Fatores relacionados ao desmame precoce do aleitamento materno

Heuler Souza Andrade, Raquel Aparecida Pessoa, Lívia Cristina Vasconcelos Donizete

Resumo


Objetivos: Investigar os fatores relacionados ao desmame precoce antes dos seis meses de vida. Métodos: Trata-se de uma pesquisa exploratória, descritiva de abordagem quantitativa, baseada em questionário semiestruturado, com amostra de 52 mulheres com filhos de 0 a 6 meses de vida que não estavam mais em aleitamento materno exclusivo (AME), pertencentes às Estratégias de Saúde da Família urbanas do município de Santo Antônio do Monte, centro-oeste de Minas Gerais. Resultados: Apontaram mães jovens, casadas, primíparas, inseguras, com gravidez não planejada, realização das consultas de pré-natal periodicamente, desmame do AME entre o quarto e quinto mês de vida da criança. Conclusão: As atividades laborais, as crenças quanto ao leite materno ser fraco ou insuficiente para o bebê e a má interpretação do choro do recém-nascido estão entre as causas encontradas para o desmame precoce. Salienta-se a implementação de estratégias e ações educativas que priorizem a resolutividade quanto aos fatores destacados, e que, especialmente, busquem melhorar o vínculo com esse público.


Palavras-chave


Aleitamento Materno; Desmame Precoce; Promoção da Saúde; Atenção Primária à Saúde; Estratégia Saúde da Família

Texto completo:

PDF/A

Referências


Souza NKT, Medeiros MP, Silva MA, Cavalcanti SB, Dias RS, Valente FA. Aspectos envolvidos na interrupção do aleitamento materno exclusivo. Comun Ciênc Saúde. 2011;22(4):231-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Queluz MC, Pereira MJB, Santos CB, Leite AM, Ricco RG. Prevalência e determinantes do aleitamento materno exclusivo no município de Serrana, São Paulo, Brasil. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(3):537-43. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000300002

Monteschio CAC, Gaiva MAM, Moreira MDS. O enfermeiro frente ao desmame precoce na consulta de enfermagem à criança. Rev Bras Enferm. 2015;68(5):869-75. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680515i

Sassa AH, Schmidt KT, Rodrigues BC, Ichisato SMT, Higarashi IH, Marcon SS. Bebês pré-termo: aleitamento materno e evolução ponderal. Rev Bras Enferm. 2014;67(4):594-600. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2014670415

Victora CG, Barros AJD, França GVA, Bahl R, Rollins NC, Horton S, et al. Amamentação no século 21: epidemiologia, mecanismos, e efeitos ao longo da vida. Epidemiol Serv Saúde. 2016;25(1):1-24.

Oliveira CS, Iocca FA, Carrijo MLR, Garcia RATM. Amamentação e as intercorrências que contribuem para o desmame precoce. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(n spe):16-23. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56766

Prado CVC, Fabbro MRC, Ferreira GI. Desmame precoce na perspectiva de puérperas: uma abordagem dialógica. Texto Contexto Enferm. 2016;25(2):e1580015.

Maranhão TA, Gomes KRO, Nunes LB, Moura LNB. Fatores associados ao aleitamento materno exclusivo entre mães adolescentes. Cad Saúde Coletiva. 2015;23(2):132-9. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201500020072

Brasileiro AA, Ambrosano GMB, Marba STM, Possobon RF. A amamentação entre filhos de mulheres trabalhadoras. Rev Saúde Pública. 2012;46(4):642-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000053

Demetrio F, Pinto EJ, Assis AMO. Fatores associados à interrupção precoce do aleitamento materno: um estudo de coorte de nascimento em dois municípios do Recôncavo da Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(4):641-50. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400004

Oliveira MGOA, Lira PIC, Batista Filho M, Lima MC. Fatores associados ao aleitamento materno em dois municípios com baixo índice de desenvolvimento humano no Nordeste do Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(1):178-89. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000100017

Barbosa LN, Santos NC, Moraes MAM, Rizzardi SD, Corrêa EC. Prevalência de práticas educativas acerca do aleitamento materno exclusivo (AME) em Cuiabá - MT. Esc Anna Nery. 2015;19(1):147-53.

Farias SE, Wisniewsk D. Aleitamento materno x desmame precoce. Rev Uningá. 2015;22(1):14-9.

Rocci E, Fernandes RAQ. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Rev Bras Enferm. 2014;67(1):22-7.

Moraes BA, Gonçalves AC, Strada JKR, Gouveia HG. Fatores associados à interrupção do aleitamento materno exclusivo em lactentes com até 30 dias. Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(spe):e2016-0044. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2016.esp.2016-0044

Gusmao AM, Béria JU, Gigante LP, Leal AF, Schermann LB. Prevalência de aleitamento materno exclusivo e fatores associados: estudo transversal com mães adolescentes de 14 a 16 anos em Porto Alegre, RS, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(11):3357-68. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001100025

Boff ADG, Paniagua LM, Scherer S, Goulart BNG. Aspectos socioeconômicos e conhecimento de puérperas sobre o aleitamento materno. Audiol Commun Res. 2015;20(2):141-5. http://dx.doi.org/10.1590/S2317-64312015000200001517

Rodrigues AP, Padoin SMM, Paula CC, Guido LA. Fatores que interferem na autoeficácia da amamentação: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE on line [publicação na Internet]. 2013 [citado 13 Dez 2017] 7(spe):4144-52. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/download/4031/6315.

Kalil IR, Aguiar AC. Trabalho feminino, políticas familiares e discursos pró-aleitamento materno: avanços e desafios à equidade de gênero. Saúde Debate. 2016;40(110):208-23.

Silva CA, Davim RMB. Mulher trabalhadora e fatores que interferem na amamentação: revisão integrativa. Rev RENE. 2012;13(5):1208-17.

Schincaglia RM, Oliveira AC, Sousa LM, Martins KA. Práticas alimentares e fatores associados à introdução precoce da alimentação complementar entre crianças menores de seis meses na região noroeste de Goiânia. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(3):465-74. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000300012

Conceição SP, Fernandes RAQ. Influência da gravidez não planejada no tempo de aleitamento materno. Esc Anna Nery. 2015;19(4):600-5.

Baratieri T, Mandu ENT, Marcon SS. Compreensão de enfermeiros sobre vínculo e longitudinalidade do cuidado na Estratégia Saúde da Família. Ciênc Enferm. 2012;18(2):11-22. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532012000200002

Bernardes AG, Pelliccioli EC, Marques CF. Vínculo e práticas de cuidado: correlações entre políticas de saúde e formas de subjetivação. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(8):2339-46. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000800018

Reichert APS, Rodrigues PF, Albuquerque TM, Collet N, Minayo MCS. Vínculo entre enfermeiros e mães de crianças menores de dois anos: percepção de enfermeiros. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21(8):2375-82. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015218.07662016

Amaral LJX, Sales SS, Carvalho DPSRP, Cruz GKP, Azevedo IC, Ferreira Júnior MA. Fatores que influenciam na interrupção do aleitamento materno exclusivo em nutrizes. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(spe):127-34. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56676

Almeida JM, Luz SAB, Ued FV. Apoio ao aleitamento materno pelos profissionais de saúde: revisão integrativa da literatura. Rev Paul Pediatr. 2015;33(3):355-62. http://dx.doi.org/10.1016/j.rpped.2014.10.002

Escarce AG, Araújo NG, Friche AAL, Motta AR. Influência da orientação sobre aleitamento materno no comportamento das usuárias de um hospital universitário. Rev CEFAC. 2013;15(6):1570-82. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462013000600020

Batista KRA, Farias MCAD, Melo WSN. Influência da assistência de enfermagem na prática da amamentação no puerpério imediato. Saúde Debate. 2013;37(96):130-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042013000100015

Barbieri MC, Bercini LO, Brondani KJM, Ferrari RAP, Tacla MTGM, Sant’anna FL. Aleitamento materno: orientações recebidas no pré-natal, parto e puerpério. Semina: Ciênc Biol Saúde. 2015;36(1 Suppl):17-24.

Sirio MAO, Freitas SN, Figueiredo AM, Gouvêa GDR, Pena JL, Machado-Coelho GLL. Tempo de aleitamento materno entre indígenas Xakriabá aldeados em Minas Gerais, Sudeste do Brasil. Rev Nutr. 2015;28(3):241-52. http://dx.doi.org/10.1590/1415-52732015000300002




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1698

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia