Avaliação dos produtos alimentícios adquiridos por adultos com obesidade e o grau de processamento dos alimentos

Autores

  • Clara Sandra de Araújo Sugizaki Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Nutrição – Goiânia (GO), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5786-027X
  • Ana Tereza Vaz de Souza Freitas Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Nutrição – Goiânia (GO), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6785-3433
  • Adriana Luz Martins Sagno Centro Universitário Brasília de Goiás – São Luís de Montes Belos (GO), Brasil.
  • Raquel Machado Schincaglia Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Nutrição – Goiânia (GO), Brasil.
  • Ida Helena Carvalho Francescantonio Menezes Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Nutrição – Goiânia (GO), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4214-7206
  • Lucilene Maria de Sousa Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Nutrição – Goiânia (GO), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3030

Palavras-chave:

Obesidade, Atenção básica, Promoção da Saúde, Assistência alimentar.

Resumo

Introdução: O aumento da obesidade está relacionado a mudanças no padrão de aquisição e de consumo de produtos alimentícios ultraprocessados em detrimento de alimentos in natura e minimamente processados. O objetivo do presente estudo foi investigar a prevalência de obesidade em um território adstrito à Unidade Básica de Saúde, em município de pequeno porte, e avaliar os produtos alimentícios adquiridos pelos indivíduos com obesidade de acordo com o grau de processamento. Métodos: Estudo analítico transversal dividido em duas etapas. Na primeira, foi investigado o índice de massa corporal (IMC) de 533 indivíduos da cidade de pequeno porte. Selecionou-se 60 indivíduos para a segunda etapa, em que foram investigados determinantes do perfil nutricional, tais como aquisição de alimentos e gasto com alimentação. Resultados: Na primeira etapa, foi encontrada a prevalência de 30,39% de obesidade. Na segunda, não houve diferença significativa na aquisição de alimentos por grau de processamento. No entanto, chama atenção a quantidade adquirida de processados e ultraprocessados. Mais de 18% dos entrevistados relataram omitir o café da manhã e quase 22% disseram almoçar no trabalho. Não houve diferenças nos gastos totais, por local de compra e na proporção de gastos com alimentação em relação à renda familiar e às categorias de obesidade. Conclusões: A prevalência de obesidade no distrito estudado é alta, tendo em vista sua população. Sugerimos que essa prevalência possa ser influenciada pela aquisição de ultraprocessados, pela alimentação fora do lar e pela omissão do café da manhã.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Souza EB. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cadernos UniFOA 2010;13(5):49-53. https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v5.n13.1025 DOI: https://doi.org/10.47385/cadunifoa.v5.n13.1025

Afshin A, Forouzanfar MH, Reitsma MB, Sur P, Estep K, Lee A, et al. Health effects of overweight and obesity in 195 countries over 25 years. N Engl J Med 2017;377(1):13-27. https://doi.org/10.1056/NEJMoa1614362 DOI: https://doi.org/10.1056/NEJMoa1614362

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde: 2019: atenção primária à saúde e informações antropométricas: Brasil/IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE; 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101758.pdf

Louzada MLC, Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Levy RB, Claro RM, et al. Ultra-processed foods and the nutritional dietary profile in Brazil. Rev Saúde Pública 2015;49:38. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049006132 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049006132

Martins PFA. Alimentos ultraprocessados: uma questão de saúde pública. Com Ciências Saúde 2018;29(1):14-7. https://doi.org/10.51723/ccs.v29iSuppl%201.161

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv50063.pdf

Monteiro CA, Cannon G, Levy R, Moubarac JC, Jaime P, Martins AP, et al. O sistema alimentar. NOVA. A estrela brilha. World Nutrition 2016;7(1-3):28-40.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO. Consultation on obesity. Geneva, 3-5 Jun 1997. Geneva: World Health Organization, 1998. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/63854

Galeazzi MAM, Domene SMA, Sichieri R. Estudo multicênctrico de consumo alimentar familiar. Ministério da Saúde; 1997. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernosespecial.pdf

Kopruszynski CP. Estado nutricional de pré-escolares e consumo alimentar de suas famílias no município de Ponta Grossa-PR: a influência das condições socioeconômicas e das políticas públicas [tese de doutorado]. Araraquara: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Universidade Estadual Paulista; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: Ministério da Saúde; 2020.

Nascente FMN, Jardim PCBV, Peixoto MRG, Monego ET, Barroso WKS, Moreira HG, et al. Hipertensão arterial e sua associação com índices antropométricos em adultos de uma cidade de pequeno porte do interior do Brasil. Rev Assoc Med Bras 2009;55(6):716-22. https://doi.org/10.1590/S0104-42302009000600017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-42302009000600017

Kegler MC, Prakash R, Hermstad A, Anderson K, Haardörfer R, Raskind IG. Food acquisition practices, body mass index, and dietary outcomes by level of rurality. J Rural Health 2022;38(1):228-39. https://doi.org/10.1111/jrh.12536 DOI: https://doi.org/10.1111/jrh.12536

Limon-Miro AT, Garcia-Padilla A. Nutrition counseling in an academic medical center according to socioeconomic status and grocery shopping consumer behavior decreased relative fat mass in breast cancer survivors. Rev Invest Clin 2020. Online ahead of print. https://doi.org/10.24875/RIC.20000409 DOI: https://doi.org/10.24875/RIC.20000409

Paulitsch RG, Dumith SC. Is food environment associated with body mass index, overweight and obesity? A study with adults and elderly subjects from southern Brazil. Prev Med Rep 2021;21:101313. https://doi.org/10.1016/j.pmedr.2021.101313 DOI: https://doi.org/10.1016/j.pmedr.2021.101313

Bezerra IN, Moreira TMV, Cavalcante JB, Souza AM, Sichieri R. Consumo de alimentos fora do lar no Brasil segundo locais de aquisição. Rev Saúde Pública 2017;51:15. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006750 DOI: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006750

Takagi H, Hari Y, Nakashima K, Kuno T, Ando T, ALICE (All-Literature Investigation of Cardiovascular Evidence) Group. Meta-analysis of relation of skipping breakfast with heart disease. Am J Cardiol 2019;124(6):978-86. https://doi.org/10.1016/j.amjcard.2019.06.016 DOI: https://doi.org/10.1016/j.amjcard.2019.06.016

Bonnet JP, Cardel MI, Cellini J, Hu FB, Guasch-Ferré M. Breakfast skipping, body composition, and cardiometabolic risk: a systematic review and meta-analysis of randomized trials. Obesity (Silver Spring) 2020;28(6):1098-109. https://doi.org/10.1002/oby.22791 DOI: https://doi.org/10.1002/oby.22791

Yokoyama Y, Onishi K, Hosoda T, Amano H, Otani S, Kurozawa Y, et al. Skipping breakfast and risk of mortality from cancer, circulatory diseases and all causes: findings from the japan collaborative cohort study. Yonago Acta Med 2016;59(1):55-60. PMID: 27046951

Kegler MC, Hermstad A, Haardörfer R. Home food environment and associations with weight and diet among U.S. adults: a cross-sectional study. BMC Public Health 2021;21(1):1032. https://doi.org/10.1186/s12889-021-11102-2 DOI: https://doi.org/10.1186/s12889-021-11102-2

Vale D, Morais CMM, Pedrosa LFC, Ferreira MAF, Oliveira AGRC, Lyra CO. Spatial correlation between excess weight, purchase of ultra-processed foods, and human development in Brazil. Cienc Saude Colet 2019;24(3):983-96. https://doi.org/10.1590/1413-81232018243.35182016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018243.35182016

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. 2a edição. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Menegassi B, Almeida JB, Olimpio MYM, Brunharo MSM, Langa FR. The new food classification: theory, practice and difficulties. Cien Saude Colet 2018;23(12):4165-76. https://doi.org/10.1590/1413-812320182312.30872016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320182312.30872016

Berti TL, Rocha TF, Curioni CC, Verly Junior E, Bezerra FF, Canella DS, et al. Food consumption according to degree of processing and sociodemographic characteristics: Estudo pró-saúde, Brazil. Rev Bras Epidemiol 2019;22:e190046. https://doi.org/10.1590/1980-549720190046 DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720190046

Tavares LF, Fonseca SC, Rosa MLG, Yokoo EM. Relationship between ultra-processed foods and metabolic syndrome in adolescents from a Brazilian Family Doctor Program. Public Health Nutr 2012;15(1):82-7. https://doi.org/10.1017/S1368980011001571 DOI: https://doi.org/10.1017/S1368980011001571

Rauber F, Campagnolo PDB, Hoffman DJ, Vitolo MR. Consumption of ultra-processed food products and its effects on children’s lipid profiles: a longitudinal study. Nutr Metab Cardiovasc Dis 2015;25(1):116-22. https://doi.org/10.1016/j.numecd.2014.08.001 DOI: https://doi.org/10.1016/j.numecd.2014.08.001

Mancini MC, Geloneze B, Salles JEN, Lima JG, Carra MK. Tratado de obesidade. 2a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2015.

Weight gain from medication. Many common prescription drugs can cause you to pack on extra pounds. Johns Hopkins Med Lett Health After 50 2011;23(7):6. PMID: 27024234

Publicado

2022-04-24

Como Citar

1.
Sugizaki CS de A, Freitas ATV de S, Sagno ALM, Schincaglia RM, Menezes IHCF, Sousa LM de. Avaliação dos produtos alimentícios adquiridos por adultos com obesidade e o grau de processamento dos alimentos. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 24º de abril de 2022 [citado 23º de maio de 2022];17(44):3030. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3030

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa