Atuação da Estratégia Saúde da Família e do Núcleo de Apoio à Saúde da Família no uso racional de medicamentos em Rio Fortuna, em Santa Catarina

Fabio Tetsuo Omomo, Tiago Michels Bechtold

Resumo


A atenção farmacêutica tem sido foco de grande preocupação principalmente no que diz respeito ao uso correto de medicamentos, automedicação, intoxicações, interações medicamentosas e efeitos adversos danosos à população. O presente trabalho teve como objetivo geral avaliar o uso racional de medicamentos junto à população de abrangência das equipes de saúde da família do município de Rio Fortuna, em Santa Catarina. Os objetivos específicos foram: informar a população sobre o problema do uso e abuso de medicamentos; avaliar a aceitação do debate sobre o tema; identificar polifarmácia domiciliar e o risco de abuso ou intoxicação medicamentosa, bem como servir de educação permanente em saúde aos trabalhadores do setor, e recolher medicamentos ociosos. Este é um estudo descritivo, transversal, quantiqualitativo, com dados coletados em inquérito domiciliar realizado por Agentes Comunitários de Saúde, além da realização de metodologia de educação permanente em saúde por meio de palestras e orientações do uso racional de medicamentos aplicados tanto para a equipe de saúde quanto à população. Foram realizadas 1.054 visitas a domicílios, sendo identificadas 185 famílias de risco quanto à presença de polifarmácia domiciliar. A média do consumo de medicamentos na população geral foi de dois a três comprimidos/habitante/dia, enquanto que, nas famílias em que havia polifarmácias, o consumo passou de nove a dez comprimidos por morador, por dia. Foram realizadas também 13 palestras educativas, ao final das quais aplicou-se questionário avaliativo da importância deste trabalho, no qual 98% dos participantes acharam importante a sua realização, 94% manifestaram que se sentiram mais informados a respeito do uso racional de medicamentos e 50% já praticaram a automedicação. Por meio deste trabalho, pode ter-se a percepção real da necessidade que a população tem do tratamento medicamentoso, muitas vezes sem orientação profissional e o limitado conhecimento dos riscos da automedicação e dos perigos das interações medicamentosas. Além disso, percebe-se que a atuação multiprofissional na atenção em saúde é essencial para o constante aprimoramento do cuidado da saúde e o entendimento de que a educação permanente em saúde, tanto dos profissionais quanto da população e da gestão setorial, pode promover grandes mudanças no paradigma assistencial.

Palavras-chave


Medicamentos; Polifármacos; Assistência Domiciliar; Saúde da Família

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Política Nacional de Medicamentos [Informe Técnico Institucional]. Rev Saúde Pública [Internet]. 2000 [acesso em 2011 Mar 18]; 34(2): 206-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v34n2/1960.pdf

Alves TNP. Política Nacional de Medicamentos: análise a partir do contexto, conteúdo e processos envolvidos [Tese]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro [Internet]; 2009 [acesso em 14 Mar 2011]; 189p. Disponível em: http://www.tesesims.uerj.br/lildbi/docsonline/pdf/alves_terezinha.pdf

Pelicioni AF. Padrão de consumo de medicamentos em duas áreas da Região Metropolitana de São Paulo, 2001-2002 [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Publica; Departamento de Epidemiologia; 2005. 104 p.

Oliveira MA, Bermudez JAZ, Osório-de-Castro CGS. Assistência farmacêutica e acesso a medicamentos. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2007. 112 p.

WHO. Global partnerships for health. WHO Drug Information. 1999; 13(2): 61-4. [Acesso em 2011 Abr 14]. Disponível em: http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s14172e/s14172e.pdf

Aquino DS. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciênc. saúde coletiva [periódico na Internet]. 2008 [acesso em 2011 Abr 14]; 13(supl):733-6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000700023&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000700023.

Fernandes LC. Caracterização e análise da farmácia caseira ou estoque domiciliar de medicamentos [resumo de dissertação] [Internet]. Porto Alegre: Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2000 [acesso em 2011 Mar 20]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/farmacia/cadfar/v17n1/resumos/cadfarv17n1P46.html

Ribeiro MA, Heineck I. Estoque domiciliar de medicamentos na comunidade ibiaense acompanhada pelo Programa Saúde da Família, em Ibiá-MG, Brasil. Saúde Soc [Internet]. 2010 [acesso em 2011 Mar 20]; 19(3): 653-63. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v19n3/16.pdf. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000300016

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de assistência Farmacêutica e de Insumos Estratégicos. Formulário Terapêutico Nacional 2008- Rename 2006. 1a edição (série B. Textos Básicos em saúde). Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2008. 897p.

Carvalho MFC. A polifarmácia em idosos no Município de São Paulo - Estudo SABE - saúde, bem-estar e envelhecimento [dissertação]. São Paulo: Escola de Saúde Pública; 2007. 195 p.

Ferreira MBC. Uso Racional de Medicamentos [apresentação do I Congresso Brasileiro de Uso Racional de Medicamentos]. Departamento de Farmacologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul [Internet]. Porto Alegre; 2005 [acesso em 2011 Mar 14]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/divulga/eventos/propaganda_medicamentos/seminarios/regional_sul/uso_racional_medicamentos.pdf

Flores LM, Mengue SS. Uso de medicamentos por idosos em região do sul do Brasil. Rev Saúde Pública [Internet]. 2005; 39(6): 924-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v39n6/26987.pdf http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000600009

Vilarino JF, Soares IC, Silveira CM, Rödel APP, Bortoli R, Lemos RR. Perfil da automedicação em município do Sul do Brasil. Rev Saúde Pública [Internet]. 1998[acesso em: 2011 Mar 14]; 32(1): 43-9. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v32n1/2390.pdf http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101998000100006

CIT/SC. Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina [Internet]. Estatísticas Gerais e Anuais, do período de maio de 1984 a dezembro de 2010. [acesso em 2011 Mar 14]. Disponível em: www.cit.sc.gov.br.

Silva JA. O agente comunitário de saúde do projeto QUALIS: agente institucional ou agente de comunidade [Tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2001. 231f.

Teixeira JJ, Lefèvre F. A prescrição medicamentosa sob a ótica do paciente idoso. Rev Saúde Pública. 2001; 35(2): 207-13. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102001000200016

Hanlon JT, Schmader KE, Ruby CM, Weinberger M. Suboptimal prescribing in older inpatients and outpatients. J Am Geriatr Soc [Internet]. 2001 [acesso em 2011 Mar 14]; 49(2): 200-9. Disponível em: https://courses.washington.edu/pharm550/Week1/reading%20wk1%20Hanlon%20Schmaeder.pdf. http://dx.doi.org/10.1046/j.1532-5415.2001.49042.x

Marin MJS, Rodrigues LCR, Druzian S, Cecílio LCO. Diagnósticos de enfermagem de idosos que utilizam múltiplos medicamentos. Rev Esc Enferm [Internet]. 2010 [acesso 2011 Mar 18]; 44(1): 47-52. Extraído do projeto "Os idosos precisam de cuidados especiais: uma proposta para planejamento das ações em uma Unidade de saúde da Família"; 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n1/a07v44n1.pdf http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000100007




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(21)283

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia