Uma experiência de empoderamento de mulheres na Atenção Primária à Saúde

  • Carla Luiza Oliveira Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas São Gabriel.
  • Elisane Adriana Santos Rodrigues Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - MG
  • Gislaine Alves de Souza Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas São Gabriel.
  • Jacqueline dos Santos Silva Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
  • Josiane Aparecida Silva Dias Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
  • Leticia Goncalves Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas São Gabriel.
  • Luciana Kind Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas São Gabriel.
Palavras-chave: Saúde Pública, Mulheres, Autonomia Pessoal, Processos Grupais

Resumo

Este artigo apresenta a análise de uma prática de estágio realizada em um Centro de Saúde, localizado no Distrito Sanitário Norte de Belo Horizonte. O objetivo central da prática era promover iniciativas de mobilização e discussões políticas entre mulheres moradoras da região abrangida pelo centro de saúde. No decorrer dos encontros foram produzidas discussões, tendo como pano de fundo relações de gênero, abordando-se temas como violência, saúde da mulher, divisão de trabalho, valorização das mulheres, construção de papéis sociais e direitos humanos. A prática foi nomeada como “Movimento de Mulheres” pelas próprias integrantes, em um dos encontros iniciais. O trabalho é inspirado em metodologias participativas e na compreensão de grupo como dispositivo, sobretudo no que diz respeito à coconstrução das ações em saúde. Os conceitos de gênero e empoderamento foram norteadores das reflexões e ações. Os encontros ocorreram quinzenalmente, com duração média de uma hora e meia cada. Havia aproximadamente 12 mulheres por encontro entre usuárias, estagiárias e agentes comunitárias de saúde. Como tentativa de articulação, em dois dos encontros esteve presente uma conselheira municipal de saúde, quando se discutiu o papel das mulheres na mobilização social. A prática se revelou como um importante dispositivo de integração, uma vez que aproxima e corresponsabiliza universidade, serviço e comunidade na construção das ações.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elisane Adriana Santos Rodrigues, Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - MG
Enfermeira (UFMG), Especialista em Saúde da Família (NESCON/UFMG), Pós-graduanda em Administração Pública com Ênfase em Gestão de Pessoas (FJP), Gerente do Centro de Saúde Lajedo (PBH).
Gislaine Alves de Souza, Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas São Gabriel.
Psicóloga pela  PUC Minas São Gabriel.
Jacqueline dos Santos Silva, Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
Agente Comunitária de Saúde do Centro de Saúde Lajedo, do Distrito Sanitário Norte de Belo Horizonte
Josiane Aparecida Silva Dias, Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
Agente Comunitária de Saúde do Centro de Saúde Lajedo, do Distrito Sanitário Norte de Belo Horizonte
Leticia Goncalves, Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas São Gabriel.

Psicóloga - mestranda pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da PUC Minas. Membro do Colegiado gestor do Núcleo ABRAPSO BH

Luciana Kind, Pontifícia Universidade Católica - PUC Minas São Gabriel.
Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil (2007)
Professor Adjunto III da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais , Brasil

Referências

Giovanella L, Mendonça MHM. Atenção Primária Saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI (Org.). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p. 575-620.

Onocko Campos RT, Campos GWS. Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Jr M, Carvalho YM. (Org.). Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo – Rio de Janeiro: HUCITEC/Fiocruz; 2007. p. 669-88.

Freire P. Pedagogia da autonomia – saberes necessários à prática educativa. 25ª ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra – Coleção Saberes; 1996/2002.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 48ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1970/2005.

Freire P. Educação como prática para a liberdade. 32ª reimp. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1967/2009.

Foucault M. Microfísica do Poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal; 1979.

Vasconcelos EM. O poder que brota da dor e da opressão: empowerment, sua história, teorias e estratégias. Rio de Janeiro: Paulus; 2003.

Restrepo HE, Málaga H. Promoción de la Salud: como construir vida saludable. Bogotá: Editorial Médica Internacional; 2001.

Scott J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Ed Realidade. 1990; 16(2): 5-22.

Brasil. Lei 11.340 de 2006. Lei Maria da Penha. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres; 2008.

Dantas-Berger SM, Giffin K. A violência nas relações de conjugalidade: invisibilidade e banalização da violência sexual? Cad Saúde Pública. 2005; 21(2): 417-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000200008

Saliba O, Garbin CAS, Gardin AJI, Dossi AP. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev Saúde Pública. 2007; 41(3): 472-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000300021

Camargo-Borges C, Mishima SM. A Responsabilidade Relacional como Ferramenta útil para a Participação Comunitária na Atenção Básica. Saúde Soc. 2009; 18(1): 29-41.

Sícoli JL, Nascimento PR. Promoção de saúde: concepções, princípios e operacionalização. Interface – Comunic., Saúde, Educ. 2003; 7(12): 91-112. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832003000100008

Publicado
2012-01-06
Como Citar
Oliveira, C. L., Rodrigues, E. A. S., Souza, G. A. de, Silva, J. dos S., Dias, J. A. S., Goncalves, L., & Kind, L. (2012). Uma experiência de empoderamento de mulheres na Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 6(21), 283-287. https://doi.org/10.5712/rbmfc6(21)325
Seção
Relatos de Experiência