A percepção do usuário idoso sobre o acesso e a qualidade da Atenção Primária à Saúde

Autores

  • Ana Carolina Diniz Oliveira Fundação Oswaldo Cruz, Núcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento – Belo Horizonte (MG), Brasil / Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte – Belo Horizonte (MG), Brasil https://orcid.org/0000-0003-2914-0480
  • Karla Cristina Giacomin Fundação Oswaldo Cruz, Núcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento – Belo Horizonte (MG), Brasil / Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte – Belo Horizonte (MG), Brasil
  • Wagner Jorge dos Santos Fundação Oswaldo Cruz, Núcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento – Belo Horizonte (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5107-8519
  • Josélia Oliveira Araújo Firmo Fundação Oswaldo Cruz, Núcleo de Estudos em Saúde Pública e Envelhecimento – Belo Horizonte (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5330-476X

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2363

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Estratégia saúde da família., Antropologia médica.

Resumo

Introdução: O envelhecimento populacional brasileiro já repercute na Atenção Primária à Saúde. Objetivo: Avaliar a percepção dos idosos quanto ao acesso e à qualidade da atenção em Bambuí, Minas Gerais. Métodos: Esta pesquisa tem abordagem qualitativa. O modelo dos signos, significados e ações foi utilizado na coleta e análise dos dados. Foram realizadas entrevistas nos domicílios, cuja escolha baseou-se em critérios para garantir a heterogeneidade dos participantes. Resultados: A análise fundamentou-se na perspectiva êmica. Nela, emergiram elementos que compõem a percepção do usuário idoso acerca da implantação e da consolidação do Sistema Único de Saúde e da Estratégia Saúde da Família local na categoria ― Desafios da Atenção Primária à Saúde na percepção do usuário idoso. Observou-se na percepção dos idosos, o serviço público evoluiu para melhor, porém ainda persistem dificuldades de acesso e a insatisfação de alguns com a qualidade do serviço, o que os leva à busca pela atenção secundária, pela urgência e pela medicina privada. Conclusões: Os achados demonstram que na percepção dos idosos a implantação da Estratégia Saúde da Família foi positiva, porém a atenção primária em saúde ainda pode ser melhorada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Brasil. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Política Nacional de Atenção Básica. [acessado em 27 nov. 2020]. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html>.

Macinko, J; Mendonça, C S. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde Debate 2018;42(spe1):18-37. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S102 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s102

Almeida AND. O acesso aos serviços de saúde pelos idosos no Brasil com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) entre 1998 e 2008. J Bras Econ Saúde 2015;7(1): 43-52.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO; Ministério da Saúde; 2002.

Mendes EV. A Construção Social da Atenção Primária à Saúde/ Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS); 2015.

Uchôa E, Firmo JO, Lima-Costa MF, Corin E. An anthropologic study on strategies for addressing health problems among the elderly in Bambuí, Minas Gerais State, Brazil. Cad Saude Publica 2011;27(Suppl 3):S370-7. https://doi.org/10.1590/s0102-311x2011001500007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011001500007

Placideli N, Castanheira ERL, Dias A, Silva PA, Carrapato JLF, Sanine PR, et al. Avaliação da atenção integral ao idoso em serviços de atenção primária. Rev Saude Publica 2020;54:6. https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054001370 DOI: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054001370

Pinto LF, Giovanella L. Do Programa à Estratégia Saúde da Família: expansão do acesso e redução das internações por condições sensíveis à atenção básica (ICSAB). Ciênc Saúde Colet 2018;23(6):1903-13. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.05592018 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.05592018

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Brasília: IBGE, 2016. [acessado em 03 mar. 2017]. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=310510&search=minas-gerais|bambui|infograficos:-informacoes-completas>.

Lima-Costa MF, Firmo JOA, Uchôa E. Auto-avaliação da saúde de idosos. Rev Saúde Pública 2004;38(6):827-34. https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000600011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000600011

Corin E, Uchôa E, Bibeau G, Koumaré B. Articulation et variations des systèmes de signes, de sens et d’actions. Psychopathol Afr 1992;24:183-204.

Geertz C. The interpretation of cultures. New York: Basic Books; 1973.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública 2008;24(1):17-27. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Shimizu HE, Trindade JS, Mesquita MS, Ramos MC. Avaliação do Índice de Responsividade da Estratégia Saúde da Família da zona rural. Rev Esc Enferm 2018;52: e03316. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2017020203316 DOI: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2017020203316

Harzheim E, Santos CMJ, D’Avila OP, Wollmann L, Pinto LF. Bases para a reforma da Atenção Primária à Saúde no Brasil em 2019: mudanças estruturantes após 25 anos do Programa de Saúde da Família. Rev Bras Med Fam Comunidade 2020;15(42):2354. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2354 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2354

Dourado I, Medina MG, Aquino R. The effect of the Family Health Strategy on usual source of care in Brazil: data from the 2013 National Health Survey (PNS 2013). Int J Equity Health 2016;15(1):151. https://doi.org/10.1186/s12939-016-0440-7 DOI: https://doi.org/10.1186/s12939-016-0440-7

Pereira JA, Damasceno RF, Vieira MRM, Paula AMB, Haikal DSA. Salário de médicos contratados da Estratégia Saúde da Família e contexto municipal: estudo ecológico. Saúde Debate 2020;44(126):624-39. https://doi.org/10.1590/0103-1104202012603 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104202012603

Neto GCC, Antunes VH, Oliveira A. A prática da Medicina de Família e Comunidade no Brasil: contexto e perspectivas. Cad Saúde Pública 2019;35(1):e00170917. https://doi.org/10.1590/0102-311X00170917 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00170917

Moraes GVO, Giacomin KC, Santos WJ, Firmo JOA. A percepção dos idosos sobre o saber biomédico no cuidado à velhice e às “coisas da idade”. Physis 2016;26(1):309-29. https://doi.org/10.1590/S0103-73312016000100017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312016000100017

Albuquerque FJB, Melo CF, Souza Filho FE, Araújo Neto JL. Avaliação da estratégia saúde da família a partir das crenças dos profissionais. Estud Psicol (Campinas) 2011;28(3)363-70. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2011000300008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2011000300008

Peruzzo HE, Bega AG, Lopes APAT, Haddad MCFL, Peres AM, Marcon SS. Os desafios de se trabalhar em equipe na estratégia saúde da família. Esc Anna Nery 2018;22(4):e20170372. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2017-0372 DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0372

Malta DC, Morais Neto OL, Silva MMA, Rocha D, Castro AM, Reis AAC. Nacional de Promoção da Saúde (PNPS): capítulos de uma caminhada ainda em construção. Ciên Saúde Coletiva 2016;21(6):1683-94. https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.07572016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.07572016

Rodrigues MAP, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FV, Paniz VMV. Uso de serviços básicos de saúde por idosos portadores de condições crônicas, Brasil. Rev Saúde Pública 2009;43(4):604-12. https://doi.org/10.1590/S0034-89102009005000037 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102009005000037

Alencar TOS, Nascimento MAA, Alencar BR. Assistência farmacêutica na estratégia saúde da família: uma análise sobre o acesso. Rev Bras Farm 2013;94(3):219-26.

Santos WJ, Giacomin KC, Firmo JOA. Avaliação da tecnologia das relações de cuidado nos serviços em saúde: percepção dos idosos inseridos na Estratégia Saúde da Família em Bambuí, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva 2014;19(8):3441-50. https://doi.org/10.1590/1413-81232014198.14172013 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232014198.14172013

Alcântara AO, Camarano AA, Giacomin KC. Política Nacional do idoso: velhas e novas questões. Rio de Janeiro: IPEA; 2016.

Brasil. Saúde suplementar. I. Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil). Diretoria de Desenvolvimento Setorial. Gerência de Padronização, Interoperabilidade e Análise de Informação.Caderno de informação da saúde suplementar [recurso eletrônico]: beneficiários, operadoras e planos. Rio de Janeiro: ANS; 2018,12(3):1-61.

Santos IS, Vieira FS. Direito à saúde e austeridade fiscal: o caso brasileiro em perspectiva internacional. Ciênc Saúde Colet 2018;23(7):2303-14. https://doi.org/10.1590/1413-81232018237.09192018 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018237.09192018

Publicado

2022-09-28

Como Citar

1.
Oliveira ACD, Giacomin KC, Santos WJ dos, Firmo JOA. A percepção do usuário idoso sobre o acesso e a qualidade da Atenção Primária à Saúde . Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 28º de setembro de 2022 [citado 9º de dezembro de 2022];17(44):2363. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2363

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit