummings M, Filshie J. Acupuntura Tradicional Chinesa Reinterpretada. In: White AC, Cummings M, Filshie J. Introdução a Acupuntura Médica Ocidental. São Paulo: Roca; 2013. p. 89-106.

Luz MT, Barros NF, orgs. Racionalidades médicas e práticas integrativas em saúde - Estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ/IMS/ABRASCO; 2012.

Freitas FPP. Acupuntura no contexto do atendimento aos usuários com dor crônica na atenção primária à saúde do município do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz; 2015.

Mays N, Pope C, orgs. Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Gondin SMG. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia. 2002;12(24):149-61.

Vingilis E, Yildirim-Yenier Z, Vingilis-Jaremko L, Seeley J, Wickens CM, Grushka DH, et al. Young male drivers’ perceptions of and experiences with YouTube videos of risky driving behaviours. Accid Anal Prev. 2018;

:46-54. https://doi.org/10.1016/j.aap.2018.07.035

Pires A. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: Poupart J, Deslauriers JP, Groulx LH, Lapemère A, Mayer R, Pires AP, orgs. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 4ª ed. Petrópolis: Vozes; 2014. p. 155-214.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Paillé P, Mucchielli A. L’analyse qualitative en sciences humaines et sociales. Paris: Armand Colin; 2012.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: Cartografias do Desejo. 4ª ed. Petrópolis: Vozes; 1996.

Deleuze G, Guattari F. Mil Platôs. Volume 1. São Paulo: Editora 34; 1995.

Carvalho MN, Franco TB. Cartografia dos caminhos de um usuário de serviços de saúde mental: produção de si e da cidade para desinstitucionalizar. Physis. 2015;25(3):863-84. https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000300010

Wallner FG. Medicina Tradicional Chinesa: Um modo alternativo de pensar. 1ª ed. São Paulo: Editora Pensamento; 2011.

Stewart M, Brown JB, McWilliam CL, Freeman TR, Weston WW. O primeiro componente: explorando a saúde, a doença e a experiência da doença. In: Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina Centrada na Pessoa. Transformando o Método Clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

Caleri D. Medicina Chinesa Viva: Arte e Singularidade. 1ª ed. São Paulo: Ícone Editora; 2013.

Freeman T. Método Clínico. In: Manual de Medicina de Família e Comunidade de McWhinney. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2010. p. 151-204.

Brown JB, Weston WW. O segundo componente: entendendo a pessoa como um todo – seção 1 – o indivíduo e a família. In: Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina Centrada na Pessoa. Transformando o Método Clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

de Mattos RA. Os sentidos da Integralidade: Algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, de Mattos RA, eds. Os sentidos da Integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 8ª ed. Rio de Janeiro: CEPESC-IMS/UERJ-ABRASCO; 2009. p. 43-68.

Jia JE. Ch’an Tao - Conceitos Básicos: Medicina Tradicional Chinesa, Lien Ch’i e Meditação. 2ª ed. São Paulo: Ícone Editora; 2004.

Yamamura Y. Acupuntura Tradicional: A arte de inserir. 2ª ed. São Paulo: Editora Roca; 2003.

Keleman S. Anatomia Emocional. 5ª ed. São Paulo: Summus Editorial; 1992.

Keleman S. Padrões de Distresse: Agressões emocionais e forma humana. 2ª ed. São Paulo: Summus Editorial; 1992.

Safatle V. O Circuito dos Afetos: Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. 1ª ed. São Paulo: Cosac Naify; 2015.

Crabtree BF, Miller WL, eds. Doing Qualitative Research. London: Sage Publications; 1992.

Oliveira L. Neutros & neutros. Humanidades. 1988;5(19):122-7.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1624

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Aarão Carajás Dias dos Santos, Isabel Brandão Correia, Rubens Cavalcanti Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia