Diversidade e Direitos Humanos na Atenção Primária à Saúde

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Cuidado Centrado no Paciente, Direitos Humanos, Diversidade Cultural, Disparidades nos Níveis de Saúde

Resumo

Neste editorial, apresenta-se o resultado da chamada pública de artigos que compõem o especial “Diversidade e Direitos Humanos na Atenção Primária à Saúde”. A situação dos direitos humanos no Brasil é preocupante, existindo profundas desigualdades no exercício pleno da cidadania entre grupos sociais, o que inclui o acesso a serviços de saúde e manutenção de níveis de saúde adequados e justos. Questões raciais, de gênero, sexualidade, diversidade, violência e direitos humanos ganham cada vez mais importância no contexto da atenção primária à saúde (APS) e da Medicina de Família e Comunidade (MFC). Os trabalhos publicados neste especial apontam para a importância de pensarmos a organização de uma APS interseccional e uma prática em saúde abrangente, acolhedora, humanizada, resolutiva e culturalmente e socialmente orientada. Sugere-se que a MFC precisa produzir reflexões teóricas mais robustas para subsidiar o cuidado a pessoas em graves situações de vulnerabilidade e sofrimento. Aponta-se ainda para a necessária equidade de gênero, etnia e territorial na composição do corpo editorial da RBMFC. Espera-se que o conteúdo deste especial apoie a reflexão e a construção de práticas e de políticas que consigam enfrentar o quadro das profundas e diversas desigualdades sociais do país, e que no futuro possamos contar com uma maior produção de conhecimento neste campo. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thiago Dias Sarti, Departamento de Medicina Social, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Vitória, Espírito Santo

É Professor Assistente do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES). Possui graduação em Medicina pela Escola de Medicina da Santa Casa de Misericordia de Vitória (2004). É especialista em Medicina de Família e Comunidade e em Gestão em Saúde pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É Mestre em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduacão em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Denize Ornelas Pereira Salvador de Oliveira

1 Coordenadora GT de Mulheres na Medicina de Família e Comunidade 2017-2019

2 Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

3 Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo

Medica de Família e Comunidade.

Patrícia Sampaio Chueiri

1 Coordenadora GT de Mulheres na Medicina de Família e Comunidade 2017-2019

2 Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

3 Escola de Medicina da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein

Medica de Família e Comunidade

Referências

Human Rights Watch. 29th annual World Report. New York: Seven Stories Press; 2019.

Ministério da Economia (BR), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Atlas da violência 2019. Brasília: Rio de Janeiro/São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública; 2019.

Queiroga L. Brasil segue no primeiro lugar do ranking de assassinatos de transexuais. O Globo. 2018 Nov 14; Sec. Sociedade.

Ministério da Economia (BR), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua

PNAD Contínua [Internet]. 2019. [acesso 2019 Out 22]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/17270-pnad-continua.html?=&t=o-que-e

Scheffer MC, Cassenote AJF. A feminização da medicina no Brasil. Rev Bioét. 2013;21(2):268-77. https://doi.org/10.1590/S1983-80422013000200010

Zanatta LF, Grein MI, Álvarez-Dardet C, Moraes SP, Brêtas JRS, Ruiz-Cantero MT, et al. Igualdade de gênero: por que o Brasil vive retrocessos? Cad Saúde Pública. 2016;32(8):e00089616. https://doi.org/10.1590/0102-311X00089616

Saldaña P. 4 em cada 10 jovens negros não terminaram o ensino médio: dados do IBGE mostram que abandono escolar atinge mais população negra. Folha de São Paulo. 2019 Set 1; Sec. Cotidiano.

Martin D, Goldberg A, Silveira C. Imigração, refúgio e saúde: perspectivas de análise sociocultural. Saúde Soc. 2018;27(1):26-36. https://doi.org/10.1590/s0104-12902018170870

Hone T, Rasella D, Barreto ML, Majeed A, Millett C. Association between expansion of primary healthcare and racial inequalities in mortality amenable to primary care in Brazil: A national longitudinal analysis. PLoS Med. 2017;14(5):e1002306. https://doi.org/10.1371/ journal.pmed.1002306

Marmot M. The Health Gap: the challenge of an unequal world. New York: Bloomsbury Press; 2015. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(15)00150-6

Gusso G, Lopes JMC. Tratado da Medicina da Família e Comunidade. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.

Akotirene C. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen Livros; 2019.

Hooks B. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Editora Elefante; 2018.

Pereira LBC, Chazan ACS. O Acesso das Pessoas Transexuais e Travestis à Atenção Primária à Saúde: uma revisão integrativa. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2019;14(41):1795. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1795

Barreto ML. Desigualdades em Saúde: uma perspectiva global. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(7):2097-108.

https://doi.org/10.1590/1413- 81232017227.02742017

Heidari S, Babor TF, De Castro P, Tort S, Curno M. Sex and Gender Equity in Research: rationale for the SAGER guidelines and recommended use. Res Integr Peer Rev. 2016;1:2. https://doi.org/10.1186/s41073-016-0007-6

Fontenelle LF, Rossi SV, Oliveira MHM, Brandão DJ, Sarti TD. Postgraduate education among family and community physicians in Brazil: the Trajetórias MFC project. medRxiv. 2019;19005744. https://doi.org/10.1101/19005744

The Editors of the Lancet Group. The Lancet Group’s commitments to gender equity and diversity. Lancet. 2019;394(10197):452-3. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(19)31797-0

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Sarti, T. D., Oliveira, D. O. P. S. de, Chueiri, P. S., & Fontenelle, L. F. (2019). Diversidade e Direitos Humanos na Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 2259. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2259
Seção
Especial Diversidade e Direitos Humanos na APS