Onde se graduam os Médicos de Família e Comunidade do Brasil?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2626

Palavras-chave:

Medicina de Família e Comunidade, Atenção Primária à Saúde, Educação de Graduação em Medicina, Faculdades de Medicina

Resumo

Pouco se sabe sobre as características da graduação médica dos Médicos de Família e Comunidade do Brasil. Objetivo: caracterizar as instituições de ensino superior (IES) onde se graduaram os médicos que se especializaram em medicina de família e comunidade no Brasil até 2018. Métodos: estudo descritivo baseado em dados secundários dos currículos Lattes de todos os MFCs que atuam no Brasil, compreendendo informações sobre o local e ano de graduação do médico.  Resultados: foram localizados os currículos de 4.065 (65,2%) dos 6.238 MFCs identificados, sendo que 3.889 (62,3%) registraram a IES na qual se graduaram em medicina. 3.769 (96,9%) MFCs se formaram em 169 IES brasileiras e 120 (3,1%) se formaram em 48 IES estrangeiras. A maioria dos MFC se graduaram em IES públicas (n=2.396; 63,8%), localizadas em cidades com mais de 100 mil habitantes (n=3.446; 96,7%) e nas regiões sul e sudeste do país. A região Sudeste concentrou as IES responsáveis pela graduação de mais de 45,0% dos MFCs. Todos os estados das regiões Nordeste, Centro-Oeste e Norte respondem, cada um, pela graduação de menos de 4,5% do total de MFCs do Brasil. As IES privadas ganharam maior importância na graduação de MFC a partir de 2008. Conclusão: a maior parte dos MFC que obtiveram seus títulos da especialidade no Brasil foram graduados em medicina no próprio país, em IES públicas localizadas nos grandes centros urbanos das regiões sul e sudeste do país, padrão que se assemelha ao da formação médica em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thiago Dias Sarti, Departamento de Medicina Social, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Vitória, Espírito Santo

É Professor Assistente do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES). Possui graduação em Medicina pela Escola de Medicina da Santa Casa de Misericordia de Vitória (2004). É especialista em Medicina de Família e Comunidade e em Gestão em Saúde pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É Mestre em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduacão em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). É Doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP).

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Referências

(1) Starfield B, Shi L, Macinko J. Contribution of primary care to health systems and health. Milbank Q. 2005; 83(3):457-502. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1468-0009.2005.00409.x

(2) Dussault G, Kawar R, Castro Lopes S, Campbell J. Building the primary health care workforce of the 21st century - Background paper to the Global Conference on Primary Health Care: From Alma-Ata Towards Universal Health Coverage and the Sustainable Development Goals. Geneva: World Health Organization; 2018.

(3) Ellner AL, Phillips RS. The coming primary care revolution. J Gen Intern Med. 2017;32(4):380–6. DOI: https://doi.org/10.1007/s11606-016-3944-3

(4) Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(2):327-38. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015212.23602015

(5) Alves MGM, Casotti E, Oliveira LGD, Machado MTC, Almeida PF, Corvino MPF, et al. Fatores condicionantes para o acesso às equipes da Estratégia Saúde da Família no Brasil. Saúde debate. 2014; 38(spe):34-51. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-1104.2014S004

(6) Mourão Netto JJ, Rodrigues ARM, Aragão OC, Goyanna NF, Cavalcante AES, Vasconcelos MAS, et al. Programa Mais Médicos e suas contribuições para a saúde no Brasil: revisão integrativa. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:e2. DOI: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.2

(7) Trindade TG, Batista SR. Medicina de Família e Comunidade: agora mais do que nunca! Ciênc. saúde coletiva. 2016;21(9):2667-2669. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.18862016

(8) Oliveira FP, Araújo CA, Torres OM, Figueiredo AM, Souza PA, Oliveira FA, et al. O Programa Mais Médicos e o reordenamento da formação da residência médica com enfoque na Medicina de Família e Comunidade. Interface (Botucatu). 2019;23(Suppl 1):e180008.

(9) Scheffer M. Programa Mais Médicos: em busca de respostas satisfatórias. Interface (Botucatu). 2015;19(54):637-670. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0245

(10) Yang Y, Li J, Wu X, Wang J, Li W, Zhu Y, et al. Factors influencing subspecialty choice among medical students: a systematic review and meta-analysis. BMJ Open. 2019;9:e022097. DOI: https://doi.org/10.1136/bmjopen-2018-022097

(11) Scheffer MC, Cassenote AJF, Guilloux AGA, Dal Poz MR. Internal migration of physicians who graduated in Brazil between 1980 and 2014. Hum Resour Health. 2018;16(1):21. DOI: https://doi.org/10.1186/s12960-018-0286-8

(12) Fontenelle LF, Rossi SV, Oliveira MHM, Brandão DJ, Sarti TD. Postgraduate education among family and community physicians in Brazil: the Trajetórias MFC project. Fam Med Community Health. 2020;8(3):e000321. DOI: https://doi.org/10.1136/fmch-2020-000321

(13) Oliveira BLCA, Lima SF, Pereira MUL, Pereira Júnior GA. Evolução, distribuição e expansão dos cursos de medicina no Brasil (1808-2018). Trab. educ. saúde. 2019;17(1):e0018317. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00183

(14) Scheffer M, Cassenote A, Guilloux AGA, Miotto BA, Mainardi GM, et al. Demografia Médica no Brasil 2018. São Paulo: FMUSP, CFM, Cremesp; 2018.

(15) Mendonça MHM, Matta GC, Gondim R, Giovanella L, organizadores. Atenção Primária à Saúde no Brasil: conceitos, práticas e pesquisa. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2018.

(16) Oliveira FP, Pinto HA, Figueiredo AM, Cyrino EG, Oliveira Neto AV, Rocha VXM. Programa Mais Médicos: avaliando a implantação do Eixo Formação de 2013 a 2015. Interface (Botucatu). 2019;23(Suppl 1):e170949.

(17) Dias HS, Lima LD, Teixeira M. A trajetória da política nacional de reorientação da formação profissional em saúde no SUS. Ciênc. saúde coletiva. 2013;18(6):1613-1624. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000600013

(18) Justino JLA, Oliver LL, Melo TP. Implantação do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2016;21(5):1471-1480. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.04342016

(19) Storti MMT, Oliveira FP, Xavier AL. A expansão de vagas de residência de Medicina de Família e Comunidade por municípios e o Programa Mais Médicos. Interface (Botucatu). 2017;21(Suppl 1):1301-1314. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0511

(20) Simas KBF, Gomes AP, Simões PP, Augusto DK, Siqueira-Batista R. A residência de Medicina de Família e Comunidade no Brasil: breve recorte histórico. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018;13(40):1-13. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1687

(21) Maciel Filho R. Estratégias para a distribuição e fixação de médicos em sistemas nacionais de saúde: o caso brasileiro [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2007.

(22) González Cárdenas LT, Cuesta Mejías L, Pérez Perea L, Presno Labrador MC, Fernández Díaz IE, Pérez Díaz TC, et al. El Programa del médico y enfermera de la familia: desarrollo del modelo de atención médica en Cuba. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:e31. DOI: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.31

(23) Arantes LJ, Shimizu HE, Merchán-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc. saúde coletiva. 2016;21(5):1499-1510. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.19602015

(24) Coelho GC, Antunes, VH, Oliveira A. A prática da Medicina de Família e Comunidade no Brasil: contexto e perspectivas. Cadernos Saúde Pública. 2019;35(1):e00170917. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00170917

(25) Ono T, Schoenstein M, Buchan J. Geographic imbalances in doctor supply and policy responses. Paris: OECD Publishing; 2014. (OECD Health Working Papers 69).

(26) Russo LX, Scott A, Sivey P, Dias J. Primary care physicians and infant mortality: evidence from Brazil. PLoS One. 2019;14(5):e0217614. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0217614

(27) Basu S, Berkowitz SA, Phillips RL, Bitton A, Landon BE, Phillips RS. Association of Primary Care Physician Supply With Population Mortality in the United States, 2005-2015. JAMA Intern Med. 2019;179(4):506-514. DOI: https://doi.org/10.1001/jamainternmed.2018.7624

(28) Vallejo-Torres L, Morris S. Primary care supply and quality of care in England. Eur J Health Econ. 2018;19(4):499–519. DOI: https://doi.org/10.1007/s10198-017-0898-2

Downloads

Publicado

2021-04-06

Como Citar

1.
Dias Sarti T, Leonardo Ferreira Fontenelle, Bruno Luciano Carneiro Alves de Oliveira, Stephani Vogt Rossi, Miguel Henrique Moraes de Oliveira, Ana Paula Santana Coelho Almeida. Onde se graduam os Médicos de Família e Comunidade do Brasil?. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 6º de abril de 2021 [citado 10º de abril de 2021];16(43):2626. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2626

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa