Resistência antimicrobiana em uroculturas de moradores das Zonas Norte e Nordeste de Porto Alegre

Autores

  • Ricardo Pretto Reolom Prefeitura Municipal de Sapucaia do Sul – Sapucaia do Sul (RS), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7950-6589
  • André Klafke Grupo Hospitalar Conceição – Porto Alegre (RS), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3067

Palavras-chave:

Infecções Urinárias, Resistência a Medicamentos, Farmacorresistência Bacteriana, Infecções Comunitárias Adquiridas, Escherichia coli

Resumo

Introdução: Infecção urinária é motivo comum de consulta na Atenção Primária, requerendo tratamento empírico. Para a seleção do antimicrobiano, é necessário conhecer o perfil de resistência dos uropatógenos na comunidade. Objetivo: Analisar o perfil de resistência antimicrobiana em uroculturas realizadas em pacientes da Atenção Primária à Saúde do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, de julho de 2017 a junho de 2019. Métodos: Estudo transversal, observacional e descritivo com uroculturas de pacientes ambulatoriais das Unidades de Saúde do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, nas Zonas Norte e Nordeste de Porto Alegre, de julho de 2017 a junho de 2019. Os dados das uroculturas foram fornecidos pelo laboratório do Grupo Hospitalar e analisados por meio das proporções, por sexo, micro-organismo e resistência antimicrobiana. Resultados: Encontraram-se 2.000 uroculturas positivas no período, principalmente por Escherichia coli (75,50%), Klebsiella pneumoniae (7,80%), Staphylococcus saprophyticus (4,95%), Enterococcus specie (3,35%) e Proteus mirabilis (2,85%). Entre os antibióticos orais testados, a maior resistência foi para ampicilina (48,95%), seguida por sulfametoxazol+trimetoprima (25,85%), norfloxacino (18,05%), ciprofloxacino (18,00%), amoxicilina+clavulanato (11,05%) e nitrofurantoína (8,60%). Considerando-se apenas E. coli, as resistências foram 47,75% para ampicilina, 29,74% para sulfametoxazol+trimetoprima, 19,74% para norfloxacino e ciprofloxacino, 8,08% para amoxicilina+clavulanato e 1,99% para nitrofurantoína. Conclusões: O perfil de resistência antimicrobiana nas Zonas Norte e Nordeste de Porto Alegre sugere que sejam utilizados para tratamento empírico de infecção do trato urinário nessa localidade nitrofurantoína ou amoxicilina+clavulanato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ricardo Pretto Reolom, Prefeitura Municipal de Sapucaia do Sul – Sapucaia do Sul (RS), Brasil.

Graduado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Especialização em Medicina de Família e Comunidade pelo Hospital Nossa Senhora da Conceição, na Unidade de Saúde Vila Floresta, com área de atuação em Administração em Saúde pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Trabalha como Médico de Família e Comunidade na ESF Fortuna e Colonial, na cidade de Sapucaia do Sul/RS, desde março de 2020.

André Klafke, Grupo Hospitalar Conceição – Porto Alegre (RS), Brasil.

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1997), residência médica em Medicina de Família e Comunidade pelo Grupo Hospitalar Conceição (2000), mestrado em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006) e doutorado em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2013). Atualmente é médico de família e comunidade do Grupo Hospitalar Conceição (desde 2003) e professor do Programa de Pós-Graduação em Avaliação de Tecnologias para o SUS do Grupo Hospitalar Conceição (desde 2014). Foi preceptor do programa de residência médica em Medicina de Família e Comunidade do Grupo Hospitalar Conceição de 2006 a 2021.

Referências

Foxman B. Urinary tract infection syndromes: occurrence, recurrence, bacteriology, risk factors, and disease burden. Infect Dis Clin North Am 2014;28(1):1-13. https://doi.org/10.1016/j.idc.2013.09.003 DOI: https://doi.org/10.1016/j.idc.2013.09.003

Hisano M, Bruschini H, Nicodemo AC, Srougi M. Uncomplicated urinary tract infections in women in a sao paulo quaternary care hospital: bacterial spectrum and susceptibility patterns. Antibiotics (Basel) 2014;3(1):98-108. https://doi.org/10.3390/antibiotics3010098 DOI: https://doi.org/10.3390/antibiotics3010098

Rodrigues WF, Miguel CB, Nogueira APO, Ueira-Vieira C, Paulino TP, Soares SC, et al. Antibiotic resistance of bacteria involved in urinary infections in Brazil: a cross-sectional and retrospective study. Int J Environ Res Public Health 2016;13(9):918. https://doi.org/10.3390/ijerph13090918 DOI: https://doi.org/10.3390/ijerph13090918

Kang CI, Kim J, Park DW, Kim BN, Ha US, Lee SJ, et al. Clinical practice guidelines for the antibiotic treatment of community-acquired urinary tract infections. Infect Chemother 2018;50(1):67-100. https://doi.org/10.3947/ic.2018.50.1.67 DOI: https://doi.org/10.3947/ic.2018.50.1.67

Koch CR, Ribeiro JC, Schnor OH, Zimmermann BS, Müller FM, D’Agostin J, et al. Resistência antimicrobiana dos uropatógenos em pacientes ambulatoriais, 2000-2004. Rev Soc Bras Med Trop 2008;41(3):277-81. https://doi.org/10.1590/s0037-86822008000300010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822008000300010

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Microbiologia clínica para o controle de infecção relacionada à assistência à saúde. Módulo 10 – Detecção dos principais mecanismos de resistência bacteriana aos antimicrobianos pelo Laboratório de Microbiologia Clínica/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/centraisdeconteudo/publicacoes/servicosdesaude/publicacoes/modulo-10_manual-de-microbiologia.pdf

Lo DS, Shieh HH, Ragazzi SLB, Koch VHK, Martinez MB, Gilio AE. Infecção urinária comunitária: etiologia segundo idade e sexo. J Bras Nefrol 2013;35(2):93-8. https://doi.org/10.5935/0101-2800.20130016 DOI: https://doi.org/10.5935/0101-2800.20130016

Schenkel DF, Dallé J, Antonello VS. Prevalência de uropatógenos e sensibilidade antimicrobiana em uroculturas de gestantes do sul do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet 2014;36(3):102-6. https://doi.org/10.1590/S0100-72032014000300002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-72032014000300002

Magalhães V, Farias RB, Agra G, Lima ALMA. Etiologia e perfil de resistência das bactérias isoladas a partir de uroculturas oriundas de mulheres acima dos 18 anos. RBM Rev Bras Med 2009;66(supl. 2):11-6.

Mattos KPH. Estudo do perfil de resistência de bactérias gram-negativas em infecções urinárias de origem comunitária: influência da legislação atuante no controle de venda de antimicrobianos [dissertação de mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2014.

Coutinho ERS, Costa AKAN, Batista PFS, Santos AN. Infecções do trato urinário: etiologia e perfil de sensibilidade antimicrobiana em pacientes não hospitalizados. Revista Uningá. 2019;56(3):68-79.

Guerra Júnior GES, Guerra KDOS, Crisóstomo CM, Veloso DA, D’Angelis CEM. Infecções do trato urinário: frequência e etiologia em pacientes não hospitalizados. Revista Unimontes Científica. 2018;20(1):112-26.

Kabugo D, Kizito S, Ashok DD, Graham KA, Nabimba R, Namunana S, et al. Factors associated with community-acquired urinary tract infections among adults attending assessment centre, Mulago Hospital Uganda. Afr Health Sci 2016;16(4):1131-42. https://doi.org/10.4314/ahs.v16i4.31 DOI: https://doi.org/10.4314/ahs.v16i4.31

Konca C, Tekin M, Uckardes F, Akgun S, Almis H, Bucak IH, et al. Antibacterial resistance patterns of pediatric community-acquired urinary infection: overview. Pediatr Int 2017;59(3):309-15. https://doi.org/10.1111/ped.13139 DOI: https://doi.org/10.1111/ped.13139

Silva RCRM, Martins Júnior PO, Gonçalves LF, Martins VP, Melo ABF, Pitondo-Silva A, et al. Ciprofloxacin resistance in uropathogenic Escherichia coli isolates causing community-acquired urinary infections in Brasília, Brazil. J Glob Antimicrob Resist 2017;9:61-7. https://doi.org/10.1016/j.jgar.2017.01.009 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jgar.2017.01.009

Mykhalko YO. Antimicrobial susceptibility patterns of escherichia coli in children and adults with urinary tract infections. Wiad Lek 2018;71(2 pt 1):306-10. PMID: 29729161

Pancotto C, Lovison OA, Cattani F. Perfil de resistência, etiologia e prevalência de patógenos isolados em uroculturas de gestantes atendidas em um laboratório de análises clínicas da cidade de Veranópolis, Rio Grande do Sul. RBAC. 2019;51(1):29-33. https://doi.org/10.21877/2448-3877.201900799 DOI: https://doi.org/10.21877/2448-3877.201900799

Paniagua-Contreras GL, Monroy-Pérez E, Rodríguez-Moctezuma JR, Domínguez-Trejo P, Vaca-Paniagua F, Vaca S. Virulence factors, antibiotic resistance phenotypes and O-serogroups of Escherichia coli strains isolated from community-acquired urinary tract infection patients in Mexico. J Microbiol Immunol Infect 2017;50(4):478-85. https://doi.org/10.1016/j.jmii.2015.08.005 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jmii.2015.08.005

Pereira PMB, Souza SRB, Bitencourt RM. Prevalência e caracterização da infecção do trato urinário inferior em mulheres atendidas na atenção primária de saúde. Rev Bra Edu Saúde. 2019;9(1):37-42. https://doi.org/10.18378/rebes.v9i1.6170

Salton G, Maciel MJ. Prevalência e perfil de resistência de bactérias isoladas em uroculturas de pacientes de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul. Ciência & Saúde. 2017;10(4):194-9. https://doi.org/10.15448/1983-652X.2017.4.25451 DOI: https://doi.org/10.15448/1983-652X.2017.4.25451

Chambô Filho A, Camargo AS, Barbosa FA, Lopes TF, Motta YR. Estudo do perfil de resistência antimicrobiana das infecções urinárias em mulheres atendidas em hospital terciário. Rev Bras Clin Med 2013;11(2):102-7.

Gilani SYH, Shah SRA, Ahmad N, Bibi S. Antimicrobial resistance patterns in community acquired urinary tract infections. J Ayub Med Coll Abbottabad 2016;28(3):572-4. PMID: 28712238

Gökçe İ, Çiçek N, Güven S, Altuntaş Ü, Bıyıklı N, Yıldız N, et al. Changes in bacterial resistance patterns of pediatric urinary tract infections and rationale for empirical antibiotic therapy. Balkan Med J 2017;34(5):432-5. https://doi.org/10.4274/balkanmedj.2015.1809 DOI: https://doi.org/10.4274/balkanmedj.2015.1809

Guneysel O, Suman E, Ozturk TC. Trimethoprim-sulfamethoxazole resistance and fosfomycin susceptibility rates in uncomplicated urinary tract infections: time to change the antimicrobial preferences. Acta Clin Croat 2016;55(1):49-57. https://doi.org/10.20471/acc.2016.55.01.8 DOI: https://doi.org/10.20471/acc.2016.55.01.8

Alves DMS, Edelweiss MK, Botelho LJ. Infecções comunitárias do trato urinário: prevalência e susceptibilidade aos antimicrobianos na cidade de Florianópolis. Rev Bras Med Fam Comunidade 2016;11(38):1-12. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1187 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1187

Ferreira VM, Rossiter LNV, Aragão NFF, Pinto OA, Santos PM, Cardoso PHA, et al. Infecções comunitárias do trato urinário em Divinópolis, MG: avaliação do perfil de resistência bacteriana e do manejo clínico. Rev Bras Med Fam Comunidade 2017;12(39):1-13. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1553 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1553

Lima ADP. Perfil de infecções bacterianas do trato urinário e resistência aos antibióticos [conclusão de curso]. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia; 2017.

Póvoa CP, Silva RC, Santos KC, Souza ACS, Pereira MS, Carmo Filho JR. Evolução da resistência bacteriana em infecção comunitária do trato urinário em idosos. Rev Epidemiol Controle Infecç 2019;9(1):8-14. https://doi.org/10.17058/reci.v9i1.10468 DOI: https://doi.org/10.17058/reci.v9i1.10468

Rossignol L, Vaux S, Maugat S, Blake A, Barlier R, Heym B, et al. Incidence of urinary tract infections and antibiotic resistance in the outpatient setting: a cross-sectional study. Infection 2017;45(1):33-40. https://doi.org/10.1007/s15010-016-0910-2 DOI: https://doi.org/10.1007/s15010-016-0910-2

Chervet D, Lortholary O, Zahard JR, Dufougeraye A, Pilmisf B, Partouche H. Antimicrobial resistance in community-acquired urinary tract infections in Paris in 2015. Med Mal Infect 2018;48(3):188-92. https://doi.org/10.1016/j.medmal.2017.09.013 DOI: https://doi.org/10.1016/j.medmal.2017.09.013

Guyomard-Rabenirina S, Malespine J, Ducat C, Sadikalay S, Falord M, Harrois D, et al. Temporal trends and risks factors for antimicrobial resistant enterobacteriaceae urinary isolates from outpatients in Guadeloupe. BMC Microbiol 2016;16(1):121. https://doi.org/10.1186/s12866-016-0749-9 DOI: https://doi.org/10.1186/s12866-016-0749-9

Klafke A. Infecção do trato urinário em adultos. In: Gusso G, Lopes JMC, Dias LC. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2019. p. 1219-27.

Publicado

2022-04-30

Como Citar

1.
Reolom RP, Klafke A. Resistência antimicrobiana em uroculturas de moradores das Zonas Norte e Nordeste de Porto Alegre. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de abril de 2022 [citado 23º de maio de 2022];17(44):3067. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3067

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa