Prevalência de absenteísmo em consultas médicas em unidade básica de saúde do sul do Brasil

Palavras-chave: Epidemiologia, Atenção Primária à Saúde, Absenteísmo, Cuidados Médicos

Resumo

Introdução: O absenteísmo às consultas médicas previamente marcadas é um problema que interfere com a efetividade dos serviços de saúde. Neste contexto, a reorganização da agenda dos profissionais é central no sentido de garantir o acolhimento e a continuidade do cuidado. Objetivo: Descrever a prevalência de absenteísmo a partir da agenda de atendimento médico de um serviço de Atenção Primária à Saúde (APS) de ensino de graduação e pós-graduação do município de Pelotas, no estado do Rio Grande do Sul. Métodos: Foi realizado um estudo transversal com a totalidade dos agendamentos de um mês de atendimento de cada estação do ano, entre julho de 2016 e abril de 2017. Os dados foram coletados da agenda física local, digitados e analisados em planilha Excel®. Resultados: De 3.131 consultas médicas agendadas, foram computadas 598 faltas, resultando em uma prevalência de absenteísmo de 19,2% (IC95% 17,7-20,8). Dos 153 turnos de atendimento, em apenas 2% não ocorreram ausências e, entre os demais, a prevalência variou de 4,2% a 45%. Na distribuição do absenteísmo entre os sete grupos de consultas pesquisados destacaram-se os 62,3% de absenteísmo para os atendimentos de clínica geral e os 12,2% para a realização de exame citopatológico de colo uterino. Conclusão: Os resultados mostram uma elevada prevalência de absenteísmo, especialmente nas consultas de clínica médica, o que pode acarretar problemas tanto para a continuidade do cuidado, especialmente aos usuários da clínica geral, quanto para o ensino médico na APS. Este achado é superior ao encontrado por Tristão et al. em um estudo brasileiro em serviços de saúde ambulatoriais, e inferior ao resultado descrito por Izecksohn e Ferreira em um Centro de Saúde Escola. Os autores sugerem a necessidade de mudanças organizacionais na oferta de consultas objetivando ampliar o acesso e facilitar a adesão às consultas agendadas, de forma a garantir a longitudinalidade do cuidado.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriela Silva da Silveira, Universidade Católica de Pelotas
Faculdade de Medicina - UCPel
Pedro Rotta de Ferreira, Universidade Católica de Pelotas
Faculdade de Medicina - UCPel
Denise Silva da Silveira, Universidade Federal de Pelotas
Profsaúde - Programa de Mestrado Profissional em Saúde da Família - Departamento de Medicina Social- Faculdade de Medicina- Universidade Federal de Pelotas
Fernando Carlos Vinholes Siqueira, Universidade Federal de Pelotas
Programa de Pós Graduação em Educação Física - Escola Superior de Educação Física- Universidade Federal de Pelotas
Profsaúde - Programa de Mestrado Profissional em Saúde da Família - Departamento de Medicina Social- Faculdade de Medicina- Universidade Federal de Pelotas

Referências

Lavras C. Atenção Primária à Saúde e a Organização de Redes Regionais de Atenção à Saúde no Brasil. Saúde Soc São Paulo. 2011;20(4):867-74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v20n4/05.pdf

Castro ALB, Machado CV. A política de atenção primária à saúde no Brasil: notas sobre a regulação e o financiamento federal. Cad Saúde Pública. 2010;26(4):693-705. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=547206&indexSearch=ID

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação Nº 2, de 28 de setembro de 2017. Consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do Sistema Único de Saúde. Brasília: Diário Oficial União; 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0002_03_10_2017.html

Oleskovicz M, Oliva FL, Grisi CCH, Lima AF, Custódio I. Técnica de overbooking no atendimento público ambulatorial em uma unidade do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2014;30(5):1009-17. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00158612

Tristão FI, Lima RCD, Lima EFA, Andrade MAC. Acessibilidade e utilização na atenção básica: reflexões sobre o absenteísmo dos usuários. Rev Bras Pesq Saúde. 2016;18(1):54-61. Disponível em: periodicos.ufes.br/RBPS/article/download/15134/10715

Izecksohn MMV, Ferreira JT. Falta às consultas médicas agendadas: percepções dos usuários acompanhados pela Estratégia Saúde da Família, Manguinhos, Rio de Janeiro. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(32):235-41. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)960

Abou Malham S, Touati N, Maillet L, Gaboury I, Loignon C, Breton M. What Are the Factors Influencing Implementation of Advanced Access in Family Medicine Units? A Cross-Case Comparison of Four Early Adopters in Quebec. Int J Family Med. 2017;2017:1595406. http://dx.doi.org/10.1155/2017/1595406

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea. Cadernos de Atenção Básica Nº 28. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Prefeitura Municipal de Curitiba. Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Departamento de Atenção Primária à Saúde. Coordenação do Acesso e Vínculo. Novas possibilidades de organizar o Acesso e a Agenda na Atenção Primária à Saúde. Curitiba: Prefeitura Municipal; 2014.

Murray M, Berwick D. Advanced access: reducing waiting and delays in primary care. JAMA. 2003;289(8):1035-40. http://dx.doi.org/10.1001/jama.289.8.1035

Reid MW, May FP, Martinez B, Cohen S, Wang H, Williams Jr DL, Spiegel BM. Preventing Endoscopy Clinic No-Shows: Prospective Validation of a Predictive Overbooking Model. Am J Gastroenterol. 2016;111(9):1267-73. http://dx.doi.org/10.1038/ajg.2016.269

Cassiano ACM, Carlucci EMS, Gomes CF, Bennemann RM. Saúde Materno-infantil no Brasil: evolução e programa desenvolvidos pelo Ministério da Saúde. Rev Serv Público. 2014;65(2):227-44. Disponível em: https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/581/499

Sena IVA. Qualidade da Atenção Pré-natal na Estratégia Saúde da Família: Revisão de Literatura [Trabalho de Conclusão de Curso]. Lagoa Santa: Universidade Federal de Minas Gerais; 2014. Disponível em: https://docplayer.com.br/3245800-Qualidade-da-atencao-pre-natal-na-estrategia-saude-da-familia-revisao-de-literatura.html

Rose KD, Ross JS, Horwitz LI. Advanced access scheduling outcomes: a systematic review. Arch Intern Med. 2011;171(13):1150-9. http://dx.doi.org/10.1001/archinternmed.2011.168

Kempfer SS, Bellaguarda MLR, Mesquita MPL, Alvarez AM. Percepção dos usuários sobre os serviços de saúde pública no Brasil: revisão integrativa. Rev Rene. 2011;12(no. espe):1066-73. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=324027978024

Publicado
2019-01-17
Como Citar
Silveira, G. S. da, Ferreira, P. R. de, Silveira, D. S. da, & Siqueira, F. C. V. (2019). Prevalência de absenteísmo em consultas médicas em unidade básica de saúde do sul do Brasil. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 13(40), 1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1836
Seção
Artigos de Pesquisa