Cobertura vacinal real do esquema básico para o primeiro ano de vida numa Unidade de Saúde da Família

  • Sandra Maria Magalhães Villela Carneiro Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL
  • Simone Schwartz Lessa Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL
  • João Alfredo Lins Guimarães Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL
  • Marina Moraes Loepert Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL
  • Diego Barbosa da Silva Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL
Palavras-chave: Cobertura vacinal, Vacinação, Programas de Imunização, Esquema de Imunização

Resumo

Objetivos: Avaliar a cobertura vacinal real do esquema básico para o primeiro ano de vida numa Unidade de Saúde da Família de Maceió-AL. Métodos: Estudo do tipo transversal com amostragem do tipo não probabilística no qual foi aplicado questionário através do responsável de todas as crianças maiores de 12 e menores de 24 meses. A carteira de vacinação foi utilizada como fonte de informação. Considerou-se completado o esquema básico, a criança que recebeu a dose das vacinas na idade e intervalos corretos. As variáveis categóricas foram dispostas em proporções. Foram calculados média e desvio padrão para as variáveis numéricas. As diferenças nas proporções das variáveis entre os grupos de crianças com CV adequada e não adequada foram medidas através do teste do Quiquadrado de Pearson% (p < 0,05). Resultados: Obteve-se uma amostra de 66 crianças, das quais, 24,2% (n = 16) completaram o esquema básico de vacinação. Foi observado que 63,6% das crianças haviam apresentado algum tipo de morbidade nos três meses que antecederam a entrevista. A média de número de moradores foi de 4,7 ± 1,8, enquanto que o número médio de irmãos foi de 1,0 ± 1,0. Verificou-se que 75,8% (n = 50) das crianças faziam parte das classes C2 ou D. A média de idade do responsável foi de 30,53 ± 11, variando de 16 a 62 anos. Conclusões: A cobertura para cada uma das vacinas foi sempre maior que a cobertura para o esquema completo. Verificou-se que parcela significativa das crianças desta pesquisa não recebeu todas as doses preconizadas, nas idades adequadas e com os intervalos corretos. Portanto, a unidade necessita aprimorar seus procedimentos técnicos e administrativos a fim de garantir a plenitude da cobertura vacinal em data oportuna.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sandra Maria Magalhães Villela Carneiro, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL

Preceptora do PET-Saúde e Médica Sanitarista com especialidade em medicina da família e comunidade. Gerente da Unidade Docente Assistencial da Estratégia de Saúde da Família (Unidade Básica da Secretaria de Saúde do Município de Maceió - AL) Docente contratada da disciplina Medicina, Indivíduo e Comunidade da UNCISAL.

Simone Schwartz Lessa, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL

Professora Titular da Disciplina Medicina Indivíduo e Comunidade da UNCISAL. Tutora do PET-saúde.

João Alfredo Lins Guimarães, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL

Odontólogo, Bacharel em Direito, Especialista em Ciências da Saúde e Odontologia Legal, Mestre em Saúde Coletiva, Professor da Disciplina Medicina Indivíduo e Comunidade da UNCISAL

Marina Moraes Loepert, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL
Discente do 4° ano de Medicina e do PET-saúde.
Diego Barbosa da Silva, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL
Discente do 5° ano de Medicina e do PET-saúde.

Referências

Miranda AS, Scheibel IM, Tavares MRG, Takeda SMP. Avaliação da cobertura vacinal do esquema básico para o primeiro ano de vida. Rev Saúde Pública. 1995; 29(3):208-14. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101995000300008

Moraes JC, Ribeiro MCSA, Simões O, Castro PC, Barata RB. Qual a cobertura vacinal real?. Epidemiol. Serv. Saúde. 2003; 12(3):147-53.

Teixeira AMS, Rocha CMV. Vigilância das coberturas de vacinação: uma metodologia para detecção e intervenção em situações de risco. Epidemiol. Serv. Saúde. 2010; 19(3):217-26. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742010000300004

Guimarães TMR, Alves JGB, Tavares MMF. Impacto das ações de Imunização pelo Programa Saúde da Família na mortalidade infantil por doenças evitáveis em Olinda, Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009; 25(4):868-76. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000400018

França ISX, Simplício DN, Alves FP, Brito VRS. Cobertura vacinal e mortalidade infantil em Campina Grande, PB, Brasil. Rev Bras Enferm. 2009; 62(2):258-64. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000200014

Morillo SG, Luchs A, Cilli A, Costa FF, Carmona FCC, Timenetsky MCST. Caracterização de genótipos de rotavírus em creches: era pré e pós vacinação contra o rotavirus. J. Pediatr. 2010; 86(2). http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572010000200013

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. SUS oferece duas novas vacinas para seis milhões de crianças. SVS em rede. 2010; (70) [online] [acesso em 2010 maio 12]. Disponível em: http://189.28.128.179:8080/svs_informa/edicao-70-fevereiro-de-2010/sus-oferece-duas-novas-vacinas-para-seis-milhoes-de-criancas.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Vacinação 2006. Brasília: Divisão de Doenças Transmissíveis (DGS), 2006. Orientações técnicas n. 10. Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de dezembro de 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Normas de Vacinação. 4. ed. Brasília: Assessoria de Comunicação e Educação em Saúde; 2001.

Pereira DR, Mathias TAF, Soares DFPP, Carvalho WO. Cobertura vacinal em crianças de 12 a 23 meses de idade: estudo exploratório tipo Survey. Rev Eletr Enferm. 2009; 11(2):360-7

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa – ABEP. ABEP 2008: Critério de Classificação Econômica Brasil. São Paulo: ABEP; 2007. Disponível em: http://www.abep.org/default.aspx?usaritem=arquivos&iditem=23.

Ramos CF, Paixão JGM, Danza FCS, Silva AMP, Caçador DF, Dias VDV, et al. Cumprimento do Calendário de vacinação de crianças em uma unidade de saúde da família. Rev Pan-Amaz Saúde 2010; 1(2):55 60.

Alagoas. Secretaria de Estado da Saúde – SES/AL. Programa Estadual de Imunização. Cobertura vacinal em Alagoas - análise da situação atual. Superintendente de Vigilância à Saúde; 2007.

Gatti MA, Oliveira LR. Crianças faltosas à vacinação condições de vida da família e concepção sobre vacina: um inquérito domiciliar. Salusvita. 2005; 24(3):427-36.

Tertuliano GC, Stein AT. Atraso vacinal e seus determinantes: um estudo em localidade atendida pela Estratégia de Saúde da Família. Cien Saude Colet. 2011; 16(2):523-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000200015

Molina AC, Godoy I, Carvalho LR, Caldas Junior AL. Situação vacinal infantil e características individuais e familiares do interior de São Paulo. Acta Sci. Health Sci. 2007; 29(2):99-106.

Publicado
2012-05-23
Como Citar
Carneiro, S. M. M. V., Lessa, S. S., Guimarães, J. A. L., Loepert, M. M., & Silva, D. B. da. (2012). Cobertura vacinal real do esquema básico para o primeiro ano de vida numa Unidade de Saúde da Família. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 7(23), 100-107. https://doi.org/10.5712/rbmfc7(23)249
Seção
Artigos de Pesquisa