Perfil dos hipertensos da Unidade de Saúde da Família Cidade Nova 8, município de Ananindeua-PA

  • Leidian Coelho de Freitas Acadêmica de Nutrição, Universidade Federal do Pará (UFPA). Membro do PET-Saúde/Ananindeua.
  • Gizele Moreira Rodrigues Acadêmica de Enfermagem, Universidade Federal do Pará. Membro do PET-Saúde/Ananindeua
  • Fernando Costa Araújo Acadêmico de Medicina, Universidade Federal do Pará. Membro do PET-Saúde/Ananindeua
  • Elias Bruno Santana Falcon Acadêmico de Medicina, Universidade Federal do Pará. Membro do PET-Saúde/Ananindeua
  • Narjara Fontes Xavier Acadêmica de Medicina, Universidade Federal do Pará. Membro do PET-Saúde/Ananindeua
  • Edna Lamar da Costa Lemos Enfermeira, Prefeitura Municipal de Ananindeua. Preceptora do PET-Saúde/Ananindeua.
  • Carla Andréa Avelar Pires Médica, Universidade Federal do Pará. Coordenadora do PET-Saúde/Ananindeua
Palavras-chave: Hipertensão Arterial, Programa Saúde da Família, Fatores de Risco, Atenção Primária à Saúde, Epidemiologia

Resumo

A Hipertensão Arterial é um grave problema de saúde pública pela sua alta prevalência e morbimortalidade. Neste sentido, medidaspreventivas e corretivas são essenciais para o controle de agravos. Esta pesquisa teve como objetivo caracterizar o perfil clínicoepidemiológicodos hipertensos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família do município de Ananindeua, Pará. O estudo foi do tipoobservacional, transversal, descritivo e de natureza quantitativa. A coleta de dados foi realizada por meio da aplicação de um questionárioem visitas domiciliares. A amostra foi de 124 hipertensos, sendo 70,16% idosos (idade média de 64,9 anos); 66,13% mulheres; 54,84%casados; 77,42% pardos; 39,52% possuem o ensino fundamental incompleto; 34,68% pertencem à segmentação econômica C2,equivalente a R$ 933,00; 34,68% estavam com a pressão controlada. Entre os problemas de saúde relatados, destacam-se inchaço/dores nas pernas (41,13%); diabetes (33,06%); dislipidemia (33,06%). O IMC médio foi de 27,84, e observou-se associação significativaentre tabagismo e aumento dos níveis de pressão arterial. Os resultados sugerem a necessidade de se implementar ações de promoçãoà saúde, direcionadas para a educação na prevenção dos fatores de risco.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1): 1-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2010001700001

Magalhães MEC, Brandão AA, Pozzan R, Campana EMG, Fonseca FL, Pizzi OL, et al. Prevenção da hipertensão arterial: para quem e quando começar? Rev Bras Hipertens. 2010; 17(2):93-97.

Baldissera VDA, Carvalho MDB, Pelloso SM. Adesão ao tratamento não-farmacológico entre hipertensos de um centro de saúde escola. Rev Gaúcha Enferm. 2009; 30 (1): 27-32. PMid:19653552.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde. Brasília; 2006.

Gomes TJO, Silva MVR, Santos AA. Controle da pressão arterial em pacientes atendidos pelo programa Hiperdia em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Bras Hipertens. 2010; 17(3): 132-139.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS – DATASUS. Sistemas de Informação HIPERDIA [online] [acesso em 2001 Ago 22]. Disponível em: http://www.2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=01

Sales CM, Tamaki EM. Adesão às medidas de controle da hipertensão arterial sistêmica: o comportamento do hipertenso. Cogitare Enferm. 2007; 12(2):157-63.

Pacheco JJ, Palheta MOV, Costa Junior RMF, Costa SV, Tostes WS. Estatística Municipal: Ananindeua. Governo do Estado do Pará [online]. Secretaria de Planejamento, Orçamento e Finanças, 2011 [acesso em 2001 Out 25]. Disponível em: http://iah.iec.pa.gov.br/iah/fulltext/georeferenciamento/ananindeua.pdf

World Health Organization – WHO. Diet, nutrition, and the prevention of chronic diseases. Geneva: World Health Organization; 1990. (WHO Technical Report Series, 797).

World Health Organization – WHO. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: World Health Organization; 1995.

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010. 3 ed. Itapevi: AC Farmacêutica; 2009.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil 2010 [online]. [acesso em 2001 Ago 22]. Disponível em: http://www.abep.org/novo/Content.aspx?ContentID=302

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Normas de pesquisa envolvendo seres humanos: Res. CNS 196/96. Bioética. 1996; 4(2 Supl):15-25.

LimaTM, Meiners MMMA, Soler O. Perfil de adesão ao tratamento de pacientes hipertensos atendidos na Unidade Municipal de Saúde de Fátima, em Belém, Pará, Amazônia, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde 2010; 1(2):113-120;

Oliveira EA, Bubach S, Flegeler DS. Perfil de hipertensos em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Enferm UERJ. 2009; 17(3):383-7.

Sala A, Nemes Filho N, Eluf-Neto J. Avaliação da efetividade do controle da hipertensão arterial em unidade básica de saúde. Rev Saude Publica. 1996; 30(2):161-7. PMid:9077015. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101996000200008

Lima-Costa Mf, Barreto Sm, Giatti L. Condições de saúde, capacidade funcional, uso de serviços de saúde e gastos com medicamentos da população idosa brasileira: um estudo descritivo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3): 745-757. PMid:12806478. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300006

Lewington S, Clarke R, Qizilbash N, Peto R, Collins R. Prospective Studies Collaboration: age-specific relevance of usual blood pressure to vascular mortality: a meta-analysis of individual data for one million adults in 61 prospective studies. Lancet. 2002; 360 (6): 1903-13. PMid:12493255.

Serafim TS, Jesus ES, Pierin AMG. Influência do conhecimento sobre o estilo de vida saudável no controle de pessoas hipertensas. Acta Paul Enferm. 2010; 23(5):658-64. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000500012

Girotto E, Andrade SM, Cabrera MAS, Ridão EG. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em hipertensos cadastrados em unidade de saúde da família. Acta Sci,Sci Health 2009; 31(1):77-82.

Porto CC, Porto AL. Semiologia Médica. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009. 768p.

Costa MFFL, Peixoto SV, César CC, Malta DC, Moura EC. Comportamentos em saúdeentre idosos hipertensos, Brasil, 2006. Rev Saúde Pública. 2009; 43(Supl 2):18-26. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000900004

Rosemberg J. Nicotina Droga Universal. INCA; 2007.

Publicado
2012-01-18
Como Citar
Freitas, L. C. de, Rodrigues, G. M., Araújo, F. C., Falcon, E. B. S., Xavier, N. F., Lemos, E. L. da C., & Pires, C. A. A. (2012). Perfil dos hipertensos da Unidade de Saúde da Família Cidade Nova 8, município de Ananindeua-PA. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 7(22), 13-19. https://doi.org/10.5712/rbmfc7(22)288
Seção
Artigos de Pesquisa