Perfil dos hipertensos da Unidade de Saúde da Família Cidade Nova 8, município de Ananindeua-PA

Leidian Coelho de Freitas, Gizele Moreira Rodrigues, Fernando Costa Araújo, Elias Bruno Santana Falcon, Narjara Fontes Xavier, Edna Lamar da Costa Lemos, Carla Andréa Avelar Pires

Resumo


A Hipertensão Arterial é um grave problema de saúde pública pela sua alta prevalência e morbimortalidade. Neste sentido, medidaspreventivas e corretivas são essenciais para o controle de agravos. Esta pesquisa teve como objetivo caracterizar o perfil clínicoepidemiológicodos hipertensos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família do município de Ananindeua, Pará. O estudo foi do tipoobservacional, transversal, descritivo e de natureza quantitativa. A coleta de dados foi realizada por meio da aplicação de um questionárioem visitas domiciliares. A amostra foi de 124 hipertensos, sendo 70,16% idosos (idade média de 64,9 anos); 66,13% mulheres; 54,84%casados; 77,42% pardos; 39,52% possuem o ensino fundamental incompleto; 34,68% pertencem à segmentação econômica C2,equivalente a R$ 933,00; 34,68% estavam com a pressão controlada. Entre os problemas de saúde relatados, destacam-se inchaço/dores nas pernas (41,13%); diabetes (33,06%); dislipidemia (33,06%). O IMC médio foi de 27,84, e observou-se associação significativaentre tabagismo e aumento dos níveis de pressão arterial. Os resultados sugerem a necessidade de se implementar ações de promoçãoà saúde, direcionadas para a educação na prevenção dos fatores de risco.


Palavras-chave


Hipertensão Arterial; Programa Saúde da Família; Fatores de Risco; Atenção Primária à Saúde; Epidemiologia

Texto completo:

PDF/A

Referências


Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1): 1-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2010001700001

Magalhães MEC, Brandão AA, Pozzan R, Campana EMG, Fonseca FL, Pizzi OL, et al. Prevenção da hipertensão arterial: para quem e quando começar? Rev Bras Hipertens. 2010; 17(2):93-97.

Baldissera VDA, Carvalho MDB, Pelloso SM. Adesão ao tratamento não-farmacológico entre hipertensos de um centro de saúde escola. Rev Gaúcha Enferm. 2009; 30 (1): 27-32. PMid:19653552.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde. Brasília; 2006.

Gomes TJO, Silva MVR, Santos AA. Controle da pressão arterial em pacientes atendidos pelo programa Hiperdia em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Bras Hipertens. 2010; 17(3): 132-139.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS – DATASUS. Sistemas de Informação HIPERDIA [online] [acesso em 2001 Ago 22]. Disponível em: http://www.2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=01

Sales CM, Tamaki EM. Adesão às medidas de controle da hipertensão arterial sistêmica: o comportamento do hipertenso. Cogitare Enferm. 2007; 12(2):157-63.

Pacheco JJ, Palheta MOV, Costa Junior RMF, Costa SV, Tostes WS. Estatística Municipal: Ananindeua. Governo do Estado do Pará [online]. Secretaria de Planejamento, Orçamento e Finanças, 2011 [acesso em 2001 Out 25]. Disponível em: http://iah.iec.pa.gov.br/iah/fulltext/georeferenciamento/ananindeua.pdf

World Health Organization – WHO. Diet, nutrition, and the prevention of chronic diseases. Geneva: World Health Organization; 1990. (WHO Technical Report Series, 797).

World Health Organization – WHO. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: World Health Organization; 1995.

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010. 3 ed. Itapevi: AC Farmacêutica; 2009.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil 2010 [online]. [acesso em 2001 Ago 22]. Disponível em: http://www.abep.org/novo/Content.aspx?ContentID=302

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Normas de pesquisa envolvendo seres humanos: Res. CNS 196/96. Bioética. 1996; 4(2 Supl):15-25.

LimaTM, Meiners MMMA, Soler O. Perfil de adesão ao tratamento de pacientes hipertensos atendidos na Unidade Municipal de Saúde de Fátima, em Belém, Pará, Amazônia, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde 2010; 1(2):113-120;

Oliveira EA, Bubach S, Flegeler DS. Perfil de hipertensos em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Enferm UERJ. 2009; 17(3):383-7.

Sala A, Nemes Filho N, Eluf-Neto J. Avaliação da efetividade do controle da hipertensão arterial em unidade básica de saúde. Rev Saude Publica. 1996; 30(2):161-7. PMid:9077015. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101996000200008

Lima-Costa Mf, Barreto Sm, Giatti L. Condições de saúde, capacidade funcional, uso de serviços de saúde e gastos com medicamentos da população idosa brasileira: um estudo descritivo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3): 745-757. PMid:12806478. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300006

Lewington S, Clarke R, Qizilbash N, Peto R, Collins R. Prospective Studies Collaboration: age-specific relevance of usual blood pressure to vascular mortality: a meta-analysis of individual data for one million adults in 61 prospective studies. Lancet. 2002; 360 (6): 1903-13. PMid:12493255.

Serafim TS, Jesus ES, Pierin AMG. Influência do conhecimento sobre o estilo de vida saudável no controle de pessoas hipertensas. Acta Paul Enferm. 2010; 23(5):658-64. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000500012

Girotto E, Andrade SM, Cabrera MAS, Ridão EG. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em hipertensos cadastrados em unidade de saúde da família. Acta Sci,Sci Health 2009; 31(1):77-82.

Porto CC, Porto AL. Semiologia Médica. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009. 768p.

Costa MFFL, Peixoto SV, César CC, Malta DC, Moura EC. Comportamentos em saúdeentre idosos hipertensos, Brasil, 2006. Rev Saúde Pública. 2009; 43(Supl 2):18-26. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000900004

Rosemberg J. Nicotina Droga Universal. INCA; 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc7(22)288

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia