Convergências entre prevenção quaternária e promoção da saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2515

Palavras-chave:

Prevenção Quaternária, Promoção da Saúde, Atenção Primária à Saúde, Sistema Único de Saúde.

Resumo

Introdução: A prevenção quaternária (P4) e a promoção da saúde (PS) vem se desenvolvendo em paralelo. Objetivo: Apresentar e discutir algumas relações de convergência da P4 com a PS. Métodos: Trata-se de ensaio teórico que relaciona ideias e literatura selecionadas assistematicamente, consideradas essenciais para a discussão das relações abordadas. Resultados: A P4 converge com a PS por duas vias: a) pelas suas relações com a medicalização social e b) pelas suas convergências com as ações que Geoffrey Rose chamou de medidas preventivas ‘redutivas’ - reduzir riscos aumentados de adoecimento reduzindo exposições existentes na vida moderna urbana. A medicalização gerada no cuidado clínico-sanitário reduz a autonomia relativa no manejo de sofrimentos, dores e adoecimentos; e produz dependência excessiva de ações profissionalizadas. O empoderamento individual e comunitário amplia a autonomia, e isso é um objetivo importante da PS. Quanto mais exitosa a PS, menor a medicalização; e quanto maior a medicalização, mais difícil a PS. A P4 converge com a PS por sua inibição da medicalização derivada da ação clínica. A PS visa também impactar determinantes gerais da saúde-doença. Isso, operacionalmente, a aproxima e por vezes a identifica com a prevenção redutiva. A P4 induz preferência relativa pela prevenção redutiva por ser mais segura e intensifica a atitude crítica para com a prevenção ‘aditiva’ - introdução de fatores protetores artificiais (vacinas, hipolipemiantes, rastreamentos). Assim, a prática da P4 converge operacionalmente com ações de PS. Conclusão: A P4 é convergente com a PS em dimensão microssocial - nos serviços de atenção primária à saúde (APS) - e macrossocial. A compreensão da interface da P4 com a PS facilita sua exploração, realçando a relevância da P4 no cuidado clínico e em ações coletivas na APS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Charles Dalcanale Tesser, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, SC

Médico pela Universidade Estadual de Campinas- UNICAMP (1991), com residência em Medicina Preventiva e Social pela UNICAMP (1993), especialização em Homeopatia pela Associação Paulista de Homeopatia (1997), mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (2004). Trabalhou 9 anos como médico generalista e sanitarista na atenção básica no interior paulista (zona rural) e 3 anos como generalista da Saúde da Família em Campinas/SP. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (desde 2006). Tem experiência na área de medicina, atenção primária e organização de serviços de atenção primária à saúde, especialmente na Estratégia Saúde da Família, com ênfase em gestão do trabalho de equipes de Saúde da Família, prática médica na atenção primária e medicinas alternativas e complementares nesse contexto. Tem trabalho de pesquisa e ensino na áreas de modelos assistenciais, organização de serviços e acolhimento na atenção primária, práticas e medicinas alternativas e complementares na atenção primária, prática médica e educação médica na atenção primária. Atualmente é bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq, docente da Residência em Medicina de Família e Comunidade da UFSC e preceptor do Internato Médico em Interação Comunitária da UFSC (estágios na atenção primária à saúde). Mais informações: Currículo Lattes

Referências

(1) Bentzen N. WONCA International Dictionary of General/Family Practice. Copenhagen: Maanedskift Lager; 2003.

(2) Starfield B, Hyde J, Gérvas J, Heath I. The concept of prevention: a good idea gone astray?. J Epidemiol Community Health. 2008;62(7):580-83. DOI: https://doi.org/10.1136/jech.2007.071027

(3) Jamoulle M. Quaternary prevention, an answer of family doctors to overmedicalization. Int J Health Policy. 2015 Fev;4(2):61-4. DOI: https://doi.org/10.15171/ijhpm.2015.24

(4) Depallens MA, Guimarães JMM, Almeida Filho N. Prevenção quaternária: um conceito relevante para a saúde pública? Uma análise bibliométrica e descritiva. Cad Saúde Pública. 2020;36(7):e00231819. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00231819

(5) Carta de Ottawa. In: Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde [Internet]. Ottawa, Canadá; 1986; [acesso em 2019 Dez 30]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/carta_ottawa.pdf

(6) Jamoulle M, Roland M, Bae J, Heleno B, Visentin G, Gusso GDF, et al. Ethical, pedagogical, socio-political and anthropological implications of quaternary prevention. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018 Jan;13(40):1-14.

(7) Fortune K, Becerra-Posada F, Buss PM, Galvão LA, Contreras A, Murphy M, et al. Health promotion and the agenda for sustainable development, WHO Region of the Americas. Bull WHO. 2018;96:621-6.

(8) Conrad P. The medicalization of society: on the transformation of human coditions into treatable disorders. Baltimore: The Johns Hopkins University Press; 2007.

(9) Rose G. Estratégias da medicina preventiva. Porto Alegre: Artmed; 2010.

(10) Tesser CD, Norman AH. Geoffrey Rose e o princípio da precaução: para construir a prevenção quaternária na prevenção. Interface (Botucatu). 2019;23:e180435. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/interface.180435

(11) Rose N. Beyond medicalisation. Lancet. 2007;369:700-1.

(12) Clarke AE, Mamo L, Fosket JR, Fishman JR, Shim JK. Biomedicalization: technoscience, health, and illness in the U.S. Durhan, NC: Duke University Press; 2010.

(13) Petryna A. Biological citizenship after Chernobyl. In: Hahn RA, Inborn M, eds. Anthropology and Public Health: bridging differences in culture and society. New York: Oxford University Press; 2009. p. 623-51.

(14) Illich I. A expropriação da saúde: nêmesis da medicina. São Paulo: Nova Fronteira; 1975.

(15) Canguilhem G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense-Universitária; 2002.

(16) Martins C, Godycki-Cwirko M, Heleno B, Brodersen J. Quaternary prevention: reviewing the concept. Eur J Gen Pract. 2018 Dez;24(1):106-11.

(17) Norman AH, Tesser CD. Quaternary prevention: a balanced approach to demedicalisation. Br J Gen Pract. 2019;69(678):28-9. DOI: https://doi.org/10.3399/bjgp19X700517

(18) Leavell H, Clark EG. Medicina preventiva. São Paulo: McGraw-Hill; 1976.

(19) Arouca S. O dilema preventivista. São Paulo: Editora UNESP; 2003.

(20) Tesser CD, Norman AH. Differentiating clinical care from disease prevention: a prerequisite for practicing quaternary prevention. Cad Saúde Pública. 2016;32(10):e00012316. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00012316

(21) Prado NMBL, Santos AM. Promoção da saúde na Atenção Primária à Saúde: sistematização de desafios e estratégias intersetoriais. Saúde Debate. 2018 Set;42(spe 1):379-95. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-11042018s126

(22) Carvalho SR. Os múltiplos sentidos da categoria “empowerment” no projeto de Promoção à Saúde. Cad Saúde Pública. 2004 Jul/Ago;20(4):1088-95. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000400024

(23) Carvalho SR, Gastaldo D. Promoção à saúde e empoderamento: uma reflexão a partir das perspectivas crítico-social pós-estruturalista. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(Supl 2):2029-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000900007

(24) Tesser CD. Introdução. In: Tesser CD, org. Medicalização social e atenção à saúde no SUS. São Paulo: Hucitec; 2010. p.11-33.

(25) Camargo Junior KR. Biomedicina, ciência e saber: uma abordagem crítica. São Paulo: Hucitec; 2003.

(26) Castiel LD, Álvarez-Dardet C. A saúde persecutória: os limites da responsabilidade. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2007.

(27) Tesser CD. Três considerações sobre a “má medicina”. Interface (Botucatu). 2009;13(31):273-86.

(28) Wilkinson RG, Pickett KE. The spirit level: why more equal societies almost always do better. London: Penguim; 2009.

(29) Pickett KE, Wilkinson RG. Income inequality and health: a causal review. Soc Sci Med. 2015 Mar;128:316-26. DOI: https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2014.12.031

(30) Sutherland RW, Fulton MJ. Health promotion. In: Sutherland RW, Fulton MJ, eds. Health care in Canada. Ottawa: Canadian Public Health Association (CPHA); 1992. p.161-81.

(31) Chor D, Faerstein E. Um enfoque epidemiológico da promoção da saúde: as idéias de Geoffrey Rose. Cad Saúde Pública. 2000 Jan;16(1):241-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2000000100025

Downloads

Publicado

2020-11-26

Como Citar

1.
Tesser CD. Convergências entre prevenção quaternária e promoção da saúde . Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 26º de novembro de 2020 [citado 13º de abril de 2021];15(42):2515. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2515

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa