Abordagem de pectus carinatum na Atenção Primária e seu impacto na saúde emocional do paciente

relato de caso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3495

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Parede torácica, Pectus carinatum, Autoimagem.

Resumo

Introdução: O pectus carinatum (PC) é uma deformidade incomum da parede torácica, que geralmente surge na infância e se acentua na adolescência. Essa malformação pode levar a distúrbios estéticos e de autoestima, além de problemas respiratórios, que se devem à restrição da parede torácica. Existem poucos estudos brasileiros dedicados exclusivamente ao PC, e a maioria desses trabalhos direciona-se ao estudo do pectus excavatum (PE) ou de ambas as condições de forma conjunta. Apresentação do caso: Apresenta-se o caso de um paciente de 13 anos, masculino, que procura atendimento na Atenção Primária à Saúde (APS) por surgimento de tumefação em região paraesternal. Nega sintomas físicos, porém relata constrangimento e desconforto estético com a presença da proeminência. Conclusões: A abordagem multidisciplinar da deformidade torácica é fundamental na aceitação e no tratamento, tendo a APS um papel essencial Toda a equipe deve auxiliar e proporcionar, por meio do tratamento, melhor qualidade de vida estética, física e emocional ao paciente, fatores estes que nos impulsionaram a documentar este caso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luiza Carla Migliavacca Pian, Universidade de Passo Fundo – Passo Fundo (RS), Brasil.

Acadêmica do VIII período do curso de Medicina da Universidade de Passo Fundo (UPF), com ingresso em 2019/1. Membro da Liga Acadêmica de Saúde da Criança da Universidade de Passo Fundo (LASCRI- UPF). Em 2020-2021 foi monitora da disciplina de Cuidados e Urgências em Medicina e atualmente é monitora da disciplina de Sistema Digestório. Participou como extensionista voluntária do Projeto de Extensão Equoterapia da Universidade de Passo Fundo e atualmente é voluntária do Projeto ComSaúde- Pilares para Obtenção da Segurança Transfusional. Realizou estágio na área de Medicina de Família e Comunidade no Ambulatório São José em Passo Fundo- RS, com a supervisão da Dra. Thais Caroline Fin, totalizando a carga horária de 40 horas. 

Laura Vitória Xavier, Universidade de Passo Fundo – Passo Fundo (RS), Brasil.

Acadêmica do VIII período do curso de Medicina da Universidade de Passo Fundo (UPF), com ingresso em 2019/1. Monitora de Anatomia Médica durante o ano de 2020, atualmente é monitora da disciplina de Sistema Digestório. Membro da Liga Acadêmica de Gastroenterologia e Cirurgia Digestiva da Universidade de Passo Fundo (Ligastro- UPF). Realizou estágio na área de Medicina de Família e Comunidade no Ambulatório São José em Passo Fundo- RS, com a supervisão da Dra. Thais Caroline Fin, totalizando a carga horária de 40 horas. 

Thais Caroline Fin, Universidade de Passo Fundo – Passo Fundo (RS), Brasil.

Graduação em Medicina pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Título de Especialista em Medicina de Família e Comunidade pela Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (CREMERS/RQE 36402). Especialização em Saúde da Família (UNA-SUS/UFCSPA). Médica na Atenção Básica - Secretaria Municipal de Saúde Passo Fundo. Mestrado em Envelhecimento Humano (UPF). Doutoranda no Programa de Envelhecimento Humano pela Universidade de Passo Fundo (UPF). Pós-Graduação em Medicina Estética e Pós Graduação em Medicina Estética Avançada com diplomação internacional pela Associação Internacional de Medicina Estética. Pós-graduação em Dermatologia. Docente no Curso de Medicina (UPF). Docente no Curso Superior de Tecnologia (CST) em Estética e Cosmética (UPF). Preceptora do Curso de Medicina Universidade Federal Fronteira Sul- Passo Fundo (UFFS). Médica na Instituição de Longa Permanência - Solar Nossa Senhora Aparecida. 

Juliana Frighetto, Universidade de Passo Fundo – Passo Fundo (RS), Brasil.

Psicóloga formada pela Universidade Regional Integrada - Campus Frederico Westphalen - RS. Na atuação como psicóloga desde 2010, fez curso em Psicologia Cognitivo Comportamental na Werner(Poa), formação em terapia familiar e sexualidade na Elo(Passo fundo RS) e formação em Psicologia Humanista ACP (AGAPH), e atuação no âmbito público e privado como autônoma na sua empresa Clínica EnvelheSer em Família com Psicologia Humanista- Abordagem Centrada na Pessoa. Atuou na docência nas disciplinas na pós-graduação (psicopedagogia) e na graduação (disciplinas de Humanismo e Existencialismo, supervisionando estágio, orientando TCCs, pesquisando na área de envelhecimento humano - e em disciplinas de Bases Biológicas do comportamento); coordenação do curso de Psicologia e da Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso (disciplinas de Atenção à família cuidadora e de Relações Intergeracionais).

Hellany Karolliny Pinho Ribeiro, Universidade Federal do Piauí (UFPI)

     Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Atuou como enfermeira na Secretaria Municipal de Saúde de Passo Fundo- RS. Atualmente atua como enfermeira no Hospital das Clínicas da Universiadade Federal de Uberlândia/ EBSERH (HC- UFU). Especialização em andamento na área de Enfermagem em Oncologia pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz, HAOC, Brasil.

Referências

Yuksel M, Lacin T, Ermerak NO, Sirzai EY, Sayan B. Minimally invasive repair of pectus carinatum. Ann Thorac Surg 2018;105(3):915-23. https://doi.org/10.1016/j.athoracsur.2017.10.003 DOI: https://doi.org/10.1016/j.athoracsur.2017.10.003

Coelho MS, Guimarães PSF. Pectus carinatum. J Bras Pneumol 2007;33(4):463-74. https://doi.org/10.1590/S1806-37132007000400017 DOI: https://doi.org/10.1590/S1806-37132007000400017

Steinmann C, Krille S, Mueller A, Weber P, Reingruber B, Martin A. Pectus excavatum and pectus carinatum patients suffer from lower quality of life and impaired body image: a control group comparison of psychological characteristics prior to surgical correction. Eur J Cardiothorac Surg 2011;40(5):1138-45. https://doi.org/10.1016/j.ejcts.2011.02.019 DOI: https://doi.org/10.1016/j.ejcts.2011.02.019

Emil S. Current options for the treatment of pectus carinatum: when to brace and when to operate? Eur J Pediatr Surg 2018;28(4):347-54. http://doi.org/10.1055/s-0038-1667297 DOI: https://doi.org/10.1055/s-0038-1667297

Fonkalsrud EW. Surgical correction of pectus carinatum: lessons learned from 260 patients. J Pediatr Surg 2008;43(7):1235-43. http://doi.org/10.1016/j.jpedsurg.2008.02.007 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jpedsurg.2008.02.007

Cobben JM, Oostra RJ, van Dijk FS. Pectus excavatum and carinatum. European Journal of Medical Genetics 2014;57(8):414-7. http://doi.org/10.1016/j.ejmg.2014.04.017 DOI: https://doi.org/10.1016/j.ejmg.2014.04.017

Nuchtern JG, Mayer OH. Pectus carinatum. UpToDate [Internet] 2020 [acessado em 20 ago. 2021]. Disponível em: https://www.uptodate.com/contents/pectus-carinatum

Bustamante MI. Busca de evidências de validade: escala para avaliação de tendência à agressividade [tese de doutorado]. Itatiba: Universidade São Francisco; 2014. Disponível em: https://www.usf.edu.br/galeria/getImage/427/12848697690782283.pdf

Publicado

2022-12-23

Como Citar

1.
Pian LCM, Xavier LV, Fin TC, Frighetto J, Ribeiro HKP. Abordagem de pectus carinatum na Atenção Primária e seu impacto na saúde emocional do paciente: relato de caso. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 23º de dezembro de 2022 [citado 29º de janeiro de 2023];17(44):3495. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3495

Edição

Seção

Casos Clínicos

Plaudit