Envelhecimento, finitude e morte

narrativas de idosos de uma unidade básica de saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2195

Palavras-chave:

Envelhecimento, Morte, Finitude, Atenção primária à saúde, Estratégia saúde da família.

Resumo

O presente estudo, de caráter qualitativo, descritivo e exploratório, teve como objeto central estudar, através das suas narrativas, a percepção de idosos ativos, com idade de sessenta anos ou mais, sobre aspectos relacionados ao envelhecimento, à finitude e à morte. O objetivo principal foi explorar como estas temáticas poderiam ser abordadas por médicos de família e comunidade e outros profissionais de saúde na Atenção Primária (AP), e desta forma contribuir para um cuidado mais adequado às pessoas e às famílias, em relação à vivência destas últimas etapas da vida. Foram realizadas e gravadas 10 entrevistas com uma amostra de idosos acompanhados em uma Clínica da Família do Rio de Janeiro. A seguir, foram transcritas para estudo por análise de conteúdo segundo Bardin, tendo por base categorias previamente definidas conforme estruturação do questionário aplicado nas entrevistas. Percebeu-se uma necessidade de os idosos conversarem sobre esses temas, mas há carência de espaços para reflexões sobre morte e, principalmente, sobre envelhecimento. Em relação a este, foram obtidos relatos interessantes sobre a diferenciação entre envelhecer e ficar velho. Avalia-se que este estudo trouxe reflexões relevantes sobre a temática além de contribuições para a formação de profissionais e o desenvolvimento de atividades no âmbito da AP e dos Cuidados Paliativos em assuntos relacionados à abordagem de pessoas e famílias passando por situações de envelhecimento, finitude, proximidade da morte e da própria morte, em si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Pedro Igor Daldegan de Oliveira, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Médico formado pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós graduado em Medicina de Família e Comunidade pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Maria Inez Padula Anderson, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Coordenadora da residência de Medicina de Família e Comunidade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Referências

(1) Ariès P. História da morte no Ocidente: da Idade Média aos nossos dias / Philippe Ariès; tradução Priscila Viana Siqueira - [Ed. especial] - Rio de Janeiro: Nova Fronteira (Coleção Clássicos para Todos), 2017.

(2) Andrade MAR . Representação da morte: concepções a partir de experiências de vida de idosas usuárias do PSF. Revista Temática Kairós Gerontologia,15(4), “Finitude/Morte & Velhice”, 2012 Ago pp. 309-324.

(3) Vieira RR, Robortella AR, Souza AB, Kerr GS, Oliveira JAC. Vida e morte na atenção primária à saúde: reflexões sobre a vivência do médico de família e comunidade ante a finitude da vida. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016;11(38):1-7.

(4) Arantes ACQ . A morte é um dia que vale a pena viver. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2016.

(5) Neves, José Luis. Pesquisa Qualitativa – Características, Usos e Possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 1, nº 3, p.1-5, 1996.

(6) Almeida MSC - Efetividade da escala de depressão geriátrica de cinco itens em população idosa da comunidade (Tese de Doutorado). Porto Alegre: PUCRS, 2010.

(7) Beauvoir S. A velhice, tradução de Maria Helena Franco Monteiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

(8) Moreira ASP; Oliveira C . Estudos Interdisciplinares de Representação Social. (2ª ed.). Goiânia (GO): AB. (2000)

(9) Anderson MIP. Saúde e condições de vida do idoso no Brasil (Dissertação de mestrado). Programa de pós-graduação em saúde coletiva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1997.

(10) Elias N . A solidão dos moribundos, seguido de envelhecer e morrer (P. Dentzien, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (2001).

(11) Cicirelli VG. Fear of death in older adults: predictions from terror management. Theory Journal of Gerontology: Psychological Sciences. 2002;57B(4), P358–P366 doi:10.1093/geronb/57.4.P358

(12) Rao R, Dening T,Brayne C,Huppert FA. Attitudes toward death: a community study of octoagenarians and nonagenarians. International Psychogeriatrics. 1997; 9: 213-21.

(13) Riviera FJU. Teoria social de Habermas: evolução social, sociedade e poder in Agir comunicativo e planejamento social: uma crítica ao enfoque estratégico [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1995. 216 p. ISBN: 85-85676-16-7

(14) Corrêa SR. Concepção, percepção e entendimento do processo da morte e do morrer em idosos institucionalizados comparados com idosos da comunidade (Dissertação de mestrado). Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Ciências Médicas. Área de concentração: Educação e Saúde. 2012

(15) Cicirelli VG. Personality and demographic factors in older adult´s fear of death. The Gerontologist. 1999; 39:569-79.

(16) Oliveira SCF; Araújo LF. A finitude na perspectiva do homem idoso: um estudo das Representações Sociais. Revista Temática Kairós Gerontologia,15(4), “Finitude/Morte & Velhice”, 2012 Ago, pp.66-83. Online ISSN 2176-901X. Print ISSN 1516-2567. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP

(17) Munday DJ, Murray S. Choice and place of death: individual preferences, uncertainty, and the availability of care. Journal of the Royal Society of Medicine. 2007;100(5):211-215.

(18) Combinatto DS; de Souza QM. Morte: uma visão psicossocial - Estudos de Psicologia, vol. 11, núm. 2, maio-agosto, 2006, pp. 209-216. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil

Downloads

Publicado

2020-06-23

Como Citar

1.
Oliveira PID de, Padula Anderson MI. Envelhecimento, finitude e morte: narrativas de idosos de uma unidade básica de saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 23º de junho de 2020 [citado 18º de maio de 2021];15(42):2195. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2195

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa