Uma experiência de empoderamento de mulheres na Atenção Primária à Saúde

Carla Luiza Oliveira, Elisane Adriana Santos Rodrigues, Gislaine Alves de Souza, Jacqueline dos Santos Silva, Josiane Aparecida Silva Dias, Leticia Goncalves, Luciana Kind

Resumo


Este artigo apresenta a análise de uma prática de estágio realizada em um Centro de Saúde, localizado no Distrito Sanitário Norte de Belo Horizonte. O objetivo central da prática era promover iniciativas de mobilização e discussões políticas entre mulheres moradoras da região abrangida pelo centro de saúde. No decorrer dos encontros foram produzidas discussões, tendo como pano de fundo relações de gênero, abordando-se temas como violência, saúde da mulher, divisão de trabalho, valorização das mulheres, construção de papéis sociais e direitos humanos. A prática foi nomeada como “Movimento de Mulheres” pelas próprias integrantes, em um dos encontros iniciais. O trabalho é inspirado em metodologias participativas e na compreensão de grupo como dispositivo, sobretudo no que diz respeito à coconstrução das ações em saúde. Os conceitos de gênero e empoderamento foram norteadores das reflexões e ações. Os encontros ocorreram quinzenalmente, com duração média de uma hora e meia cada. Havia aproximadamente 12 mulheres por encontro entre usuárias, estagiárias e agentes comunitárias de saúde. Como tentativa de articulação, em dois dos encontros esteve presente uma conselheira municipal de saúde, quando se discutiu o papel das mulheres na mobilização social. A prática se revelou como um importante dispositivo de integração, uma vez que aproxima e corresponsabiliza universidade, serviço e comunidade na construção das ações.


Palavras-chave


Saúde Pública; Mulheres; Autonomia Pessoal; Processos Grupais

Texto completo:

PDF

Referências


Giovanella L, Mendonça MHM. Atenção Primária Saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI (Org.). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. p. 575-620.

Onocko Campos RT, Campos GWS. Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Jr M, Carvalho YM. (Org.). Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo – Rio de Janeiro: HUCITEC/Fiocruz; 2007. p. 669-88.

Freire P. Pedagogia da autonomia – saberes necessários à prática educativa. 25ª ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra – Coleção Saberes; 1996/2002.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 48ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1970/2005.

Freire P. Educação como prática para a liberdade. 32ª reimp. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1967/2009.

Foucault M. Microfísica do Poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal; 1979.

Vasconcelos EM. O poder que brota da dor e da opressão: empowerment, sua história, teorias e estratégias. Rio de Janeiro: Paulus; 2003.

Restrepo HE, Málaga H. Promoción de la Salud: como construir vida saludable. Bogotá: Editorial Médica Internacional; 2001.

Scott J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Ed Realidade. 1990; 16(2): 5-22.

Brasil. Lei 11.340 de 2006. Lei Maria da Penha. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres; 2008.

Dantas-Berger SM, Giffin K. A violência nas relações de conjugalidade: invisibilidade e banalização da violência sexual? Cad Saúde Pública. 2005; 21(2): 417-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000200008

Saliba O, Garbin CAS, Gardin AJI, Dossi AP. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev Saúde Pública. 2007; 41(3): 472-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000300021

Camargo-Borges C, Mishima SM. A Responsabilidade Relacional como Ferramenta útil para a Participação Comunitária na Atenção Básica. Saúde Soc. 2009; 18(1): 29-41.

Sícoli JL, Nascimento PR. Promoção de saúde: concepções, princípios e operacionalização. Interface – Comunic., Saúde, Educ. 2003; 7(12): 91-112. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832003000100008




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(21)325

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia