Ferramenta para avaliação e gestão da visita domiciliar na atenção primária à saúde: um relato de experiência

  • Juliana Viana Pinheiro Secretaria de Saúde de Fortaleza
  • Marco Túlio Aguiar Mourão Ribeiro Universidade Federal do Cerá
  • Tatiana Monteiro Fiuza Universidade Federal do Ceará
  • Renan Magalhaes Montenegro Junior Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Serviços de Assistência Domiciliar, Atenção Primária à Saúde, Avaliação em Saúde, Organização e Administração

Resumo

Introdução: A visita domiciliar permite ao profissional de saúde romper com o modelo centrado na doença, voltando-se para uma abordagem centrada no indivíduo. No entanto, observa-se uma grande deficiência na organização e gestão destas, o que muitas vezes dificulta a priorização mais adequada destes pacientes. Objetivo: Apresentar a experiência de uma equipe ao utilizar uma nova ferramenta para avaliação e classificação de risco que visa otimizar a gestão da agenda das visitas domiciliares. Métodos: Trata-se de um relato de experiência de uma equipe de saúde da família, na periferia de uma capital no Nordeste do Brasil, que aplicou esta ferramenta aos pacientes de visita domiciliar entre os meses de junho e novembro de 2017. Resultados: Os dados coletados foram analisados, sendo possível classificar os pacientes quanto ao risco e vulnerabilidade. Esta ferramenta favoreceu o fortalecimento e estruturação do registro, planejamento, avaliação e monitoramento das visitas realizadas nos território. Além disso, deve ser ressaltada sua fácil aplicação e a reprodutibilidade em diferentes cenários da atenção primária. Conclusão: O uso de instrumentos adequados permite identificar pacientes em situação de risco e vulnerabilidade, além de possibilitar a organização da agenda, a identificação das necessidades das pessoas, o acompanhamento das doenças crônicas, propor estratégias, e planejar intervenções futuras.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliana Viana Pinheiro, Secretaria de Saúde de Fortaleza
Médica de Família e Comunidade pela Secretaria de Saúde de Fortaleza; Residente do primeiro ano de Dermatologia pelo Centro de Dermatologia Dona Libania
Marco Túlio Aguiar Mourão Ribeiro, Universidade Federal do Cerá
Possui graduação em medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000). Título de Especialista em Medicina de Famíla e Comunidade e especialização latu senso em Geriatria. Mestre em Saúde Pública pela Universidade federal do Ceará (UFC). Atualmente é professor da Universidade Federal do Ceará e Diretor de pós-graduação em Saúde da Escola de Saúde Pública do Ceará. 
Tatiana Monteiro Fiuza, Universidade Federal do Ceará
Possui graduação em medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000).  Título de Especialista em Medicina de Famíla e Comunidade e especialização latu senso em Hebiatria. Mestre em Saúde Pública pela Universidade Federal do Ceará. Doutora em saúde pública na Universidade Federal do Ceará.Professora adjunta da Universidade Federal do Ceará (UFC)
Renan Magalhaes Montenegro Junior, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Ceará-UFC (1991), residência em Clínica Médica pela UFC (1992-1994), residência em Endocrinologia e Metabologia pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-FMRP/USP (1994-1996) e doutorado em Clínica Médica pela FMRP/USP (2001). Tem título de especialista em Endocrinologia e Metabologia pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (1996). Atualmente é professor associado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará e Gerente de ensino e Pesquisa dos Hospitais Universitários da UFC/EBSERH. Orienta nos Programas de Pós-Graduação em Ciências Médicas (Mestrado e Doutorado) e de Saúde Coletiva (Mestrado e Doutorado). Até É pesquisador bolsista do CNPq, líder do grupo ENDOCRINOR e coordenador regional do grupo de pesquisa do Instituto Nacional de Obesidade e Diabetes (INCT-CNPq).


Referências

Dos Reis CS, Noronha K, Wajnman S. Envelhecimento populacional e gastos com internação do SUS: uma análise realizada para o Brasil entre 2000 e 2010. Rev Bras Estud Popul. 2016;33(3):591-612. https://doi.org/10.20947/S0102-30982016c0007

Carneiro LAF, Campino ACC, Leite F, Rodrigues CG, dos Santos GMM, Silva ARA. Envelhecimento populacional e os desafios para o sistema de saúde brasileiro. São Paulo: Instituto de Estudos de Saúde Complementar, IESS; 2013.

Albuquerque ABA, Bosi MLM. Visita Domicilar no âmbito da Estratégia Saúde da Família: percepções do usuário no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(5):1103-112. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000500017

Fiúza TM, Ribeiro MTAM. Sensibilidade no diagnóstico de desnutrição protéico-calórica realizado pelas equipes de saúde por meio do SIAB e de busca ativa de casos. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2007;3(9):21-6. https://doi.org/10.5712/rbmfc3(9)79

Savassi LCM, Lage JL, Coelho FLG. Sistematização de instrumento de estratificação de risco familiar: a Escala de Risco Familiar de Coelho-Savassi. J Mang Prim Health Care. 2012;3(2):179-85.

Maciel MGS, Carvalho RT. Palliative Performance Scale PPS Versão 2. Tradução brasileira para a língua portuguesa. São Paulo; 2009.

Publicado
2019-05-14
Como Citar
Pinheiro, J. V., Ribeiro, M. T. A. M., Fiuza, T. M., & Montenegro Junior, R. M. (2019). Ferramenta para avaliação e gestão da visita domiciliar na atenção primária à saúde: um relato de experiência. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 1818. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1818
Seção
Relatos de Experiência