Confiabilidade e validade da codificação CIAP-2 por estudantes de medicina

Leonardo Ferreira Fontenelle, Álvaro Damiani Zamprogno, André Filipe Lucchi Rodrigues, Lorena Camillato Sirtoli, Natália Josiele Cerqueira Checon, Marcelo Santana Vetis, Diego José Brandão

Resumo


Objetivo: Estimar a confiabilidade e a validade da codificação de motivos de consulta e problemas por estudantes utilizando a Classificação Internacional da Atenção Primária, 2ª edição (CIAP-2). Métodos: Para cada encontro supervisionado durante todo um semestre, três professores médicos de família e comunidade registraram os motivos de consulta e problemas em um questionário usando texto livre. Dois de quatro estudantes de medicina e um professor codificaram cada motivo de consulta ou problema usando a CIAP-2. No começo do estudo, houve duas seções de padronização com três horas de duração, até os professores julgarem que os estudantes estavam prontos para a codificação. Após todos os motivos de consulta e problemas terem sido codificados independentemente, os sete codificadores resolveram os códigos definitivos por consenso. Definiu-se confiabilidade como concordância entre estudantes, e validade como a concordância destes com os códigos definitivos; essa concordância foi estimada com o AC1 de Gwet. Resultados: Após a exclusão dos encontros codificados antes da última sessão de padronização, a amostra consistiu em 149 encontros consecutivos, somando 262 motivos de consulta e 226 problemas. A codificação teve confiabilidade moderada a substancial (AC1 0,805; IC 95% 0,767–0,843) e validade substancial (AC1 0,864; IC 95% 0,833–0,891). Conclusão: Estudantes de medicina podem codificar motivos de consulta e problemas com a CIAP-2 se forem adequadamente treinados.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde/classificação; Variações Dependentes do Observador; Reprodutibilidade dos Testes; Educação de Graduação em Medicina; Estágio Clínico

Texto completo:

PDF/A (English)

Referências


Soler JK, Okkes I, Wood M, Lamberts H. The coming of age of ICPC: celebrating the 21st birthday of the International Classification of Primary Care. Fam Pract. 2008;25(4):312-7. https://doi.org/10.1093/fampra/cmn028

World Organization of National Colleges, Academies, and Academic Associations of General Practitioners/Family Physicians. Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP 2). 2ª ed. Florianópolis: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2009.

Lamberts H, Wood M, Hofmans-Okkes IM. International primary care classifications: the effect of fifteen years of evolution. Fam Pract. 1992;9(3):330-9. https://doi.org/10.1093/fampra/9.3.330

Britt H, Angelis M, Harris E. The reliability and validity of doctor-recorded morbidity data in active data collection systems. Scand J Prim Health Care. 1998;16(1):50-5. https://doi.org/10.1080/028134398750003412

Letrilliart L, Guiguet M, Flahault A. Reliability of report coding of hospital referrals in primary care versus practice-based coding. Eur J Epidemiol. 2000;16(7):653-9. https://doi.org/10.1023/A:1007609718223

Sampaio MM, Coeli CM, Miranda NN, Faerstein E, Werneck GL, Chor D, et al. Interobserver reliability of the International Classification of Primary Care. Rev Saúde Pública. 2008;42(3):536-41. https://doi.org/10.1590/S0034-89102008005000013

Sampaio MMA, Coeli CM, Alves MG, Soares MF, de Camargo KR Jr, Moreno AB. Confiabilidade interobservador da classificação internacional de atenção primária em uma unidade de atenção básica à saúde. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(2):355-62. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2012000200013

Frese T, Herrmann K, Bungert-Kahl P, Sandholzer H. Inter-rater reliability of the ICPC-2 in a German general practice setting. Swiss Med Wkly. 2012;142:w13621. https://doi.org/10.4414/smw.2012.13621

Basílio N, Ramos C, Figueira S, Pinto D. Worldwide Usage of International Classification of Primary Care. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016;11(38):1-9. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1225

Demarzo MMP, Almeida RCC de, Marins JJN, Trindade TG, Anderson MIP, Stein AT, et al. Diretrizes para o ensino na Atenção Primária à Saúde na graduação em Medicina. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2011;6(19):145-50. https://doi.org/10.5712/rbmfc6(19)116

Dalla MDB, de Moura GAG, Bergamaschi MS. Metodologias ativas: um relato de experiência de estudantes de graduação em medicina da Universidade Vila Velha na disciplina de Interação Comunitária. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-6. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)647

Gusso GDF, Benseñor IM. A methodological proposal to research patients’ demands and pre-test probabilities using paper forms in primary care settings. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(27):97-105. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(27)692

Gwet KL. Computing inter-rater reliability and its variance in the presence of high agreement. Br J Math Stat Psychol. 2008;61(1):29-48. https://doi.org/10.1348/000711006X126600

Feinstein AR, Cicchetti DV. High agreement but low Kappa: I. The problems of two paradoxes. J Clin Epidemiol. 1990;43(6):543-9. https://doi.org/10.1016/0895-4356(90)90158-L

Efron B. Better Bootstrap Confidence Intervals. J Am Stat Assoc. 1987;82(397):171-85. https://doi.org/10.1080/01621459.1987.10478410

Shrout PE. Measurement reliability and agreement in psychiatry. Stat Methods Med Res. 1998;7(3):301-17. https://doi.org/10.1177/096228029800700306




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1655

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Leonardo Ferreira Fontenelle, Álvaro Damiani Zamprogno, André Filipe Lucchi Rodrigues, Lorena Camillato Sirtoli, Natália Josiele Cerqueira Checon, Marcelo Santana Vetis, Diego José Brandão

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia