Rastreio e associações ao câncer cervical

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2992

Palavras-chave:

Ginecologia, Displasia do Colo do Útero, Assistência Integral à Saúde, Risco Moral no Setor de Saúde Suplementar, Administração em Saúde Pública.

Resumo

Introdução: De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA) a estimativa de novos casos de câncer do colo do útero (CCU) para o Estado do Espírito Santo, no triênio 2020-2022, é de 11,65 por 100.000 habitantes. Objetivos: Traçar o perfil clínico-epidemiológico das usuárias do serviço de atenção integral à saúde da mulher da policlínica da Universidade Vila Velha (UVV), a partir dos determinantes da consulta ginecológica, e correlacionar aos achados citológicos e histológicos. Métodos: Estudo de corte transversal, observacional e retrospectivo envolvendo 590 prontuários de pacientes, atendidas entre fevereiro de 2011 e julho de 2016 no serviço de atenção integral à saúde da mulher na policlínica/UVV. Resultados: A média de idade das mulheres incluídas nesse estudo foi de 39,5 anos (DP± 16,2). Os fatores de risco como estado civil e tempo de relacionamento conjugal, multiparidade, e uso de contraceptivos hormonais orais foram associados a maior chance de CCU. Associação estatística da variável idade não evidenciou risco de CCU. Conclusões: Os resultados vão de acordo com os preconizados pelo INCA e Ministério da Saúde. Isso reforça a importância da rastreabilidade na atenção primária e os fatores que interferem na mesma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Amine Selim de Salles Gonçalves Melado, Universidade Vila Velha (UVV), Vila Velha,

Estudante de graduação em Medicina pela Universidade de Vila Velha - ES.

Icaro Borges de Oliveira, Universidade Vila Velha (UVV), Vila Velha,

Estudante de graduação em Medicina pela Universidade de Vila Velha - ES.

Filipe Alvarenga Caetano Vitorino, Universidade Vila Velha (UVV), Vila Velha,

Estudante de graduação em Medicina pela Universidade de Vila Velha - ES.

Janinne Fachetti Rocha, Universidade Vila Velha (UVV), Vila Velha,

Estudante de graduação em Medicina pela Universidade de Vila Velha - ES.

Gustavo Enrico Cabral Ruschi, Universidade Vila Velha (UVV), Vila Velha,

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Espírito Santo (1991) com Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, São Paulo (1992-93). Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (Escola Paulista de Medicina). Doutor em Saúde Coletiva (área de concentração Epidemiologia) pela Universidade Federal do Espírito Santo; Experiência na área de Medicina, com ênfase em Ginecologia, Obstetrícia e Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia e Saúde Pública; professor Titular I do Curso de Medicina da Universidade Vila Velha (UVV) atuando como coordenador de Tutorias; Coordenador da disciplina Reprodução e Sexualidade; coordenador do Estágio Supervisionado (internato) em Ginecologia e Obstetrícia; atua como médico ginecologista e obstetra no Instituto Estadual de Saúde Pública (IESP), no Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Vitória, na Prefeitura Municipal de Vitória (Apoio Matricial em Saúde da Mulher à Estratégia de Saúde da Família) e em consultório particular, no estado do Espírito Santo

Waleska Souza Reisman, Universidade Vila Velha (UVV), Vila Velha,

Supervisora dos Mais Medicos, experiência com ênfase na área de Medicina de Família e Comunidade e especialização em Ginecologia e sexualidade Humana

Referências

(1) International Agency of Research on Cancer (IARC). ICO/IARC Information Centre on HPV and Cancer. Brazil human papillomavirus and related cancers, fact sheet [Internet]. Lyon: IARC; 2019; [acesso em ANO Jun 17]. Disponível em: https://hpvcentre.net/statistics/reports/BRA_FS.pdf

(2) Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes Da Silva (INCA). Parâmetros técnicos para o rastreamento do câncer do colo do útero [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2019. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//parametros_tecnicos_colo_do_utero_2019.pdf

(3) Haverkos HW, Haverkos GP, O’Mara M. Co-carcinogenesis: human papillomaviruses, coal tar derivatives, and squamous cell cervical cancer. Front Microbiol. 2017 Out;8:2253. DOI: https://doi.org/10.3389/fmicb.2017.02253

(4) Nakagawa JTT, Schirmer J, Barbieri M. Vírus HPV e câncer de colo de útero. Rev Bras Enferm. 2010;63(2):307-11.

(5) Anttila A, Von Karsa L, Aasmaa A, Fender M, Patnick J, Rebolj M, et al. Cervical cancer screening policies and coverage in Europe. Eur J Cancer. 2009 Oct;45(15):2649-58. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ejca.2009.07.020

(6) Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes Da Silva (INCA). Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2016. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/estimativa/2018/estimativa-2018.pdf

(7) Melo SCC, Prates L, Carvalho MDB, Marcon SS, Pelloso SM. Alterações citopatológicas e fatores de risco para a ocorrência do câncer de colo uterino. Rev Gaúcha Enferm Online. 2009 Dez;30(4):602-8. DOI: https://doi.org/10.1590/S1983-14472009000400004

(8) Silva ML, Nunes JSS, Oliveira KS, Leite TAS. Conhecimento de mulheres sobre câncer de colo do útero: uma revisão integrativa. Braz J Health Rev. 2020;3(4):7263-75. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n4-005

(9) Palefsky JM, Hirsch MS, Bloom A. Human papillomavirus infections: epidemiology and disease associations [Internet]. Waltham: UpToDate; 2018. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/human-papillomavirus-infections-epidemiology-and-disease-associations

(10) International Collaboration of Epidemiological Studies of Cervical Cancer. Cervical carcinoma and sexual behavior: collaborative reanalysis of individual data on 15,461 women with cervical carcinoma and 29,164 women without cervical carcinoma from 21 epidemiological studies. Cancer Epidemiol Biomark Prev. 2009 Apr;18(4):1060-9. DOI: https://doi.org/10.1158/1055-9965.EPI-08-1186

(11) International Collaboration of Epidemiological Studies of Cervical Cancer. Cervical cancer and hormonal contraceptives: collaborative reanalysis of individual data for 16,573 women with cervical cancer and 35,509 women without cervical cancer from 24 epidemiological studies. Lancet. 2007 Nov;370(9599):1609-21. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(07)61684-5

(12) Lemos ARM, Silva MS, Segati KD. Lesão de alto grau e carcinoma escamoso: um estudo de prevalências em pacientes atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade de Anápolis, GO, Brasil. RBAC. 2017;49(2):152-7. DOI: https://doi.org/10.21877/2448-3877.201600494

(13) Alves JF, Oliveira WLS, Mendonça BOM, Oliveira VCC, Nogueira DS, Barros EJ, et al. Exame colpocitológico (papanicolau): O conhecimento das mulheres sobre o preventivo no combate do câncer de colo do útero. Rev Faculdade Montes Belos (FMB). 2016; [citado ANO Mês dia]; 9(2):125-41. Disponível em: http://revista.fmb.edu.br/index.php/fmb/article/view/228/205

(14) Lima WF, Barbosa SLF, Oliveira GAL. Profile of gynecological cytopathology exams carried out in a north Piauí clinic: documental analysis. Res Soc Dev. 2020;9(7):e325974440. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4440

(15) Silva RCG, Silva ACO, Peres AL, Oliveira SR. Perfil de mulheres com câncer de colo do útero atendidas para tratamento em centro de oncologia. Rev Bras Saude Mater Infant. 2018 Out/Dez;18(4):695-702. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-93042018000400002

(16) Muñoz N, Franceschi S, Bosetti C, Moreno V, Herrero R, Smith JS, et al. Role of parity and human papillomavirus in cervical cancer: the IARC multicentric case-control study. Lancet. 2002 Mar;359(9312):1093-101. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(02)08151-5

(17) Smith JS, Green J, Gonzalez AB, Appebly P, Peto J, Plummer M, et al. Cervical cancer and use of hormonal contraceptives: a systematic review. Lancet. 2003 Apr;361(9364):1159-67. DOI: https://doi.org/10.1016/s0140-6736(03)12949-2

(18) Uchimura NS, Ribalta JCL, Focchi J, Baracat EC, Uchimura TT. Influência do uso de anticoncepcionais hormonais orais sobre o número de células de Langerhans em mulheres com captura híbrida negativa para papilomavírus humano. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005 Dez;27(12):726-30. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-72032005001200004

(19) Monteiro DLM, Trajano AJB, Silva KS, Russomano FB. Pre-invasive cervical disease and uterine cervical cancer in Brazilian adolescents: prevalence and related factors. Cad Saúde Pública. 2006 Dez;22(12):2439-48. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006001200004

(20) Oliveira GR, Vieira VC, Barral MFM, Döwich V, Soares MA, Conçalves CV, et al. Fatores de risco e prevalência da infecção pelo HPV em pacientes de Unidades Básicas de Saúde e de um Hospital Universitário do Sul do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013 Mai;35(5):226-32. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-72032013000500007

Downloads

Publicado

2021-09-26

Como Citar

1.
Melado AS de SG, Oliveira IB de, Vitorino FAC, Rocha JF, Ruschi GEC, Reisman WS, Szpilman ARM. Rastreio e associações ao câncer cervical. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 26º de setembro de 2021 [citado 17º de outubro de 2021];16(43):2992. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2992

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa