Impacto social e acadêmico da Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Autores

  • Thiago Dias Sarti Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Medicina Social – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1545-6276
  • Claunara Schilling Mendonça Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre (RS), Brasil.
  • Leonardo Ferreira Fontenelle Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Medicina Social – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4064-433X
  • Patricia Sampaio Chueiri Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein – São Paulo (SP), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0811-3910

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)3513

Palavras-chave:

Medicina de família e comunidade, Atenção primária à saúde, Publicação periódica, Fator de impacto de revistas.

Resumo

O fortalecimento da Medicina de Família e Comunidade e da atenção primária latino-americana requer, entre tantas outras coisas, a produção de periódicos científicos de alto impacto social e acadêmico. A Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade tem o potencial de ser um desses periódicos. Contudo, é complexa a tarefa de gerenciar e aumentar o impacto social e acadêmico de periódicos científicos de pequeno porte, com métricas modestas e/ou ligadas a áreas de pesquisa emergentes, como no caso Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Temos observado ao longo dos anos um aumento significativo do impacto científico dessa revista, a exemplo da elevação de seu Índice H5 (Google). Entretanto, ainda há muito trabalho à frente para alcançarmos indexações na Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), Scopus e Web of Science. Este editorial é uma forma de mobilizar toda a comunidade acadêmica e assistencial em Medicina de Família e Comunidade e atenção primária a unir esforços para fortalecer a revista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thiago Dias Sarti, Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Medicina Social – Vitória (ES), Brasil.

É Professor Assistente do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES). Possui graduação em Medicina pela Escola de Medicina da Santa Casa de Misericordia de Vitória (2004). É especialista em Medicina de Família e Comunidade e em Gestão em Saúde pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É Mestre em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduacão em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). É Doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP).

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Referências

Peleg R, Shvartzman P. Where should family medicine papers be published - following the impact factor? J Am Board Fam Med 2006;19(6):633-6. https://doi.org/10.3122/jabfm.19.6.633 DOI: https://doi.org/10.3122/jabfm.19.6.633

Barata, RCB. Dez coisas que você deveria saber sobre o Qualis. RBPG 2016;13(30):13-40. https://doi.org/10.21713/2358-2332.2016.v13.947 DOI: https://doi.org/10.21713/2358-2332.2016.v13.947

Merton RK. The Matthew effect in science. The reward and communication systems of science are considered. Science 1968;159(3810):56-63. https://doi.org/10.1126/science.159.3810.56 DOI: https://doi.org/10.1126/science.159.3810.56

Demarzo MMP, Milhomens DM. RBMFC em 2011: evolução e desafios. Rev Bras Med Fam Comunidade 2011;6(21):1. https://doi.org/10.5712/rbmfc6(21)499 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(21)499

Duncan MS, Norman AH, Fontenelle LF. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade: perspectivas e desafios para 2015. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-2. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(34)1111. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)1111

Gusso GDF, Poli Neto P. A medicina de família e comunidade revista. Rev Bras Med Fam Comunidade 2016;11(38):1-3. http://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1319 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1319

Sarti TD. O desafio da qualidade e integridade das publicações científicas. Rev Bras Med Fam Comunidade 2017;12(39):1-4. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1434 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1434

Fontenelle LF, Sarti TD. Acesso aberto a artigos, dados e materiais de pesquisa na RBMFC. Rev Bras Med Fam Comunidade 2020;15(42):2671. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2671 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2671

Fontenelle LF, Sarti TD. Pesquisar para quê? Rev Bras Med Fam Comunidade 2020;15(42):2319. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2319 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2369

Brasil A. Beyond the Web of Science: an overview of Brazilian papers indexed by regionally relevant databases. In: Glänzel W, Heeffer S, Chi PS, Rousseau R, eds. Proceedings of the 18th International Conference on Scientometrics & Informetrics. Leuven: KU Leuven; 2021. https://doi.org/10.5281/zenodo.5126940

Mendis K, Solangaarachchi I. PubMed perspective of family medicine research: where does it stand? Family Practice 2005;22:570-5. https://doi.org/10.1093/fampra/cmi085 DOI: https://doi.org/10.1093/fampra/cmi085

Paulus FM, Cruz N, Krach S. The Impact Factor Fallacy. Front Psychol 2018;9:1487. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2018.01487 DOI: https://doi.org/10.3389/fpsyg.2018.01487

Publicado

2022-12-22

Como Citar

1.
Sarti TD, Mendonça CS, Fontenelle LF, Chueiri PS. Impacto social e acadêmico da Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 22º de dezembro de 2022 [citado 29º de janeiro de 2023];17(44):3513. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3513

Edição

Seção

Editorial

Plaudit