Avaliação dos atributos da atenção primária à saúde sob a ótica dos profissionais médicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3085

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Avaliação de serviços de saúde, Profissionais de saúde.

Resumo

Introdução: A presença e a extensão dos atributos da Atenção Primária à Saúde são fatores determinantes na efetividade da assistência em serviços de atenção primária. Objetivo: Avaliar a aplicação dos atributos da Atenção Primária à Saúde na perspectiva dos profissionais médicos das unidades básicas de saúde. Métodos: Trata-se de estudo transversal, realizado por meio da aplicação de questionário Primary Care Assessment Tool (PCATool-Brasil), na versão profissionais de saúde, e de questionário sociodemográfico para caracterizar o perfil de formação, experiência profissional e atuação na Atenção Primária à Saúde. Participaram da pesquisa os médicos de unidades da Estratégia Saúde da Família, tradicionais e mistas, do município de Juiz de Fora. Resultados: As médias dos escores gerais, essenciais e derivados dos atributos da Atenção Primária à Saúde exibiram pontuação considerada como satisfatória (≥6,6), contudo o atributo de acessibilidade foi avaliado como insatisfatório. Além disso, os atributos de longitudinalidade e coordenação/integração do cuidado obtiveram avaliação insatisfatória entre os médicos com menor tempo de atuação na Atenção Primária à Saúde, enquanto os atributos de longitudinalidade e orientação familiar receberam avaliação insatisfatória dos médicos que não cursaram pós-graduação em medicina de família e comunidade ou áreas afins. Conclusões: O estudo aponta para a necessidade de ampliação da acessibilidade aos serviços de atenção primária, da busca de alternativas para a valorização e a fixação do profissional médico na Atenção Primária à Saúde e o estímulo à formação e à qualificação desses profissionais de saúde, com a finalidade de propiciar o aumento da resolutividade e da qualidade dos serviços prestados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maximiliano Ribeiro Guerra, Universidade Federal de Juiz de Fora – Juiz de Fora (MG), Brazil.

Médico e Professor Associado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (FAMED/UFJF); Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da FAMED/UFJF; Mestre e Doutor em Saúde Coletiva, área de concentração em Epidemiologia, pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Isabel Cristina Gonçalves Leite, Universidade Federal de Juiz de Fora – Juiz de Fora (MG), Brazil.

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora, doutorado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (2002). Orientadora dos programas de pós graduação em Saúde, Saúde Coletiva e Mestrado Profissional em Saúde da Família.

Referências

Girardi SN, Stralen ACSV, Cella JN, Maas LWD, Carvalho CL, Faria EO. Impacto do Programa Mais Médicos na redução da escassez de médicos em Atenção Primária à Saúde. Ciênc Saude Colet. 2016;21(9):2675-84, 2016. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.16032016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.16032016

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 399, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasília: Diário Oficial da União; 2006.

Starfield B. The hidden inequity in health care. Int J Equity Health. 2011;10(1):15. https://doi.org/10.1186/1475-9276-10-15 DOI: https://doi.org/10.1186/1475-9276-10-15

Kemper ES, Tasca R, Harzheim E, Jiménez JMS, Hadad J, Sousa MF. Cobertura universal em saúde e o Programa Mais Médicos no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2018;42(1):1-5. https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.1 DOI: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.1

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidade de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde; 2002.

Vieira SP, Pierantoni CR, Magnago C, Ney MS, Miranda RG. A graduação em medicina no Brasil ante os desafios da formação para a Atenção Primária à Saúde. Saude Debate. 2018;42(1):189-207. https://doi.org/10.1590/0103-11042018s113 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s113

Facchini LA, Tomasi E, Dilélio AS. Qualidade da Atenção Primária à Saúde no Brasil: avanços, desafios e perspectivas. Saude Debate. 2018;42(1):208-23. https://doi.org/10.1590/0103-11042018s114 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s114

Sousa MF, Prado EAJ, Leles FAG, Andrade NF, Marzola RF, Barros FPC, et al. Potencialidades da Atenção Básica à Saúde na consolidação dos sistemas universais. Saude Debate. 2019;43(spe5):82-93. https://doi.org/10.1590/0103-11042019S507. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s507

Santos LMP, Costa AM, Girardi SN. Programa Mais Médicos: uma ação efetiva para reduzir iniquidades em saúde. Ciênc Saude Colet. 2015;20(11):3547-52. https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.07252015 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.07252015

Batista KBC, Gonçalves OSJ. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saude Soc. 2011;20(4):884-99. https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000400007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000400007

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Saúde da Família. Manual do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária à Saúde: PCATool-Brasil – 2020. Brasília: Ministério da Saúde; 2020.

Juiz de Fora. Prefeitura de Juiz de Fora. Secretaria Municipal de Saúde. Plano de Saúde 2018-2021. Juiz de Fora: PJF; 2018.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população residente para os municípios e para as unidades da federação brasileiros com data de referência em 1° de julho de 2020: tabelas. Rio de Janeiro: IBGE; 2020. [acessado em 08 ago. 2020]. Disponível em: https://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_População/Estimativas_2020/POP2020_20201030.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. e-Gestor AB. Informação e gestão da Atenção Básica. Cobertura da Atenção Básica. Todos os municípios – MG. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União; 2013.

Ferreira VD, Oliveira JM, Maia MAC, Santos JS, Andrade RD, Machado GAB. Avaliação dos atributos da Atenção Primária à Saúde em um Município Mineiro. Esc Anna Nery. 2016;20(4):1-8. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160104 DOI: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160104

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. Vienna; 2019. [acessado em 10 ago. 2020]. Disponível em: https://www.R-project.org/

Gomes MFP, Fracolli LA. Avaliação da estratégia saúde da família sob a ótica dos profissionais. Rev Bras Promoç Saude. 2018;31(3):1-13. https://doi.org/10.5020/18061230.2018.7108 DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2018.7108

Penso MJ, Périco E, Oliveira MMC, Strohschoen AAG, Carreno I, Rempel C. Avaliação da Atenção Primária à Saúde utilizando o instrumento PCATool-Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-9. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1212 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1212

Santos NA, Lima DR, Gontijo MKB, Martins MA, Leite GR, Silva LA, et al. Avaliação dos atributos da atenção primária por profissionais de saúde. Rev APS. 2017;20(3):339-48. https://doi.org/10.34019/1809-8363.2017.v20.15964 DOI: https://doi.org/10.34019/1809-8363.2017.v20.15964

Oliveira MPR, Menezes IHCF, Sousa LM, Peixoto MRG. Formação e qualificação de profissionais de saúde: Fatores associados à qualidade da Atenção Primária. Rev Bras Educ Méd. 2016;40(4):547-59. https://doi.org/10.1590/1981- 52712015v40n4e02492014 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v40n4e02492014

Rodrigues RB, Silva NC, Rocha TAH. Atração e retenção do profissional médico e os desafios para a Estratégia de Saúde da Família. Rio de Janeiro: XXXIV Encontro da ANPAD; 2010. [acessado em 02 ago. 2000]. Disponível em: http://www.andas.org.br/admin/pdf/for/2161.pdf

Guibu IA, Moraes JC, Guerra Junior AA, Costa EA, Acurcio FA, Costa KS, et al. Características principais dos usuários dos serviços de atenção primária à saúde no Brasil. Rev Saude Publica. 2017;51(Supl 2):1s-13. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007070 DOI: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007070

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool, PCATool-Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Diário Oficial da União; 2017.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Cien Saude Colet. 2010;15(5):2297-305. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000500005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000500005

Publicado

2022-06-14

Como Citar

1.
Costa APB, Guerra MR, Leite ICG. Avaliação dos atributos da atenção primária à saúde sob a ótica dos profissionais médicos . Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 14º de junho de 2022 [citado 4º de outubro de 2022];17(44):3085. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3085

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit