O Tao na Medicina de Família e Comunidade: Relações entre Acupuntura e o Método Clínico Centrado na Pessoa

  • Aarão Carajás Dias dos Santos Residência de Medicina de Família e Comunidade da Prefeitura do Recife http://orcid.org/0000-0001-6611-9037
  • Isabel Brandão Correia Médica preceptora e supervisora da Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria de Saúde do Recife Mestre em Medicina de Família pela Universidade de Western Ontario http://orcid.org/0000-0002-6950-8684
  • Rubens Cavalcanti Silva Universidade de Pernambuco/Professor Assistente; Prefeitura da Cidade do Recife/Médico; Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Doutorando. https://orcid.org/0000-0002-8111-9067
Palavras-chave: Terapia por Acupuntura, Medicina de Família e Comunidade, Assistência Centrada no Paciente

Resumo

Objetivo: Compreender a extensão dos componentes do Método Clínico Centrado na Pessoa na prática da acupuntura a partir da percepção dos usuários. Métodos: Por meio de uma pesquisa qualitativa com grupo focal, buscou-se entender como a acupuntura faz a pessoa perceber suas experiências de saúde e doença; intensifica a percepção da pessoa enquanto ser integral; viabiliza a pessoa se sentir participante do processo de cuidado; auxilia na intensificação da relação médico-pessoa. Resultados: Emergiram temas que versavam sobre emancipação, autoconhecimento, integralidade, vínculos e afetos, que foram sistematizados nas categorias: A prática integrada do MCCP/MTC produzindo rizomas; Unidade mente-corpo no contexto do cuidado; Percepção de uma anatomia emocional e MCCP E MTC como reconfiguradoras do Circuito dos Afetos. Conclusões: O estudo reflete, a partir da percepção dos usuários, a utilização dos conhecimentos advindos de outras racionalidades para potencializar o cuidado realizado na Atenção Primária à Saúde.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Aarão Carajás Dias dos Santos, Residência de Medicina de Família e Comunidade da Prefeitura do Recife
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Pará (2011), trabalhou como médico no município de Tomé-Açú/Pa no período de 2011 à 2015. É titulado como acupunturista pelo colégio médico brasileiro de acupuntura. Fez residência de Medicina de Família e Comunidade pela secretária de saúde de recife/Pe com atual produção de Monografia para conclusão oficial de residência. Atualmente exerce a função de supervisor em áreas de difícil provimento pelo Programa Mais Médicos e é mestrando pelo ProfSaúde da Abrasco/Fiocruz
Isabel Brandão Correia, Médica preceptora e supervisora da Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria de Saúde do Recife Mestre em Medicina de Família pela Universidade de Western Ontario
Possui mestrado em Family Medicine pela University of Western Ontario (2017). Atualmente é médica de família e comunidade da Secretaria de Saúde do Recife na qual atua como supervisora e preceptora da residência em Medicina de Família e Comunidade e Coordenadora do Telessaúde Recife; atua como supervisora do programa Mais Médicos pela Universidade de Pernambuco. Atua como tutora do Curso de Preceptoria em MFC UNASUS-UFCSPA. É Diretora de Residência pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Faz parte do Núcleo Docente Estruturante do Curso de Desenvolvimento de Competências Pedagógicas para a Preceptoria de Residência Médica. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade, atuando principalmente nos seguintes temas: residência médica, educação médica, educação de profissionais de saúde, telessaude, atenção básica, atenção primária à saúde, medicina de familia e comunidade, pesquisa de avaliação, recursos humanos para a saúde, medicina centrada na pessoa.
Rubens Cavalcanti Silva, Universidade de Pernambuco/Professor Assistente; Prefeitura da Cidade do Recife/Médico; Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Doutorando.
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Pernambuco (2010), Residência em Medicina de Família e Comunidade - UFPE (2013), Especialização em Saúde Mental pela Universidade de Pernambuco (2013) e Mestrado em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da UFPE (2016). Atualmente cursa o doutorado em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É professor assistente do curso médico da Universidade de Pernambuco, preceptor do Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade pela Secretaria de saúde da Prefeitura do Recife, médico concursado da Estratégia Saúde da Família da Prefeitura do Recife, Supervisor do Programa Mais Médicos - Ministério da Saúde. Atua principalmente nos seguintes temas: estratégia de saúde da família; atenção primária à saúde; medicina da família e comunidade; saúde mental; educação de adultos; educação médica.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Cunha GT. A construção da clínica ampliada. 3ª ed. São Paulo: HUCITEC; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Formação em Auriculoterapia para profissionais de Saúde da Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Lopes JMC. Consulta e Abordagem Centrada na Pessoa. In: Gusso G, Lopes JMC, eds. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. Porto Alegre: ARTMED; 2012. p. 113-23.

McWhinney IR. A evolução do método clínico. In: Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina Centrada na Pessoa. Transformando o Método Clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017. p. 17-30.

Tesser CD, Barros NF. Medicalização social e medicina alternativa e complementar: pluralização terapêutica do Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):914-20. https://doi.org/10.1590/S0034-89102008000500018

White AC, Cummings M, Filshie J. Acupuntura Tradicional Chinesa Reinterpretada. In: White AC, Cummings M, Filshie J. Introdução a Acupuntura Médica Ocidental. São Paulo: Roca; 2013. p. 89-106.

Luz MT, Barros NF, orgs. Racionalidades médicas e práticas integrativas em saúde - Estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ/IMS/ABRASCO; 2012.

Freitas FPP. Acupuntura no contexto do atendimento aos usuários com dor crônica na atenção primária à saúde do município do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz; 2015.

Mays N, Pope C, orgs. Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Gondin SMG. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia. 2002;12(24):149-61.

Vingilis E, Yildirim-Yenier Z, Vingilis-Jaremko L, Seeley J, Wickens CM, Grushka DH, et al. Young male drivers’ perceptions of and experiences with YouTube videos of risky driving behaviours. Accid Anal Prev. 2018;

:46-54. https://doi.org/10.1016/j.aap.2018.07.035

Pires A. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: Poupart J, Deslauriers JP, Groulx LH, Lapemère A, Mayer R, Pires AP, orgs. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. 4ª ed. Petrópolis: Vozes; 2014. p. 155-214.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Paillé P, Mucchielli A. L’analyse qualitative en sciences humaines et sociales. Paris: Armand Colin; 2012.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: Cartografias do Desejo. 4ª ed. Petrópolis: Vozes; 1996.

Deleuze G, Guattari F. Mil Platôs. Volume 1. São Paulo: Editora 34; 1995.

Carvalho MN, Franco TB. Cartografia dos caminhos de um usuário de serviços de saúde mental: produção de si e da cidade para desinstitucionalizar. Physis. 2015;25(3):863-84. https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000300010

Wallner FG. Medicina Tradicional Chinesa: Um modo alternativo de pensar. 1ª ed. São Paulo: Editora Pensamento; 2011.

Stewart M, Brown JB, McWilliam CL, Freeman TR, Weston WW. O primeiro componente: explorando a saúde, a doença e a experiência da doença. In: Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina Centrada na Pessoa. Transformando o Método Clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

Caleri D. Medicina Chinesa Viva: Arte e Singularidade. 1ª ed. São Paulo: Ícone Editora; 2013.

Freeman T. Método Clínico. In: Manual de Medicina de Família e Comunidade de McWhinney. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2010. p. 151-204.

Brown JB, Weston WW. O segundo componente: entendendo a pessoa como um todo – seção 1 – o indivíduo e a família. In: Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina Centrada na Pessoa. Transformando o Método Clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

de Mattos RA. Os sentidos da Integralidade: Algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, de Mattos RA, eds. Os sentidos da Integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 8ª ed. Rio de Janeiro: CEPESC-IMS/UERJ-ABRASCO; 2009. p. 43-68.

Jia JE. Ch’an Tao - Conceitos Básicos: Medicina Tradicional Chinesa, Lien Ch’i e Meditação. 2ª ed. São Paulo: Ícone Editora; 2004.

Yamamura Y. Acupuntura Tradicional: A arte de inserir. 2ª ed. São Paulo: Editora Roca; 2003.

Keleman S. Anatomia Emocional. 5ª ed. São Paulo: Summus Editorial; 1992.

Keleman S. Padrões de Distresse: Agressões emocionais e forma humana. 2ª ed. São Paulo: Summus Editorial; 1992.

Safatle V. O Circuito dos Afetos: Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. 1ª ed. São Paulo: Cosac Naify; 2015.

Crabtree BF, Miller WL, eds. Doing Qualitative Research. London: Sage Publications; 1992.

Oliveira L. Neutros & neutros. Humanidades. 1988;5(19):122-7.

Publicado
2019-05-14
Como Citar
Dias dos Santos, A. C., Brandão Correia, I., & Silva, R. C. (2019). O Tao na Medicina de Família e Comunidade: Relações entre Acupuntura e o Método Clínico Centrado na Pessoa. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 1624. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1624
Seção
Artigos de Pesquisa