AMQ e POA: diferenças e semelhanças na avaliação da Estratégia de Saúde da Família

Camila Ament Giuliani dos Santos Franco, Nilza Teresinha Faoro, Maria Terumi Maruyama Kami, Ademar Cezar Volpi

Resumo


Introdução: Instituída pelo Ministério da Saúde (MS), a Avaliação para Melhoria da Qualidade (AMQ) é um instrumento de avaliação e aperfeiçoamento das equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF). A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba conta, desde 2002, com o Plano Operativo Anual (POA) que é uma estratégia de gestão voltada para resultados, aprimoramento, planejamento e avaliação. Este instrumento é composto por 81 indicadores. Assim, o município do estudo conta com duas formas de avaliação de qualidade em todas as suas Unidades de Saúde da Família. O objetivo deste trabalho foi analisar as concordâncias e discordâncias entre o POA e o AMQ nos programas da saúde da criança, adolescente, mulher, diabéticos, hipertensos e saúde mental. Metodologia: Participaram do estudo 12 equipes de Saúde da Família. Para realizar a comparação foram levantados os indicadores que estavam presentes tanto no AMQ (instrumento cinco) quanto no POA-2010. Após as comparações foram realizadas porcentagens simples e análise das discordâncias. Resultados: Ao total, 28 indicadores estavam presentes tanto na AMQ como no POA. No geral houve concordância de respostas em 53,6%. Na avaliação da AMQ, 82% das respostas foram consideradas totalmente adequadas para o item avaliado, enquanto na avaliação realizada pelo POA este índice caiu para 46,4%. Conclusão: Observou-se discordância entre os itens comparados da AMQ e do POA. Alguns fatores podem ser responsáveis pela discordância entre eles: a utilização de dados recuperados automaticamente através das ações registradas pela equipe no prontuário eletrônico no POA e a obrigatoriedade da sua realização. Além disso, a realização facultativa da AMQ e a não parametrização das respostas (SIM x NÃO) podem contribuir para a divergência das respostas.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Avaliação; Saúde da Família

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Campos CEA. Estratégias de avaliação e melhoria contínua da qualidade no contexto da Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2005; 5(suppl.1): [online] [acesso em 2011 Abr. 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292005000500007&lng=en&nrm=iso. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292005000500007

Felisberto E. Monitoramento e avaliação na atenção básica: novos horizontes. Rev Bras Saude Mater Infant. 2004; 4(3):[online] [acesso em 2011 Abr. 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292004000300012&lng=en&nrm=iso. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292004000300012

Silva JM, Caldeira AP. Avaliação para melhoria da qualidade da estratégia saúde da família e a qualificação profissional.TrabEduc Saúde. 2011; 9(1):[online] [acessoem 2011 Jun. 15]. Disponívelem: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462011000100007&lng=en&nrm=iso. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462011000100007

Ducci, L. Curitiba firma contrato de gestão com metas para a saúde. Rev Bras Saúde Fam. 2007; 14: 48-57.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Avaliação para melhoria da qualidade da Estratégia Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Avaliação para melhoria da qualidade da estratégia saúde da família. Brasilia: Ministério da Saúde; 2005. 6 v. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Portugal. Ministério da Saúde. Cuidados de Saúde Primário. O processo de auto diagnóstico: metodologia e critérios do autodiagnóstico quantitativo – MoniQuor adaptado às USF – e qualitativo – fichas reservas do MoniQuor USF – na avaliação das pré-candidaturaa a modelo B [online]. Lisboa; 2007. Disponívelem:http//www.mcsp.min-saude.pt/engine.php?cat=46

Trad LAB, Rocha AARM. Condições e processo de trabalho no cotidiano do Programa Saúde da Família: coerência com princípios da humanização em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(3): [online] [acesso em 2011 Jun 16]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000300031&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000300031




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(22)298

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2012 Camila Ament Giuliani dos Santos Franco, Nilza Teresinha Faoro, Maria Terumi Maruyama Kami, Ademar Cezar Volpi

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia