Tabagismo: a percepção dos fumantes em um grupo de educação em saúde

Noely Soares Veloso, Carlos Alberto Quintão Rodrigues, Maísa Tavares de Souza Leite, Julimary Larissa Mendes Ottoni, Geane Christie do Carmo Veloso, Rosiane Mendes Rodrigues, Gabriela Alencar Bandeira

Resumo


Estudo qualitativo, que objetivou compreender o significado dos grupos antitabagismo desenvolvidos em uma unidade de Saúde da Família do município de Montes Claros, em Minas Gerais. Utilizou-se como referencial teórico-metodológico a pesquisa-ação. Os sujeitos foram usuários tabagistas que vivenciaram as sessões do grupo de educação em saúde. Os instrumentos para coleta de dados foram: observação não-participante, observação participante e entrevistas semiestruturadas. Os dados foram submetidos à técnica da análise do discurso com identificação de duas categorias: o significado do tabagismo e o significado dos grupos de apoio antitabagismo na percepção dos sujeitos participantes do grupo. Emergiram as ideias e os sentimentos dos fumantes, bem como a representatividade do cigarro para os sujeitos. O estudo demonstrou a relevância dos grupos de apoio, durante o processo de cessação do tabagismo, e a necessidade de melhor capacitação profissional e estruturação dos serviços para o enfrentamento do problema. Este estudo também se constituiu numa forma de divulgação do tratamento do tabagismo na rede pública de saúde e do seu impacto na população beneficiada, servindo de parâmetro e estímulo a outros cenários.


Palavras-chave


Tabagismo; Atenção Primária à Saúde; Educação em Saúde; Fatores de Risco; Saúde da Família

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional do Câncer. Estimativas de incidência e mortalidade por câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2003.

Mathers CD, Loncar D. Projections of global mortality and burden of desease from 2022 a 2030. PloS Med. 2006; 3(11): 442. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pmed.0030442

Ministério da Saúde (BR). Portaria 1886/GM. Anexo 1 - Normas e diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde - PACS. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

Wannmacher L. Tratamento medicamentoso antitabagismo. Uso Racional de Medicamentos: temas selecionados. 2007; 4(4): 1-6.

Oliveira MC. Os modelos de cuidados como eixo de estruturação de atividades interdisciplinares e multiprofissionais em saúde. Rev Bras Educ Méd. 2008; 32(3): 347-55. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022008000300009

Thiollent M. Metodologia da pesquisa-ação. 12ª ed. São Paulo: Cortez; 2003.

Marques JB, Aprígio DP, Mello HLS, Silva JD, Pinto LN, Machado DCD, et al. Contribuições da equipe multiprofissional de saúde no programa saúde da família (PSF): uma atualização da literatura. Rev Baiana Saúde Pública. 2007; 31(2): 246-55.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento. 5ª ed. São Paulo: Hucitec; 1998.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional do Câncer. Coordenação de prevenção e vigilância (CONPREV). Abordagem e tratamento do fumante. Rio de Janeiro: INCA; 2001.

Fagerström KO. Measuring degree of physical dependence to tobacco smoking with reference to individualization of treatment. Addict Behav. 1978; 3(3-4): 235-41. http://dx.doi.org/10.1016/0306-4603(78)90024-2

Borges MTT, Simões-Barbosa RH. Cigarro “companheiro”: o tabagismo feminino em uma abordagem crítica de gênero. Cad Saúde Pública. 2008; 24(12): 2834-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001200012

Malbergier A, Oliveira Júnior HP. Dependência de tabaco e comorbidade psiquiátrica. Rev Psiq Clin. 2005; 32(5): 276-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832005000500005

Focchi GR, Malbergier A, Ferreira MP. Tabagismo: dos fundamentos ao tratamento. São Paulo: Lemos; 2006.

Echer IC, Barreto SSM. Determinação e apoio como fatores de sucesso no abandono do tabagismo. Rev Latino-Am Enfermagem. 2008; 16(3): 445-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692008000300018

Leitão Filho FS, Galduróz JCF, Noto AR, Nappo AS, Carlini EA, Nascimento AO, et al. Levantamento randomizado sobre a prevalência do tabagismo nos maiores municípios do Brasil. J Bras Pneumol. 2009; 35(12): 1204-11.

Dórea AJP, Botelho C. Fatores dificultadores da cessação do tabagismo. J Bras Pneumol. 2004; 30(2): 41-6.

Sardinha A, Oliva AD, D’augustin J, Ribeiro F, Falcone EMO. Intervenção cognitivo-comportamental com grupos para o abandono do cigarro. Rev Bras Ter Cogn. 2005; 1(1): 83-90.

Mazoni CG, Fernandes S, Pierozan OS, Moreira T, Freese L, Ferigolo M, et al. A eficácia das intervenções farmacológicas e psicossociais para o tratamento do tabagismo: revisão da literatura. Estud Psicol (Natal). 2008; 13(2): 133-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2008000200005

Cahill K, Moher M, Lancaster T. Workplace interventions for smoking cessation. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2008; (4): CD003440. DOI: 10.1002/14651858.CD003440.pub3.

Hortense FTP, Carmagnani MIS, Brêtas ACP. O significado do tabagismo no contexto do câncer de laringe. Rev Bras Enferm. 2008; 61(1): 24-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672008000100004

Mattos MHO, Silva LA, Franken RA. Tabagismo no currículo da faculdade de ciências médicas de São Paulo. Rev Bras Educ Med. 2009; 33(1): 33-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000100005

Roddy E, Rubin P, Britton J. A study of smoking and smoking cessation on the curricula of UK medical schools. Tob Control. 2004; 13: 74-7. http://dx.doi.org/10.1136/tc.2003.004572

Oliveira NA, Alves LA, Luz MR. Iniciação científica na graduação: o que diz o estudante de medicina? Rev Bras Educ Med. 2008; 32(3): 309-14. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022008000300005

Andreson MIP, Demarzoe MMP, Rodrigues RD. A medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação: recomendações e potencialidades. Rev Bras Med Fam Com. 2007; 3(11): 157-72.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(20)216

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia