A espiritualidade na prática da Medicina de Família e Comunidade

uma revisão integrativa

Autores

  • Orlando Otávio Zuba Miranda de Almeida Universidade Federal de Viçosa – Viçosa (MG), Brazil.
  • Débora Carvalho Ferreira Universidade Federal de Viçosa – Viçosa (MG), Brazil. https://orcid.org/0000-0003-3348-3267

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3296

Palavras-chave:

Espiritualidade, Atenção primária à saúde, Assistência Centrada na pessoa, Integralidade em saúde.

Resumo

A espiritualidade é outra vertente do cuidado em saúde, e a cada dia percebemos a importância dela na prática clínica da atenção primária à saúde. Definir a espiritualidade; analisar a percepção da espiritualidade pelos usuários da Unidade Básica de Saúde (UBS) e pelos médicos; e discutir como ela pode ser aprendida e desenvolvida no campo médico e na residência em Medicina de Família e Comunidade (MFC). Foi realizada uma revisão integrativa na base de dados da Bireme e do PubMed, utilizando os descritores "Spirituality" e "Primary Health Care" combinados com o operador booleano AND. A partir de 9 artigos selecionados, desenvolvemos núcleos temáticos com a síntese das informações quantitativas e qualitativas: conceito de saúde, espiritualidade, instrumento de espiritualidade, percepção de médicos e pacientes, percepção e atitude dos médicos, percepção dos usuários e ensino do cuidado espiritual. A espiritualidade é entendida como uma força motivadora que orienta as decisões e guia o indivíduo, sendo um componente da saúde. Ela deve ser considerada no dia a dia da prática da atenção primária em contextos de promoção da saúde, comorbidades distintas e abordagem comunitária. O cuidado espiritual baseia-se no princípio básico da medicina centrada na pessoa, respeitando as individualidades por meio de uma escuta ativa e respeitosa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Débora Carvalho Ferreira, Universidade Federal de Viçosa – Viçosa (MG), Brazil.

Médica com especialidade em Medicina de Família e Comunidade. Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Doutora em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva pelo programa de Pós-Graduação Interinstitucional da UFRJ/UERJ/UFF/ENSP. Professora do Departamento de Medicina e Enfermagem da Universidade Federal de Viçosa/MG. Integrante da Comissão de Assessora de Área da Medicina do ENADE 2019 do INEP/MEC. Supervisora do Programa Mais Médico. Tutora do Curso EAD de Preceptoria em Medicina de Família e Comunidade pela UNASUS/UFRGS.

Referências

Vasconcelos EM. A espiritualidade no cuidado e na educação em saúde. In: Vasconcelos EM. A espiritualidade no trabalho em saúde. 3. ed. São Paulo. Hucitec; 2015.

Paiva GJ. Ética da misericórdia: associações com a psicologia. Bol - Acad Paul Psicol 2017;37(92):1-10.

Aristóteles. Da compaixão. In: Aristóteles. Retórica das Paixões. São Paulo. Martins Fontes; 2000. p. 53-57.

Patel KK, Frausto KA, Staunton AD, Souffront J, Derose KP. Exploring community health center and faith-based partnerships: community residents' perspectives. J Health Care Poor Underserved 2013;24(1):262-74. https://doi.org/10.1353/hpu.2013.0016 DOI: https://doi.org/10.1353/hpu.2013.0016

Katerndahl DA. Impact of Spiritual Symptoms and Their Interactions on Health Services and Life Satisfaction. Ann Fam Med 2008;6(5):412-20. https://doi.org/10.1370/afm.886 DOI: https://doi.org/10.1370/afm.886

Appleby A, Swinton J, Bradbury I, Wilson P. GPs and spiritual care: signed up or souled out? A quantitative analysis of GP trainers’ understanding and application of the concept of spirituality. Educ Prim Care 2018;29(6):367-375. https://doi.org/10.1080/14739879.2018.1531271 DOI: https://doi.org/10.1080/14739879.2018.1531271

Fuchs JR, Fuchs JW, Hauser JM, Coors ME. Patient desire for spiritual assessment is unmet in urban and rural primary care settings. BMC Health Serv Res 2021;21(1):1-9. https://doi.org/10.1186/s12913-021-06300-y DOI: https://doi.org/10.1186/s12913-021-06300-y

MacLean CD, Susi B, Phifer N, Schultz L, Bynum D, Franco M, et al. Patient preference for physician discussion and practice of spirituality. J Gen Intern Med 2003;18(1): 38-43. https://doi.org/10.1046/j.1525-1497.2003.20403.x DOI: https://doi.org/10.1046/j.1525-1497.2003.20403.x

Holmes SM, Rabow MW, Dibble SL. Screening the soul: communication regarding spiritual concerns among primary care physicians and seriously ill patients approaching the end of life. Am J Hosp Palliat Care 2006;23(1):25-33. https://doi.org/10.1177/104990910602300105 DOI: https://doi.org/10.1177/104990910602300105

Daaleman TP, Frey BB.. The spirituality index of well-being: a new instrument for health-related quality-of-life research. Ann Fam Med 2004;2(5):499-503. https://doi.org/10.1370/afm.89 DOI: https://doi.org/10.1370/afm.89

Saguil A, Fitzpatrick AL, Clark G. Are residents willing to discuss spirituality with patients? J Relig Health 2011;50(2):279-88 https://doi.org/10.1007/s10943-011-9467-7 DOI: https://doi.org/10.1007/s10943-011-9467-7

Ellis MR, Campbell JD. Concordant spiritual orientations as a factor in physician–patient spiritual discussions: a qualitative study. J Relig Health 2005;44(1):39-53. https://doi.org/10.1007/s10943-004-1144-7 DOI: https://doi.org/10.1007/s10943-004-1144-7

Publicado

2023-12-21

Como Citar

1.
Almeida OOZM de, Ferreira DC. A espiritualidade na prática da Medicina de Família e Comunidade: uma revisão integrativa. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 21º de dezembro de 2023 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3296. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3296

Edição

Seção

Artigos de Revisão Clínica

Plaudit