Polimedicação em adultos e idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família

associação com fatores sociodemográficos, estilo de vida, rede de apoio social e saúde

Palavras-chave: Polimedicação, Atenção Primária à Saúde, Estratégia Saúde da Família, Envelhecimento.

Resumo

Introdução: Verifica-se, no contexto global, a modificação do perfil da morbimortalidade em decorrência das transições demográfica e epidemiológica, relacionadas ao aumento do número de idosos e de doenças crônicas não-transmissíveis. Nesse cenário, a polimedicação tem se tornado frequente e, por conseguinte, seus danos são visualizados. O uso de múltiplos medicamentos amplia o risco de prescrições potencialmente inapropriadas, o que propicia interações farmacológicas, eventos adversos a medicamentos e hospitalizações. Soma-se a isso o ônus ao sistema de saúde e à assistência médica. Objetivo: Identificar os fatores associados à polimedicação em adultos mais velhos e idosos. Métodos: Trata-se de um estudo transversal e quantitativo, realizado em 2018 e 2019, com n=147 adultos (45-59 anos) e n=153 idosos (≥60 anos), cadastrados na Estratégia Saúde da Família (ESF) no município de Três Lagoas/MS. Foram coletados dados de caracterização sociodemográfica, estilo de vida, rede de apoio social e informações sobre saúde. Questionou-se o número de fármacos de uso contínuo tomados por dia, sendo considerada polifarmácia a utilização de cinco ou mais medicamentos. Foi conduzida uma regressão logística binomial para identificar os fatores associados à polifarmácia. Resultados: A prevalência de polifarmácia foi 10,2% (IC95% = [6,3%-16,2%]) para os adultos e 17,0% (IC95% = [11,9%-23,7%]) para os idosos. Estiveram associados à polifarmácia para o grupo de adultos o aumento da idade (OR=1,32; IC95%=1,10-1,59) e não possuir companheiro (OR=6,52; IC95%=1,59-26,81). Já para o grupo de idosos, os fatores associados foram ter sofrido pelo menos uma queda no último ano (OR=3,33; IC95%=1,13-9,85), ser tabagista (OR=5,04; IC95%=1,30-19,62), avaliar a saúde como regular (OR=4,10; IC95%=1,16-14,54) ou ruim/muito ruim (OR=6,59; IC95%=1,31-33,08). O consumo de álcool foi inversamente associado à polifarmácia (OR=0,15; IC95%=0,02-0,98) nos idosos. Conclusões: Diante dos potenciais riscos oferecidos pela polimedicação, torna-se imprescindível a distinção dos grupos em condição de maior vulnerabilidade ao uso de múltiplos medicamentos e um acompanhamento mais cauteloso, a fim de assegurar maior segurança na prescrição de fármacos na atenção primária e o aprimoramento do cuidado.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nathália de Oliveira Andrade, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Acadêmica de Medicina, Campus de Três Lagoas, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Aline Martins Alves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Acadêmica de Medicina, Campus de Três Lagoas, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Bruna Moretti Luchesi, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Docente do curso de Graduação em Medicina e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Campus de Três Lagoas, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. 

Tatiana Carvalho Reis Martins, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Docente do curso de Graduação em Medicina e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Campus de Três Lagoas, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. 

Referências

(1) Pereira KG, Peres MA, Iop D, Boing AC, Boing AF, Aziz M, et al. Polifarmácia em idosos: um estudo de base populacional. Rev Bras Epidemiol. 2017 Jun;20(2):335-44. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700020013

(2) Masnoon N, Shakib S, Kalisch-Ellett L, Caughey GE. What is polypharmacy? A systematic review of definitions. BMC Geriatr. 2017 Out;17(230):1-10. DOI: https://doi.org/10.1186/s12877-017-0621-2

(3) Carvalho MFC, Romano-Lieber NS, Bergsten-Mendes G, Secoli SR, Ribeiro E, Lebrão ML, et al. Polifarmácia entre idosos do Município de São Paulo - Estudo SABE. Rev Bras Epidemiol. 2012 Dez;15(4):817-27. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2012000400013

(4) Costa GM, Oliveira MLC, Novaes MRCG. Fatores associados à polifarmacoterapia entre idosos assistidos pela estratégia saúde da família. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017 Ago;20(4):525-33. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-22562017020.170005

(5) Jyrkka J, Enlund H, Korhonen MJ, Sulkava R, Hartikainen S. Patterns of drug use and factors associated with polypharmacy and excessive polypharmacy in elderly persons. Drugs Aging. 2009;26(6):493-503. DOI: 10.2165/00002512-200926060-00006 PMID: 19591524

(6) Silveira PA, Silva SC, Rocha KSC. Prevalência da polifarmácia nos idosos de uma Unidade Básica de Saúde no estado de Minas Gerais. Rev Atenção Saúde. 2018;16(58):29-35. DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol16n58.5364

(7) Nascimento RCRM, Álvares J, Guerra Júnior AA, Gomes IC, Silveira MR, Costa EA, et al. Polifarmácia: uma realidade na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública. 2017;51(Suppl 2):19s. DOI: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007136

(8) Pharm KH, García-Caballos M, Casado-Fernandez E, Jucja B, Pharm DS, Bueno-Cavanillas A. Polypharmacy and potentially inappropriate prescriptions identified by Beers and STOPP criteria in co-morbid older patients at hospital discharge. J Eval Clin Pract. 2015 Set;22(2):189- 93. DOI: http://doi.org/10.1111/jep.12452

(9) Maher RL, Hanlon J, Hajjar ER. Clinical consequences of polypharmacy in elderly. Expert Opin Drug Saf. 2014;13(1):57-65. DOI: http:// doi.org/10.1517/14740338.2013.827660 DOI:

(10) Akazawa M, Imai H, Igarashi A, Tsutani K. Potentially inappropriate medication use in elderly Japanese patients. Am J Geriatr Pharmacother. 2010 Abr;8(2):146-60. DOI: http://doi.org/10.1016/j.amjopharm.2010.03.005

(11) Campins L, Serra-Prat M, Palomera E, Bolibar I, Martínez MA, Gallo P. Reduction of pharmaceutical expenditure by a drug appropriateness intervention in polymedicated elderly subjects in Catalonia (Spain). Gac Sanit. 2019 Mar/Abr;33(2):106-11. DOI: http://doi.org/10.1016/j. gaceta.2017.09.002

(12) Magalhães MS, Santos FS, Reis AMM. Fatores associados ao uso de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos na alta hospitalar. Einstein (São Paulo). 2020 Out;18:eAO4877. DOI: http://doi.org/10.31744/einstein_journal/2020AO4877

(13) Guedes RDC, Dias RC, Neri AL, Ferriolli E, Lourenço RA, Lustosa LP. Declínio da velocidade da marcha e desfechos de saúde em idosos: dados da Rede Fibra. Fisioter Pesqui. 2019 Set;26(3):304-10. DOI: http://doi.org/10.1590/1809-2950/18036026032019

(14) Ersoy S, Engin VS. Accessibility to healthcare and risk of polypharmacy on chronically ill patients. J Coll Physicians Surg Pak. 2019;29(6):505-10. DOI: http://doi.org/10.29271/jcpsp.2019.06.505

(15) Stuhec M, Gorenc K, Zelko E. Evaluation of a collaborative care approach between general practitioners and clinical pharmacists in primary care community settings in elderly patients on polypharmacy in Slovenia: a cohort retrospective study reveals positive evidence for implementation. BMC Health Serv Res. 2019 Fev;19(118):1-9. DOI: https://doi.org/10.1186/s12913-019-3942-3

(16) Esher A, Coutinho T. Uso racional de medicamentos, farmaceuticalização e usos do metilfenidato. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(8):2571- 80. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.08622017

(17) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas da população enviadas ao TCU. Tabelas de estimativas para 1º de julho de 2018, atualizadas e enviadas ao TCU após a publicação no DOU [Internet]. Brasília (DF): IBGE; 2018; [acesso em 2018 Nov 30]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?edicao=22367&t=resultados

(18) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Estatuto do idoso [Internet]. 3a ed., 2a reimpr. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013; [acesso em 2020 Jun 22]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estatuto_idoso_3edicao.pdf

(19) Fonseca JS, Martins GA. Curso de estatística. 5ª ed. São Paulo: Atlas; 1994.

(20) Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O Mini Exame do Estado Mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neuro-Psiquiatr. 1994 Mar;52(1):1-7. DOI: http://doi.org/10.1590/S0004-282X1994000100001

(21) Nunes DP, Duarte YAO, Santos JLF, Lebrão ML. Rastreamento de fragilidade em idosos por instrumento autorreferido. Rev Saúde Pública. 2015 Fev;49:2. DOI: http://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005516

(22) Luchesi BM. Dataset and questionnaire_Polypharmacy in adults and elderly registered in the Family Health Strategy: association with sociodemographic, lifestyle, social support network and health factors. Zenodo [Internet]. 2020 Jul 13. DOI: http://doi.org/10.5281/ zenodo.3942020

(23) World Health Organization (WHO). WHO global patient safety challenge - Medication without harm [Internet]. Geneva: WHO; 2017; [acesso em 2020 Jul 8]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/255263/WHO-HIS-SDS-2017.6-eng.pdf;jsess ionid=3B0A903F94988166BEF1EA5A4803942F?sequence=1

(24) Almeida NA, Reiners AAO, Azevedo RCS, Silva AMC, Cardoso JDC, Souza LC. Prevalência e fatores associados à polifarmácia entre os idosos residentes na comunidade. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(1):143-53.

(25) Santos TRA, Lima DM, Nakatani AYK, Pereira LV, Leal GS, Amaral RG. Consumo de medicamentos por idosos, Goiânia, Brasil. Rev Saúde Pública. 2013;47(1):94-103. DOI: http://doi.org/10.1590/S0034-89102013000100013

(26) Gutiérrez-Valencia M, Izquierdo M, Cesari M, Casas-Herrero Á, Inzitari M, Martínez-Velilla N. The relationship between frailty and polypharmacy in older people: a systematic review. Br J Clin Pharmacol. 2018 Mar;84(7):1432-44. DOI: https://doi.org/10.1111/bcp.13590

(27) Miguel A, Henriques F, Azevedo LF, Pereira AC. Ophthalmic adverse drug reactions to systemic drugs: a systematic review. Pharmacoepidemiol Drug Saf. 2014 Jan;23(3):221-33. DOI: https://doi.org/10.1002/pds.3566

(28) Carli FVBO, Anjos VD, Silva AA, Evangelista VC, Gianini SHS, Cardin MA, et al. Ocorrências de quedas em idosos e a polifarmácia. Rev Eletrônica Acervo Saúde 2019;1(Suppl 37):e1082. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e1082.2019

(29) Castioni J, Marques-vidal P, Abolhassani N, Vollenweider P, Waeber G. Prevalence and determinants of polypharmacy in Switzerland: data from the CoLaus study. BMC Health Serv Res. 2017 Dez;17(840):1-9. DOI: https://doi.org/10.1186/s12913-017-2793-z

(30) Pappa E, Kontodimopoulos N, Papadopoulos AA, Tountas Y, Niakas D. Prescribed-drug utilization and polypharmacy in a general population in Greece: association with sociodemographic, health needs, health-services utilization, and lifestyle factors. Eur J Clin Pharmacol. 2011 Nov;67(2):185-92. DOI: https://doi.org/10.1007/s00228-010-0940-0

(31) Silva GOB, Gondim APS, Monteiro MP, Frota MA, Meneses ALL. Uso de medicamentos contínuos e fatores associados em idosos de Quixadá, Ceará. Rev Bras Epidemiol. 2012 Jun;15(2):386-95. DOI: http://doi.org/10.1590/S1415-790X2012000200016

(32) Griswold MG, Fullman N, Hawley C, Arian N, Zimsen SRM, Tymeson HD, et al. Alcohol use and burden for 195 countries and territories, 1990-2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016. Lancet. 2018 Set;392(10152):1015-35. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)31310-2

(33) Drieling RL, LaCroix AZ, Beresford SA, Boudreau DM, Kooperberg C, Heckbert SR. Validity of self-reported medication use compared with pharmacy records in a cohort of older women: findings from the Women’s Health Initiative. Am J Epidemiol. 2016 Ago;184(3):233-8. DOI: https://doi.org/10.1093/aje/kwv446

Publicado
2020-10-09
Como Citar
Andrade, N. de O., Alves, A. M., Luchesi, B. M., & Martins, T. C. R. (2020). Polimedicação em adultos e idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família: associação com fatores sociodemográficos, estilo de vida, rede de apoio social e saúde. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2462. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2462
Seção
Artigos de Pesquisa