Prevalência de absenteísmo em consultas médicas em unidade básica de saúde do sul do Brasil

Gabriela Silva da Silveira, Pedro Rotta de Ferreira, Denise Silva da Silveira, Fernando Carlos Vinholes Siqueira

Resumo


Introdução: O absenteísmo às consultas médicas previamente marcadas é um problema que interfere com a efetividade dos serviços de saúde. Neste contexto, a reorganização da agenda dos profissionais é central no sentido de garantir o acolhimento e a continuidade do cuidado. Objetivo: Descrever a prevalência de absenteísmo a partir da agenda de atendimento médico de um serviço de Atenção Primária à Saúde (APS) de ensino de graduação e pós-graduação do município de Pelotas, no estado do Rio Grande do Sul. Métodos: Foi realizado um estudo transversal com a totalidade dos agendamentos de um mês de atendimento de cada estação do ano, entre julho de 2016 e abril de 2017. Os dados foram coletados da agenda física local, digitados e analisados em planilha Excel®. Resultados: De 3.131 consultas médicas agendadas, foram computadas 598 faltas, resultando em uma prevalência de absenteísmo de 19,2% (IC95% 17,7-20,8). Dos 153 turnos de atendimento, em apenas 2% não ocorreram ausências e, entre os demais, a prevalência variou de 4,2% a 45%. Na distribuição do absenteísmo entre os sete grupos de consultas pesquisados destacaram-se os 62,3% de absenteísmo para os atendimentos de clínica geral e os 12,2% para a realização de exame citopatológico de colo uterino. Conclusão: Os resultados mostram uma elevada prevalência de absenteísmo, especialmente nas consultas de clínica médica, o que pode acarretar problemas tanto para a continuidade do cuidado, especialmente aos usuários da clínica geral, quanto para o ensino médico na APS. Este achado é superior ao encontrado por Tristão et al. em um estudo brasileiro em serviços de saúde ambulatoriais, e inferior ao resultado descrito por Izecksohn e Ferreira em um Centro de Saúde Escola. Os autores sugerem a necessidade de mudanças organizacionais na oferta de consultas objetivando ampliar o acesso e facilitar a adesão às consultas agendadas, de forma a garantir a longitudinalidade do cuidado.


Palavras-chave


Epidemiologia; Atenção Primária à Saúde; Absenteísmo; Cuidados Médicos

Texto completo:

PDF/A

Referências


Lavras C. Atenção Primária à Saúde e a Organização de Redes Regionais de Atenção à Saúde no Brasil. Saúde Soc São Paulo. 2011;20(4):867-74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v20n4/05.pdf

Castro ALB, Machado CV. A política de atenção primária à saúde no Brasil: notas sobre a regulação e o financiamento federal. Cad Saúde Pública. 2010;26(4):693-705. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=547206&indexSearch=ID

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação Nº 2, de 28 de setembro de 2017. Consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do Sistema Único de Saúde. Brasília: Diário Oficial União; 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0002_03_10_2017.html

Oleskovicz M, Oliva FL, Grisi CCH, Lima AF, Custódio I. Técnica de overbooking no atendimento público ambulatorial em uma unidade do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2014;30(5):1009-17. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00158612

Tristão FI, Lima RCD, Lima EFA, Andrade MAC. Acessibilidade e utilização na atenção básica: reflexões sobre o absenteísmo dos usuários. Rev Bras Pesq Saúde. 2016;18(1):54-61. Disponível em: periodicos.ufes.br/RBPS/article/download/15134/10715

Izecksohn MMV, Ferreira JT. Falta às consultas médicas agendadas: percepções dos usuários acompanhados pela Estratégia Saúde da Família, Manguinhos, Rio de Janeiro. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(32):235-41. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)960

Abou Malham S, Touati N, Maillet L, Gaboury I, Loignon C, Breton M. What Are the Factors Influencing Implementation of Advanced Access in Family Medicine Units? A Cross-Case Comparison of Four Early Adopters in Quebec. Int J Family Med. 2017;2017:1595406. http://dx.doi.org/10.1155/2017/1595406

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea. Cadernos de Atenção Básica Nº 28. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Prefeitura Municipal de Curitiba. Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Departamento de Atenção Primária à Saúde. Coordenação do Acesso e Vínculo. Novas possibilidades de organizar o Acesso e a Agenda na Atenção Primária à Saúde. Curitiba: Prefeitura Municipal; 2014.

Murray M, Berwick D. Advanced access: reducing waiting and delays in primary care. JAMA. 2003;289(8):1035-40. http://dx.doi.org/10.1001/jama.289.8.1035

Reid MW, May FP, Martinez B, Cohen S, Wang H, Williams Jr DL, Spiegel BM. Preventing Endoscopy Clinic No-Shows: Prospective Validation of a Predictive Overbooking Model. Am J Gastroenterol. 2016;111(9):1267-73. http://dx.doi.org/10.1038/ajg.2016.269

Cassiano ACM, Carlucci EMS, Gomes CF, Bennemann RM. Saúde Materno-infantil no Brasil: evolução e programa desenvolvidos pelo Ministério da Saúde. Rev Serv Público. 2014;65(2):227-44. Disponível em: https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/581/499

Sena IVA. Qualidade da Atenção Pré-natal na Estratégia Saúde da Família: Revisão de Literatura [Trabalho de Conclusão de Curso]. Lagoa Santa: Universidade Federal de Minas Gerais; 2014. Disponível em: https://docplayer.com.br/3245800-Qualidade-da-atencao-pre-natal-na-estrategia-saude-da-familia-revisao-de-literatura.html

Rose KD, Ross JS, Horwitz LI. Advanced access scheduling outcomes: a systematic review. Arch Intern Med. 2011;171(13):1150-9. http://dx.doi.org/10.1001/archinternmed.2011.168

Kempfer SS, Bellaguarda MLR, Mesquita MPL, Alvarez AM. Percepção dos usuários sobre os serviços de saúde pública no Brasil: revisão integrativa. Rev Rene. 2011;12(no. espe):1066-73. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=324027978024




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1836

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia