Semeando saúde

o cultivo de um jardim medicinal na Atenção Básica em Saúde, um relato de experiência

Autores

  • Gabriel Brito de Moura Monteiro Secretaria de Saúde do Recife – Recife (PE), Brasil.
  • Bruno Henrique Soares Pessoa Secretaria de Saúde do Recife (SESAU) https://orcid.org/0000-0003-0078-9729

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3046

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Fitoterapia, Plantas medicinais, Jardins.

Resumo

Problema: Atualmente, o paradigma da produção de saúde é prodigalizado por uma miríade de interesses mercantis galanteadores do modelo biomédico, que supervaloriza o conhecimento científico moderno. Mesmo que seja desprestigiado pela soberania científica, cerca de 70% do uso popular das plantas medicinais é confirmado cientificamente, e esses saberes não institucionais são frequentes nas práticas cotidianas. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% da população de países em desenvolvimento utiliza-se de práticas tradicionais na atenção primária à saúde e, desse total, 85% fazem uso de plantas medicinais. No Brasil, 82% dos brasileiros usam produtos à base de plantas medicinais para cuidar da saúde. Perante este descompasso, a atenção primária à saúde destaca-se como espaço estratégico para adubar o terreno das práticas fitoterápicas. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, qualitativo, do tipo relato de experiência, sobre o desenvolvimento de um jardim medicinal localizado numa Unidade de Saúde da Família do município de Recife, Pernambuco. Utilizou-se um registro sistemático das atividades por meio da confecção de um diário de campo com registro fotográfico, complementado por levantamento bibliográfico e pesquisa documental. Resultados: O projeto perpassou pelas etapas informacional, estrutural e de plantio, constelando vários saberes com base no espírito da multiprofissionalidade e da participação comunitária. Ao fim, os esforços culminaram na efetivação de um jardim medicinal, propiciando um espaço para a troca de conhecimentos e experiências. Conclusão: Conclui-se que a estruturação de um jardim medicinal no âmbito da atenção primária à saúde conclama um prodigioso potencial no fortalecimento dos princípios que norteiam esse nível de atenção, reposicionando o usuário no centro do modelo de cuidado e ampliando as opções terapêuticas eficazes e de baixo custo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriel Brito de Moura Monteiro, Secretaria de Saúde do Recife – Recife (PE), Brasil.

Residente de Medicina de Família e Comunidade do Programa de Residência da Secretaria de Saúde do Recife, Pernambuco.
http://lattes.cnpq.br/1647033782183441
ID Lattes: 1647033782183441

Bruno Henrique Soares Pessoa, Secretaria de Saúde do Recife (SESAU)

Mestre em Saúde da Família e Preceptor do Programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade da Secretaria de Saúde do Recife, Pernambuco.
http://lattes.cnpq.br/9168048910786597
ID Lattes: 9168048910786597

Referências

Piccinini GC. Plantas medicinais utilizadas por comunidades assistidas pelo Programa de Saúde da Família, em Porto Alegre: subsídios à introdução da fitoterapia em atenção primária em saúde [tese de doutorado]. Porto Alegre: Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

Hoffmann R. Saberes populares de plantas medicinais: um grito inaudível? Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Cadernos HumanizaSUS. Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_humanizasus_atencao_basica_v2_1ed.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf

Boccolini PMM, Boccolini CS. Prevalence of complementary and alternative medicine (CAM) use in Brazil. BMC Complement Med Ther 2020;20:51. https://doi.org/10.1186/s12906-020-2842-8 DOI: https://doi.org/10.1186/s12906-020-2842-8

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/praticas_integrativas_complementares_plantas_medicinais_cab31.pdf

Araújo DD. Utilização de plantas medicinais e fitoterapia na Estratégia Saúde da Família no município de Recife: impacto de ações implementadas sobre a prescrição e recomendação [dissertação de mestrado]. Recife: Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), 2014.

Wilson KSC. Análise do conhecimento e uso de plantas medicinais junto a um grupo de usuários atendidos pela Unidade Básica de Saúde do bairro São Sebastião, Palhoça, SC [dissertação de mestrado]. Florianópolis: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL), 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/programa_nacional_plantas_medicinais_fitoterapicos.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Plantas Medicinais de Interesse ao SUS – Renisus. Available at: https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/sctie/daf/plantas-medicinais-e-fitoterapicas/ppnpmf/plantas-medicinais-de-interesse-ao-sus-2013-renisus.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Relação nacional de medicamentos essenciais – RENAME. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências em Saúde. Núcleo Telessaúde Santa Catarina. Plantas medicinais e fitoterapia na atenção básica. Florianópolis: CCS/UFSC, 2019. Available at: https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/14863/1/Apostila_Fitoterapia_N%C3%BAcleo%20Telessaude%20SC%20UFSC.pdf

Batista LM, Valença AMG. A fitoterapia no âmbito da atenção básica do SUS: realidades e perspectivas. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr 2012;12(2):293-96.

Caccia-Bava MCGG, Bertoni BW, Pereira AMS, Martinez EZ. Disponibilidade de medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais nas unidades de atenção básica do Estado de São Paulo: resultados do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ). Ciênc Saúde Colet 2017;22(5):1651-9. https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.16722015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.16722015

Haraguchi LMM, Sañudo A, Rodrigues E, Cervigni H, Carlini ELA. Impacto da capacitação de profissionais da rede pública de saúde de São Paulo na prática da fitoterapia. Rev Bras Educ Med 2020;44(1):e017. https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.1-20190190 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.1-20190190

Carnevale RC. Fronteiras da implantação e implementação da farmácia viva no Brasil [tese de doutorado]. Campinas: Ciências Sociais em Saúde da Universidade Estadual de Campinas, 2018.

Bonfim DYG, Bandeira MAM, Gomes AB, Brasil ARL, Magalhães KN, Sá KM. Diagnóstico situacional das farmácias vivas no estado do Ceará. J Manag Prim Health Care 2018;9:e15. https://doi.org/10.14295/jmphc.v9i0.543 DOI: https://doi.org/10.14295/jmphc.v9i0.543

Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Contributions of medicinal plants to care and health promotion in primary healthcare. Interface (Botucatu) 2013;17(46):615-33. https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832013005000014

Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Phytotherapy in primary health care. Rev Saúde Pública 2014;48(3):541-53. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004985 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004985

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC no 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0010_09_03_2010.html#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20a%20notifica%C3%A7%C3%A3o%20de,ANVISA)%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias.

Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco. Superintendência de Assistência Farmacêutica. Secretaria Executiva de Atenção à Saúde. Cartilha de Plantas Medicinais e Medicamentos Fitoterápicos, 2014. Available at: http://www.farmacia.pe.gov.br/sites/farmacia.saude.pe.gov.br/files/cartilha.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Memento Fitoterápico: Farmacopéia Brasileira. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Available at: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/farmacopeia/memento-fitoterapico/memento-fitoterapico.pdf/view

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Saúde, Secretaria Executiva de Atenção à Saúde, Gerência Geral de Assistência Farmacêutica. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais – REMUME Recife. Recife, 2019.

Governo Estado de Pernambuco. Secretaria de Saúde. Secretaria Executiva de Atenção à Saúde. Relação estadual de medicamentos: versão ambulatorial – REESME. Recife: Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco; 2019. Available at: http://www.farmacia.pe.gov.br/sites/farmacia.saude.pe.gov.br/files/reesme_2019_melhor_qualidade.pdf

Brasil. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Departamento de Apoio Técnico e Educação Permanente. Comissão Assessora de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Plantas medicinais e fitoterápicos. 4a edição. São Paulo: Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, 2019. Available at: http://www.crfsp.org.br/images/cartilhas/PlantasMedicinais.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação nacional de medicamentos essenciais: RENAME 2020 – Brasília: Ministério da Saúde; 2020. Available at: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relacao_medicamentos_rename_2020.pdf

Sabbag SHF, Nogueira BMR, Callis ALL, Leite-Mor ACMB, Portella CFS, Antônio RL, et al. A naturologia no Brasil: avanços e desafios. Cad Naturol Terap Complem 2013;2(2):11-31. DOI: https://doi.org/10.19177/cntc.v2e2201311-31

Silva LFP. Plantas medicinais e fitoterápicas na UFSC: perspectivas educacionais e pedagógicas. Florianópolis: Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

Zeni ALB, Parisotto AV, Mattos G, Helena ETS. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciênc Saúde Colet 2017;22(8):2703-12. https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.18892015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.18892015

Freire AMS, Monteiro RJS, Oliveira JF, Randau KP. Prática popular de saúde: a concepção dos usuários da unidade de saúde Engenho do Meio sobre o uso de plantas medicinais. Rev APS 2015;18(2):205-12.

Ruela LO, Moura CC, Gradim CVC, Stefanello J, Iunes DH, Prado RR. Implementação, acesso e uso das práticas integrativas e complementares no Sistema Único de Saúde: revisão da literatura. Ciênc Saúde Coletiva 2019;24(11):4239-50. https://doi.org/10.1590/1413-812320182411.06132018 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320182411.06132018

Vieira IC, Jardim WPCA, Silva DP, Ferraz FA, Toledo OS, Nogueira MC. Demanda de atendimento em práticas integrativas e complementares por usuários da atenção básica e fatores associados. Rev APS. 2018;21(4):551-69. https://doi.org/10.34019/1809-8363.2018.v21.16559 DOI: https://doi.org/10.34019/1809-8363.2018.v21.16559

Rosa C, Câmara SG, Béria JU. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciênc Saúde Coletiva 2011;16(1):311-8. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000100033 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000100033

Fontenele RP, Sousa DMP, Carvalho ALM, Oliveira FA. Fitoterapia na atenção básica: olhares dos gestores e profissionais da Estratégia Saúde da Família de Teresina (PI), Brasil. Ciênc Saúde Coletiva 2013;18(8):2385-94. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000800023 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000800023

Thiago SCS, Tesser CD. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Rev Saúde Pública 2011;45(2):249-57. https://doi.org/10.1590/S0034-89102011005000002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102011005000002

Contatore AO, Barros NF, Durval MR, Barrio PCCC, Coutinho BD, Santos JA, et al. Uso, cuidado e política das práticas integrativas e complementares na Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saúde Colet 2015;20(10):3263-73. https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00312015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00312015

Lauwers L, Bastiaens H, Remmen R, Keune H. Nature’s contributions to human health: a missing link to primary health care? A scoping review of international overview reports and scientific evidence. Front Public Health 2020;8:52. https://doi.org/10.3389/fpubh.2020.00052 DOI: https://doi.org/10.3389/fpubh.2020.00052

Van den Berg AE. From green space to green prescriptions: challenges and opportunities for research and practice. Front Psychol 2017;8:268. https://dx.doi.org/10.3389%2Ffpsyg.2017.00268 DOI: https://doi.org/10.3389/fpsyg.2017.00268

Bruning MCR, Mosegui GBG, Vianna CMM. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu – Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciênc Saúde Coletiva 2012;17(10):2675-85. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001000017 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001000017

Araújo AKL, Araújo Filho ACAA, Ibiapina LG et al. Dificuldades enfrentadas por enfermeiros na aplicabilidade da fitoterapia na atenção básica: uma revisão integrativa. R Pesq Cuid Fundam Online 2015;7(3):2826-34. https://doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7i3.2826-2834 DOI: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7i3.2826-2834

Araujo WRM, Silva RV, Barros CS, Amaral FMM. Inserção da fitoterapia em unidades de saúde da família de São Luís, Maranhão: realidade, desafios e estratégias. Rev Bras Med Fam Comunidade 2014;9(32):258-63. Available at: http://doi.org/10.5712/rbmfc9(32)789 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(32)789

Mattos G, Camargo A, Souza CA, Zeni ALB. Plantas medicinais e fitoterápicos na Atenção Primária em Saúde: percepção dos profissionais. Ciênc Saúde Colet 2018;23(11):3735-44. https://doi.org/10.1590/1413-812320182311.23572016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320182311.23572016

Schveitzer MC, Zoboli ELCP. Papel das práticas complementares na compreensão dos profissionais da Atenção Básica: uma revisão sistemática. Rev Esc Enferm USP 2014;48(spe):189-96. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000500026 DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000500026

Costa CGA, Garcia MT, Ribeiro SM, Salandini MFS, Bórgus CM. Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Ciência Saúde Colet 2015;20(10):3099-110. https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00352015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00352015

Estrada AA. Os fundamentos da teoria da complexidade em Edgar Morin. Akrópolis Umuarama 2009;17(2):85-90.

Valverde AV, Silva NCB, Almeida MZ. Introdução da Fitoterapia no SUS: contribuindo com a Estratégia de Saúde da Família na comunidade rural de Palmares, Paty do Alferes, Rio de Janeiro. Revista Fitos 2018;12(1):27-40. https://doi.org/10.5935/2446-4775.20180004 DOI: https://doi.org/10.5935/2446-4775.20180004

Souza TS, Miranda MBS. Horticultura como tecnologia de saúde mental. Rev Psi Divers Saúde 2017;6(4):310-23. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v6i4.1662 DOI: https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v6i4.1662

Brito Júnior FE, Silva RA, Luna ALNL, Silva ML, Lopes MSV. Horta e vida: integrando educação ambiental e práticas complementares para promoção da saúde na atenção básica. Anais CONGREPICS. Campina Grande: Realize Editora, 2017.

Ferreira LLC, Matos JLC, Oliveira DR, Behrens MD. Incentivo governamental para arranjos produtivos locais de plantas medicinais e fitoterápicos no âmbito do SUS. Revista Fitos 2017;11(Supl.):54-61. https://doi.org/10.5935/2446-4775.20170015 DOI: https://doi.org/10.5935/2446-4775.20170015

Carvalho ALB, Braga LRA, Silva DF, Araújo JBF, Amorim MC, Magalhães MJO. Vivências de acolhimento na unidade de saúde da família: a experiência do cantinho do chá na UBS do Grotão, João Pessoa­PB. Saúde em Redes. 2020;6(1):205­17. https://doi.org/10.18310/2446¬48132020v6n1.2516g501 DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p205-217

Tomazzoni MI, Negrelle RRB, Centa ML. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Texto Contexto Enferm 2006;15(1):115-21. https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000100014 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000100014

Paim JS. A investigação em sistemas e serviços de Saúde. In: Paim JS. Saúde política e reforma sanitária. Salvador: CEPS/ISC; 2002. p. 435-44.

Publicado

2022-06-30

Como Citar

1.
Monteiro GB de M, Pessoa BHS. Semeando saúde: o cultivo de um jardim medicinal na Atenção Básica em Saúde, um relato de experiência. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de junho de 2022 [citado 13º de agosto de 2022];17(44):3046. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3046

Edição

Seção

Relatos de Experiência