O que leva homens a se tornar cuidadores informais: um estudo qualitativo

Palavras-chave: Cuidadores, Homens, Gênero e Saúde, Masculinidade, Motivação

Resumo

Introdução: O aumento da expectativa de vida tem levado a um aumento do número de pessoas que necessitam de cuidado, sendo a maior parte dele exercido por cuidadores informais e do sexo feminino. Entretanto, diversos estudos têm apontado um aumento no número de cuidadores masculinos. Neste contexto, este estudo pretende elencar motivações que levam homens a serem cuidadores informais. Métodos: Estudo qualitativo com entrevistas semiestruturadas, questionários sociodemográficos e questionários de Zarit em dez cuidadores homens inscritos no programa de atenção domiciliar de duas unidades de saúde de Porto Alegre. Resultados e Discussão: As motivações identificadas na prestação do cuidado foram a obrigação e a reciprocidade. A obrigação foi citada por todos os cuidadores e a falta de rede de apoio pareceu reforçá-la. A reciprocidade foi mencionada em quatro entrevistas e possuía maior correlação com o grau de parentesco “filho”. Estudos apontam que a motivação “obrigação” parece se correlacionar com maiores índices de sobrecarga, depressão e ansiedade quando comparado a um cuidado motivado pela reciprocidade. Na escala de Zarit, nenhum cuidador apresentou índice de sobrecarga severa, o que pode ter relação com uma maior procura por suporte social. Conclusão: Nota-se como é amplo e desconhecido o tema da relação da masculinidade com o papel de cuidador. Contudo, observou-se correlação entre o gênero e as motivações como obrigação e reciprocidade na prestação do cuidado, e insinua-se uma maior sobrecarga quando obrigação é o principal fator motivador.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Julia Horita Moherdaui, Secretaria de Saúde do Distrito Federal
Médica de Família e Comunidade na Secretaria de Saúde do Distrito Federal
Carmen Luiza Correa Fernandes, Grupo Hospitalar Conceição
Médica de Família e Comunidade no Grupo Hospitalar Conceição
Konrad Gutterres Soares, IMESF - Porto Alegre
Médico de Família e Comunidade no IMESF - Porto Alegre

Referências

Edwards VJ, Anderson LA, Thompson WW, Deokar AJ. Mental health differences between men and women caregivers, BRFSS 2009. J Women Aging. 2017;29(5):385-91. https://doi.org/10.1080/08952841.2016.1223916

Glauber R. Gender Differences in Spousal Care Across the Later Life Course. Res Aging. 2017;39(8):934-59. https://doi.org/10.1177/0164027516644503

Minayo MCS. O envelhecimento da população brasileira e os desafios para o setor saúde. Cad Saúde Pública. 2012;28(2):208-9. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000200001

Adelman RD, Tmanova LL, Delgado D, Dion S, Lachs MS. Caregiver burden: a clinical review. JAMA. 2014;311(10):1052-60. https://doi.org/10.1001/jama.2014.304

Ministério da Previdência e Assistência Social (BR). Idosos: Problemas e Cuidados Básicos. Brasília: Ministério da Previdência e Assistência Social; 1999.

Kasuya RT, Polgar-Bailey P, Takeuchi R. Caregiver burden and burnout. A guide for primary care physicians. Postgrad Med. 2000;108(7):119-23. https://doi.org/10.3810/pgm.2000.12.1324

Zarit SH, Reever KE, Bach-Peterson J. Relatives of the impaired elderly: correlates of feelings of burden. Gerontologist. 1980;20(6):649-55. https://doi.org/10.1093/geront/20.6.649

Cajado-Mejía R, Ruiz-Arias E. Influence of Gender and Care Strategy in Family Caregivers´ Strain: A Cross-Sectional Study. J Nurs Scholarsh. 2016;48(6):587-97. https://doi.org/10.1111/jnu.12256

Scott J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educ Real. 1995;20(2):71-99.

Courtenay WH. Constructions of masculinity and their influence on men’s well-being: a theory of gender and health. Soc Sci Med. 2000;50(10):1385-401. https://doi.org/10.1016/S0277-9536(99)00390-1

Calasanti T, Bowen ME. Spousal Caregiving and Crossing Gender Boundaries: Maintaining Gendered Identities. J Aging Stud. 2006;20(3):253-63. https://doi.org/10.1016/j.jaging.2005.08.001

Slack K, Fraser M. Husband, Partner, Dad, Son, Carer? A survey of the experiences and needs of male carers. London: Carers Trust; 2014.

Scazufca M. Brazilian version of the Burden Interview scale for the assessment of burden of care in careers of people with mental illnesses. Rev Bras Psiquiatr. 2002;24(1):12-7. https://doi.org/10.1590/S1516-44462002000100006

del Río-Lozano M, García-Calvente Mdel M, Marcos-Marcos J, Entrena-Durán F, Maroto-Navarro G. Gender identity in informal care: impact on health in Spanish caregivers. Qual Health Res.

;23(11):1506-20. https://doi.org/10.1177/1049732313507144

Walker AJ, Pratt CC, Shin H, Jones LL. Motives for parental caregiving and relationship quality. Fam Relat. 1990;39(1):51-6. https://doi.org/10.2307/584948

Sharma N, Chakrabarti S, Grover S. Gender differences in caregiving among family - caregivers of people with mental illnesses. World J Psychiatry. 2016;6(1):7-17. https://doi.org/10.5498/wjp.v6.i1.7

Camden A, Livingston G, Cooper C. Reasons why family members become carers and the outcome for the person with dementia: results from the CARD study. Int Psychogeriatr. 2011;23(9):1442-50. https://doi.org/10.1017/S1041610211001189

Schrank B, Ebert-Vogel A, Amering M, Masel EK, Neubauer M, Watzke H, et al. Gender differences in caregiver burden and its determinants in family members of terminally ill cancer patients. Psychooncology. 2016;25(7):808-14. https://doi.org/10.1002/pon.4005

Dupuis SL, Epp T, Smale B. Caregivers of Persons with Dementia: Roles, Experiences, Supports, and Coping - A Literature Review. Waterloo: MAREP; 2004.

Dwyer JW, Lee GR, Jankowski TB. Reciprocity, elder satisfaction, and caregiver stress and burden: The Exchange of aid in the family caregiving relationship. J Marriage Fam. 1994;56(1):35-43. https://doi.org/10.2307/352699

Neufeld A, Harrison MJ. Reciprocity and social support in caregivers’ relationships: Variations and consequences. Qual Health Res. 1995;5(3):348-65. https://doi.org/10.1177/104973239500500306

Lee Y, Tang F. More caregiving, less working: caregiving roles and gender difference. J Appl Gerontol. 2015;34(4):465-83. https://doi.org/10.1177/0733464813508649

Milligan C, Morbey H. Care, coping and identity: Older men’s experiences of spousal care-giving. J Aging Stud. 2016;38:105-14. https://doi.org/10.1016/j.jaging.2016.05.002

Gunther H. Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: Esta É a Questão? Psic Teor Pesq. 2006;22(2):201-10. https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010

Konzen A, Giugliani C, Diercks MS, Vidal MA, Bertoni S. Cuidando de quem cuida: manual para quem cuida de uma pessoa que precisa de cuidados permanentes. Porto Alegre: Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição; 2003.

Publicado
2019-10-25
Como Citar
Moherdaui, J. H., Fernandes, C. L. C., & Soares, K. G. (2019). O que leva homens a se tornar cuidadores informais: um estudo qualitativo. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 1907. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1907
Seção
Artigos de Pesquisa