Qualidade de vida e controle da pressão arterial em pacientes de uma unidade primária do município do Rio de Janeiro.

Vera Lúcia R. C. Halfoun, Denise S. Mattos, Odaleia B. Aguiar

Resumo


Estudamos a qualidade de vida (QV) e o controle da pressão arterial (PA) em pacientes hipertensos acompanhados em dois modelos de atendimento em um Centro Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Foram acompanhados 138 pacientes durante um ano, sendo que: 69 pacientes (grupo A), por um modelo multidisciplinar, e 69 (grupo B), por um modelo centrado no atendimento médico. A QV foi avaliada por questionário padrão (SF-36). Os escores de cada grupo e a comparação entre as pressões sistólicas (PS) e diastólicas (PD) pré-tratamento e pós-tratamento foram analisadas pelo teste de Mann-Whitney. Foram correlacionados os escores das dimensões do SF-36 com: PA pré-tratamento e póstratamento, e as diferenças de pressões pré-tratamento e pós-tratamento ( PS, PD) pelo teste de Spearman (p<0,05 exigido). Os escores relacionados à capacidade funcional foram maiores no grupo A do que no B (p=0,01), mas, para saúde mental, foram menores (p=0,03). Houve queda mais significativa da PS no grupo A (p=0,0001) do que no B (p=0,0003). A PD reduziu-se de forma significativa apenas no grupo A (p=0,0001). Concluímos que os pacientes com hipertensão arterial atendidos pelo modelo interdisciplinar tiveram maior queda dos níveis de pressão arterial, quando comparados aos atendidos apenas pelos médicos, porém, a relação deste controle com a qualidade de vida não foi satisfatoriamente comprovada

Palavras-chave


Qualidade de Vida; Hipertensão; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc3(10)350

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia