Cuidado resolutivo de paracoccidioidomicose em uma Unidade Básica de Saúde: Relato de caso

Maria Cristina Almeida de Souza, Edsneider Rocha Pires de Souza, Paula Pitta de Resende Côrtes, João Carlos de Souza Côrtes Júnior, Sandra Maria Barroso Werneck Vilagra, Elisa Maria Amorim da Costa

Resumo


A paracoccidioidomicose é uma micose sistêmica endêmica nas regiões tropicais da América do Sul, sendo comum no Brasil. É causada pelo fungo Paracoccidioides brasiliensis, que infecta o homem pela via respiratória por meio de inalação. Após a sintomatologia pulmonar, por disseminação hematogênica, pode acometer vários órgãos e sistemas.  Uma das dificuldades no diagnóstico dessa doença se deve à sua semelhança clínica com a tuberculose. Clinicamente, a doença pode apresentar-se nas formas crônica e aguda/subaguda. Constitui-se em um importante problema de saúde pública, pois é uma doença incapacitante, podendo levar o portador ao óbito. Descreve-se, neste artigo, um caso de paracoccidioidomicose em indivíduo do sexo masculino, cuja resolutividade do cuidado pela equipe da Unidade Básica de Saúde (UBS) foi fundamental para o sucesso do tratamento e para o bom prognóstico.


Palavras-chave


Paracoccidioidomicose; Estomatite; Micoses; Tuberculose

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Doenças infecciosas e parasitárias. Guia de Bolso. 8ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010 [acesso 2018 Fev 12]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_infecciosas_parasitaria_guia_bolso.pdf

Prohmann CM, Dantas CA, Silva LB, Gatti RF, Machado TM, Antônio JR. Paracoccidioidomicose com acometimento ganglionar e mucoso – relato de caso. Rev SPDV. 2017;75(3):283-7 [acesso 2018 Fev 12]. Disponível em https://revista.spdv.com.pt/index.php/spdv/article/view/818

Souza NE, Afonso EO, Caldeira CA, Werneck FA, Boechat TO. Paracoccidioidomicose em criança com hipereosinofilia: relato de caso. Rev Saúde. 2017;8(1):33-6 [acesso 2018 Fev 15]. Disponível em: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RS/article/view/308

Kauffman CA. Paracoccidioidomicose. In: Goldman L, Ausiello D. Ceccil – Tratado de Medicina Interna. 23ª ed. São Paulo: Elsevier; 2009. p. 2708-9.

Sanches LC, Faria MCI. A importância do diagnóstico diferencial entre a paracoccidioidomicose (PCM) e tuberculose (TB). Rev Unigá Review 2014;20(1):76-80 [acesso 2018 Nov 18]. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20141001_084211.pdf

Toledo GL, Marzola C, Toledo Filho JL, Capelari MM. Blastomicose sul americana – apresentação de caso clínico tratado com associação de inidazóis sistêmico e tópico. Rev Port Estomatol Med Dent Cir Maxilfac. 2011;52(2):83-8 [acesso 2018 Fev 16]. http://dx.doi.org/10.1016/S1646-2890(11)70016-4

Shikanai-Yasuda MA, Mendes RP, Colombo AL, Telles FQ, Kono A, Paniago AMM, et al. Brazilian guidelines for the clinical management of paracoccidioidomycosis. II Consenso em Paracoccidioidomicose. Epidemiol Serv Saúde. 2018;27(núm. esp.):e0500001 [acesso 2018 Nov 11]. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742018000500001

Gavazzoni MFR, Azulay DR, Azulay RD. Paracoccidioidomicose (blastomicose sul-americana, micose de Lutz). In: Azulay RD, Azulay DR, Azulay-Abulafaia L. Dermatologia. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

Wanke B, Aidê MA. Paracoccidioidomicose. J Bras Pneumol. 2009;35(12):1245-9 [acesso 2018 Fev 15]. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132009001200013

Uchimura MH, Francisco RS, Carmo HMO, Carvalho CM. Paracoccidioidomicose: um panorama da doença na amazônia. Braz J Surg Clin Res. 2018;21(3):113-8 [acesso 2018 Fev 15]. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20180204_153017.pdf

Ricci CD, Evangelista C, Thomaz BCA, Silva MV, Barbo MLP. Paracoccidioidomicose: forma crônica cutânea. Rev Fac Ciênc Méd Sorocaba. 2018;20(1):51-4 [acesso 2018 Nov 18]. http://dx.doi.org/10.23925/1984-4840.2018v20i1a12

Valle AC, Marques PM, Almeida-Paes R, Romão AR, Lazéra M, Wanke B, et al. Paracoccidioidomycosis after highway construction, Rio de Janeiro, Brazil. Emerg Infect Dis. 2017;23(11):1917-9 [acesso 2018 Fev 26]. Disponível em: https://wwwnc.cdc.gov/eid/article/23/11/17-0934_article

Ambrósio AVA, Camelo CCS, Barbosa CV, Tomazatti FG, Brazões FAZ, Veloso JM, et al. Paracoccidioidomicose (doença de Lutz-Splendore-Almeida): propedêutica complementar, diagnóstico diferencial, controle de cura. Rev Med Minas Gerais. 2014;24(1):81-92 [acesso 2018 Nov 11]. Disponível em: http://www.rmmg.org/artigo/detalhes/606




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1713

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Maria Cristina Almeida de Souza, Edsneider Rocha Pires de Souza, Paula Pitta de Resende Côrtes, João Carlos de Souza Côrtes Júnior, Sandra Maria Barroso Werneck Vilagra, Elisa Maria Amorim da Costa

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia