Identificação de doenças genéticas na Atenção Primária à Saúde

experiência de um município de porte médio no Brasil

  • Cleyton Soares dos Santos Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7214-4738
  • Renata Giannecchini Bongiovanni Kishi Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1577-3917
  • Daniel Lima Gomes da Costa Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil.
  • Danniel Sann Dias da Silva Instituto de Pesquisa Gonçalo Moniz, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Salvador, Bahia, Bahia. https://orcid.org/0000-0002-8323-8246
  • Tânia Regina Franco Narciso Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos, São Paulo, Brasil.
  • Lucimar Retto da Silva de Avó Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7282-420X
  • Carla Maria Ramos Germano Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5030-7164
  • Kiyoko Abe Sandes Instituto de Pesquisa Gonçalo Moniz, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Salvador, Bahia, Bahia. Laboratório de Imunologia e Biologia Molecular, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil. Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, Bahia, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4429-5301
  • Angelina Xavier Acosta Instituto de Pesquisa Gonçalo Moniz, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Salvador, Bahia, Bahia. Faculdade de Medicina da Bahia, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1494-1373
  • Débora Gusmão Melo Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) http://orcid.org/0000-0001-7005-3544
Palavras-chave: Genética Médica, Defeitos Congênitos, Atenção Primária à Saúde.

Resumo

Problema: Embora individualmente raras, somadas, as doenças genéticas têm prevalência global estimada de 31,5 a 73,0 por 1.000 indivíduos. Além disto, doenças genéticas e defeitos congênitos representam a segunda causa de mortalidade infantil no Brasil. Diante deste cenário, foi instituída a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras no Sistema Único de Saúde. Esta política prevê funções específicas para Atenção Primária à Saúde (APS) que incluem diagnóstico precoce e mapeamento de pessoas com ou sob-risco de desenvolver doenças genéticas raras e/ou defeitos congênitos para encaminhamento regulado. Essa experiência objetivou colaborar com o desenvolvimento de métodos para o reconhecimento de indivíduos com ou sob-risco de desenvolver doenças genéticas na APS. Métodos: Através de visitas domiciliares e por meio do preenchimento de uma ficha específica, realizou-se busca ativa de casos de doença genética e/ou defeito congênito em uma amostra probabilística aleatória, representativa de uma Unidade de Saúde da Família de um município brasileiro de porte médio. Resultados: Foram investigados 295 domicílios, totalizando 1.160 indivíduos e 238 casais. A média de filhos por casal foi de 2,7, a frequência de consanguinidade foi 3,8% e de abortamento espontâneo foi 8,7%. Foram identificadas 29 pessoas (2,5%) com doenças congênitas, 11 (0,9%) com deficiências auditivas, 10 (0,9%) com deficiência mental e 6 (0,5%) com déficits visuais importantes. Atraso no desenvolvimento neuropsicomotor foi relatado em 8,8% das crianças e adolescentes. Doze indivíduos (1%) possuíam câncer e 9,6% relataram história familiar positiva para câncer. Conclusão: Os profissionais da APS estão em posição privilegiada para identificar e organizar uma rede de cuidados para indivíduos com doenças genéticas e/ou defeitos congênitos. A utilização sistemática de instrumentos que facilitem o reconhecimento de fatores de risco e de situações suspeitas pode ser uma estratégia útil a ser incorporada pela APS.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cleyton Soares dos Santos, Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil.

Graduou-se em Medicina pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Aluno de graduação na época da pesquisa.

Renata Giannecchini Bongiovanni Kishi, Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil.

Médica de Família e Comunidade. Possui Mestrado em Saúde na Comunidade pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo-USP. Professora Assistente no Departamento de Medicina da UFSCar.

Daniel Lima Gomes da Costa, Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil.

Graduou-se em Medicina pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Aluno de graduação na época da pesquisa.

Danniel Sann Dias da Silva, Instituto de Pesquisa Gonçalo Moniz, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Salvador, Bahia, Bahia.

Graduou-se em Fonoaudiologia pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Possui Doutorado e Mestrado pelo Centro de Pesquisa Gonçalo Moniz (CPqGM/FIOCRUZ) com concentração em Epidemiologia.

Tânia Regina Franco Narciso, Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos, São Paulo, Brasil.

Médica de Família e Comunidade da Unidade de Saúde da Família Antenor Garcia, São Carlos, São Paulo, Brasil. Preceptora do Curso de Medicina da UFSCar.

Lucimar Retto da Silva de Avó, Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil.

Médica patologista. Possui Mestrado em Patologia e Doutorado em Ciências pelo Programa de Pós-graduação em Patologia da Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina. Professora Adjunta no Departamento de Medicina da UFSCar.

Carla Maria Ramos Germano, Departamento de Medicina, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil.

Médica pediatra. Possui Mestrado e Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo-USP. Professora Associada no Departamento de Medicina da UFSCar.

Kiyoko Abe Sandes, Instituto de Pesquisa Gonçalo Moniz, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Salvador, Bahia, Bahia. Laboratório de Imunologia e Biologia Molecular, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil. Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, Bahia, Brasil.

Graduou-se em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Bahia. Possui Mestrado em Genética pela Universidade Federal do Paraná e Doutorado em Ciências (Genética) pela Universidade de São Paulo-USP. Professora aposentada da Universidade do Estado da Bahia, professora do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa do Centro de Pesquisa Gonçalo Moniz-FIOCRUZ.

Angelina Xavier Acosta, Instituto de Pesquisa Gonçalo Moniz, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Salvador, Bahia, Bahia. Faculdade de Medicina da Bahia, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil.

Médica geneticista. Possui Doutorado em Medicina (Clínica Médica) pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo-USP. Professora Titular no Departamento de Pediatria da Universidade Federal da Bahia.

Débora Gusmão Melo, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

É graduada em Medicina pela Universidade Federal de Sergipe (1991 a 1997), fez residência (1997 a 2000) em Genética Médica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), mestrado (2000 a 2002) e doutorado (2002 a 2006) em Ciências Biológicas (Genética) no Departamento de Genética da FMRP-USP. Desde 2006 é professora na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), tendo participado da criação do Departamento de Medicina da UFSCar. Atualmente é Professora Associada 1 do Departamento de Medicina. Tem experiência em genética médica, atuando principalmente nas áreas de aconselhamento genético (diagnóstico clínico e molecular de doenças genéticas, defeitos congênitos e deficiência intelectual) e saúde pública (estudos epidemiológicos, de gestão e de educação em genética médica).

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq

Referências

(1) Jorde LB, Carey JC, Bamshad MJ. Conceitos e história: o impacto clínico das doenças genéticas. In: Jorde LB, Carey JC, Bamshad MJ, White RL, orgs. Genética Médica. 5a ed. Rio de Janeiro: GEN Guanabara Koogan; 2017. p. 1-5.

(2) Turnpenny P, Ellard S. Emery’s elements of medical genetics. 15th ed. Amsterdam: Elsevier; 2017.

(3) Andersen AMN, Urhoj SK. Is advanced paternal age a health risk for the offspring?. Fertil Steril. 2017 Feb;107(2):312-8. DOI: https://doi.org/10.1016/j.fertnstert.2016.12.019

(4) Fareed M, Afzal M. Genetics of consanguinity and inbreeding in health and disease. Ann Hum Biol. 2017;44(2):99-107. DOI: https://doi.org/10.1080/03014460.2016.1265148

(5) Solomon BD, Muenke M. When to suspect a genetic syndrome. Am Fam Physician. 2012 Nov;86(9):826-33. DOI: https://www.aafp.org/afp/2012/1101/p826.html

(6) Mazzu-Nascimento T, Melo DG, Morbioli GG, Carrilho E, Vianna FSL, Silva AA, et al. Teratogens: a public health issue - a Brazilian overview. Genet Mol Biol. 2017 Jun;40(2):387-97. DOI: https://doi.org/10.1590/1678-4685-GMB-2016-0179

(7) Christianson A, Howson CP, Modell B. March of dimes global report on birth defects: the hidden toll of dying and disabled children [Internet]. New York: March of Dimes Birth Defects Foundation; 2006; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: http://www.marchofdimes.com/downloads/Birth_Defects_Report-PF.pdf

(8) Zarante I, Hurtado-Villa P, Walani SR, Kancherla V, Camelo JL, Giugliani R, et al. A consensus statement on birth defects surveillance, prevention, and care in Latin America and the Caribbean. Rev Panam Salud Publica. 2019;43:e2. DOI: https://doi.org/10.26633/RPSP.2019.2

(9) Horovitz DDG, Ferraz VEF, Dain S, Marques-de-Faria AP. Genetic services and testing in Brazil. J Community Genet. 2013;4(3):355-75. DOI: https://doi.org/10.1007/s12687-012-0096-y

(10) Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informação e Informática do SUS (DATASUS). Sistema de informações de saúde [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2020; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/

(11) Melo DG, Germano CMR, Porciúncula CGG, Paiva IS, Neri JICF, Avó LRS, et al. Qualificação e provimento de médicos no contexto da Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras no Sistema Único de Saúde (SUS). Interface (Botucatu). 2017;21(Supl 1):1205-16. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0211

(12) Novoa MC, Burnham TF. Desafios para a universalização da genética clínica: o caso brasileiro. Rev Panam Salud Publica. 2011 Jan;29(1):61-8.

(13) Melo DG, Sequeiros J. The challenges of incorporating genetic testing in the Unified National Health System in Brazil. Genet Test Mol Biomarkers. 2012 Jul;16(7):651-5. DOI: https://doi.org/10.1089/gtmb.2011.0286

(14) Scheffer M, Cassenote A, Guilloux AGA, Biancarelli A, Miotto BA, Mainardi GM. Demografia médica no Brasil 2018 [Internet]. São Paulo (SP): Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP; Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP); Conselho Federal de Medicina (CFM); 2018; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: http://www.flip3d.com.br/web/pub/cfm/index10/?numero=15&edicao=4278

(15) Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM). Página inicial [Internet]. Porto Alegre (RS): SBGM; 2020; [acesso em 2020 Mai 15]. Disponível em: https://www.sbgm.org.br

(16) Sociedade Brasileira de Enfermagem em Genética e Genômica (SBEGG). Página inicial [Internet]. São Paulo (SP): SBEGG; 2020; [acesso em 2020 Mai 15]. Disponível em: https://www.sbegg.org

(17) World Health Organization (WHO). Community genetics services: report of a WHO consultation on community genetics in low- and middle-income countries [Internet]. Geneva: WHO; 2010; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44532/1/9789241501149_eng.pdf

(18) Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria no 81, de 20 de janeiro de 2009. Institui, no âmbito do SUS, a Política Nacional de Atenção Integral em Genética Clínica [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 21 jan 2009; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt0081_20_01_2009.html

(19) Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria no 199, de 30 janeiro 2014. Institui a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, aprova as Diretrizes para Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e institui incentivos financeiros de custeio. [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 12 fev 2014; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0199_30_01_2014.html

(20) Wakap SN, Lambert DM, Olry A, Rodwell C, Gueydan C, Lanneau V, et al. Estimating cumulative point prevalence of rare diseases: analysis of the Orphanet database. Eur J Hum Genet. 2020;28(2):165-73. DOI: https://doi.org/10.1038/s41431-019-0508-0

(21) Vieira DKR, Attianezi M, Horovitz DD, Llerena Júnior JC. Atenção em genética médica no SUS: a experiência de um município de médio porte. Physis. 2013;23(1):243-61. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312013000100014

(22) Vieira DKR, Horovitz DDG, Llerena Junior JC. Avaliação genética itinerante de crianças e adolescentes com deficiência vinculadas à Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2012;7(24):196-203. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(24)485

(23) Acosta AX, Abé-Sandes K, Giugliani R, Bittles AH. Delivering genetic education and genetic counseling for rare diseases in rural Brazil. J Genet Couns. 2013 Jan;22(6):830-4. DOI: https://doi.org/10.1007/s10897-013-9570-x

(24) Vieira DKR. Pessoas com deficiência e doenças raras: o cuidado na atenção primária. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2019.

(25) Iriart JAB, Nucci MF, Muniz TP, Viana GB, Aureliano WA, Gibbon S. From the search for diagnosis to treatment uncertainties: challenges of care for rare genetic diseases in Brazil. Ciênc Saúde Colet. 2019 Sep;24(10):3637-50. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.01612019

(26) Melo DG, Paula PK, Rodrigues SA, Avó LRS, Germano CMR, Demarzo MMP. Genetics in primary healthcare and the National Policy on Comprehensive Care for People with Rare Diseases in Brazil: opportunities and challenges for professional education. J Commun Genet. 2015 Abr;6(3):231-40. DOI: https://doi.org/10.1007/s12687-015-0224-6

(27) Gramasco HFF, Baptista FH, Ribeiro MG, Avó LRS, Germano CMR, Melo DG. Genetics in Primary Healthcare in Brazil: potential contribution of mid-level providers and community health workers. J Community Med Health. 2016;6(2):406. DOI: http://dx.doi.org/10.4172/2161-0711.1000406

(28) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). IBGE Cidades [Internet]. Brasília (DF): IBGE; 2017; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/

(29) Prefeitura de São Carlos (BR). Programa Saúde da Família (PSF) [Internet]. São Carlos (SP): Prefeitura de São Carlos; 2020; [acesso em 2020 mai 15]. Disponível em: http://www.saocarlos.sp.gov.br/index.php/saude/115417-programa-saude-da-familia-psf.html

(30) Melo DG, Lessa ACO, Teixeira Filho JL, Nhoncanse GC, Drizlionoks E, Klein C, et al. Perfil clínico-epidemiológico da genética médica no Sistema Único de Saúde: análise do município de São Carlos, SP. Bol Epidemiol Paul [Internet]. 2010 Mar; [citado 2020 Jan 06]; 7(75):4-15. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-42722010000300001&lng=pt

(31) Bland M. An introduction to medical statistics. 3a ed. Oxford: Oxford University Press; 2000.

(32) Musse JO, Marques RS, Lopes FRL, Monteiro KS, Santos SC. Avaliação de competências de Agentes Comunitários de Saúde para coleta de dados epidemiológicos. Ciênc Saúde Colet. 2015 Fev;20(2):525-36. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015202.01212014

(33) Vieira DKR, Llerena Júnior JC, Attianezi M, Acosta AX, Sandes KA. Ampliação do acesso de pessoas com deficiência e doenças raras no SUS: experiências em curso. In: Vieira DKR, org. Pessoas com deficiência e doenças raras: o cuidado na atenção primária. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2019. p. 25-62.

(34) Acosta A, Amorim T, Sandes KA, Queiroz IRG, Silva DSD. FICHA A-GEN - figshare. Dataset [Internet]. 2020; [acesso em 2020 Maio 25]. DOI: https://doi.org/10.6084/m9.figshare.12362822.v1

(35) Burlá M, Braga A, Coulamy LB, Oliveira TS, Silva EP, Vasques FP. Abortamento de repetição. Rev HUPE. 2015;14(2):34-40. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/rhupe.2015.18351

(36) Wu PC, Huang HM, Yu HJ, Fang PC, Chen CT. Epidemiology of myopia. Asia Pac J Ophthalmol (Phila). 2016;5(6):386-93. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/APO.0000000000000236

(37) Machado TM, Bomfim TF, Souza LV, Soares N, Santos FL, Acosta AX, et al. Types of marriages, population structure and genetic disease. J Biosoc Sci. 2013 Jul;45(4):461-70. DOI: http://dx.doi.org/10.1017/S0021932012000673

(38) Kiss A, Rosa RFM, Dibi RP, Zen PRG, Pfeil JN, Graziadio C, et al. Anormalidades cromossômicas em casais com história de aborto recorrente. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009;31(2):68-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032009000200004

(39) Vieira SR, Ferrari LP. Investigação de alterações citogenéticas em abortos espontâneos: um retrospecto de 2006 a 2011. Cad Escola Saúde [Internet]. 2013; [citado 2020 Jan 06]; 2(10):1-20. Disponível em: https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/cadernossaude/article/view/2384

(40) Hancock RL, Koren G, Einarson A, Ungar WJ. The effectiveness of Teratology Information Services (TIS). Reprod Toxicol. 2007 Feb;23(2):125-32. DOI: https://doi.org/10.1016/j.reprotox.2006.11.005

(41) Schüler-Faccini L, Leite JCL, Sanseverino MTV, Peres RM. Avaliação de teratógenos potenciais na população brasileira. Ciênc Saúde Colet. 2002;7(1):65-71. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000100006

(42) Toralles MB, Trindade BMC, Fadul LC, Peixoto Júnior CF, Santana MACC, Alves C. A importância do Serviço de Informações sobre Agentes Teratogênicos, Bahia, Brasil, na prevenção de malformações congênitas: análise dos quatro primeiros anos de funcionamento. Cad Saúde Pública. 2009 Jan;25(1):105-10. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000100011

(43) Moreira RM, Estevão IF, Melo DG. Critical analysis of the neonatal screening program for hemoglobinopathies. Rev Bras Hematol Hemoter. 2011;33(4):318-20.

(44) Silva CA, Baldim LB, Nhoncanse GC, Estevão IF, Melo DG. Triagem neonatal de hemoglobinopatias no município de São Carlos, São Paulo, Brasil: análise de uma série de casos. Rev Paul Pediatr. 2015 Mar;33(1):19-27. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.rpped.2014.08.001

(45) Moeschler JB, Shevell M, Committee on Genetics. Comprehensive evaluation of the child with intellectual disability or global developmental delays. Pediatrics. 2014 Set;134(3):e903-18. DOI: http://dx.doi.org/10.1542/peds.2014-1839

(46) Melo DG, Pilotto RF, Rodrigues AS, Avó LRS, Germano CMR. Investigação etiológica nas situações de deficiência intelectual ou atraso global do desenvolvimento. Saúde Desenvolvimento Hum. 2018;6(3):73. DOI: http://dx.doi.org/10.18316/sdh.v6i3.4217

(47) Oliveira MM, Malta DC, Guauche H, Moura L, Silva GA. Estimativa de pessoas com diagnóstico de câncer no Brasil: dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(Supl 2):146-57. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201500060013

(48) Murff HJ, Greevy RA, Syngal S. The comprehensiveness of family cancer history assessments in primary care. Community Genet. 2007;10(3):174-80. DOI: https://doi.org/10.1159/000101759

(49) Emery J, Hayflick S. The challenge of integrating genetic medicine into primary care. BMJ. 2001;322(7293):1027-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmj.322.7293.1027

(50) Scott J, Trotter T. Primary care and genetics and genomics. Pediatrics. 2013 Dez;132(Supl 3):S231-7. DOI: https://doi.org/10.1542/peds.2013-1032H

(51) Teng K, Acheson LS. Genomics in primary care practice. Prim Care. 2014 Jun;41(2):421-35. DOI: https://doi.org/10.1016/j.pop.2014.02.012

(52) Valdez R, Yoon PW, Qureshi N, Green RF, Khoury MJ. Family history in public health practice: a genomic tool for disease prevention and health promotion. Annu Rev Publ Health. 2010 Abr;31:69-87. DOI: https://doi.org/10.1146/annurev.publhealth.012809.103621

(53) McCahon D, Holder R, Metcalfe A, Clifford S, Gill P, Cole T, et al. General practitioners’ attitudes to assessment of genetic risk of common disorders in routine primary care. Clin Genet. 2009;76(6):544-51. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1399-0004.2009.01245.x

(54) Ahmed S, Hayward J, Ahmed M. Primary care professionals’ perceptions of using a short family history questionnaire. Fam Pract. 2016 Dez;33(6):704-8. DOI: https://doi.org/10.1093/fampra/cmw080

(55) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com Síndrome de Down [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_pessoa_sindrome_down.pdf

(56) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Doença falciforme: diretrizes básicas da linha de cuidado [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015; [acesso em 2020 Jan 06]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_falciforme_diretrizes_basicas_linha_cuidado.pdf

(57) Harzheim E, Chueiri PS, Umpierre RN, Gonçalves MR, Siqueira ACS, D’Avila OP, et al. Telessaúde como eixo organizacional dos sistemas universais de saúde do século XXI. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2019;14(41):1881. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1881

(58) TelessaúdeRS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Curso EAD de doenças genéticas raras. Porto Alegre (RS): UFRGS; 2020.

Publicado
2020-08-13
Como Citar
Santos, C. S. dos, Kishi, R. G. B., Costa, D. L. G. da, Silva, D. S. D. da, Narciso, T. R. F., Avó, L. R. da S. de, Germano, C. M. R., Sandes, K. A., Acosta, A. X., & Melo, D. G. (2020). Identificação de doenças genéticas na Atenção Primária à Saúde: experiência de um município de porte médio no Brasil. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2347. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2347
Seção
Relatos de Experiência