Programa Bom Começo para a saúde da criança

identificação populacional de perda da acuidade visual

Autores

  • Ricardo Queiroz Guimarães Hospital de Olhos de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7600-855X
  • Douglas de Araújo Vilhena Laboratório de Pesquisa Aplicada à Neurociências da Visão – Belo Horizonte (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2670-7963
  • Fabrício Carvalho Soares Instituto Federal de Minas Gerais – Congonhas (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9363-8841
  • Jean Andrade Canestri Laboratório de Pesquisa Aplicada à Neurociências da Visão – Belo Horizonte (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6416-0335
  • Juliana Reis Guimarães Hospital de Olhos de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2088-4985
  • Márcia Reis Guimarães Hospital de Olhos de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3549

Palavras-chave:

Acuidade visual, Promoção da saúde, Saúde ocular, Serviços de saúde escolar, Testes visuais.

Resumo

Introdução: As triagens universais da saúde visual de escolares detêm grande relevância do ponto de vista da saúde pública, possibilitando uma intervenção precoce dos casos identificados com deficiência visual que coincide com o período em que o trabalho intensivo de escolarização se inicia. Objetivo: Apresentar dados epidemiológicos populacionais de perdas da acuidade visual de participantes do terceiro ano do Ensino Fundamental. Métodos: Estudo transversal descritivo, com amostragem populacional. Participaram alunos do terceiro ano do Ensino Fundamental (n=422; 8 a 12 anos de idade; M=8,6 anos±0,6; 52% meninas) de todas as escolas municipais de Nova Lima (MG). Utilizou-se o equipamento estereoscópico Keystone Vision para avaliar a acuidade visual para longe e perto, com apresentação binocular e monocular, com oclusão não compressiva de um olho. Resultados: De acordo com os critérios do Ministério da Saúde e da 10ª Revisão da Classificação Estatística Internacional das Doenças e Problemas relacionados à Saúde (CID-10), 31% dos participantes apresentaram perda visual para longe e 37% para perto, em um ou ambos os olhos. Já de acordo com a CID-11, 13% dos participantes apresentaram deficiência na acuidade visual para longe e 17% para perto. Foram encaminhados 9% dos participantes para avaliação oftalmológica. Conclusões: Identificou-se prevalência alta de alterações da saúde visual nos participantes, o que reforça a importância, do ponto de vista da saúde pública, de triagens universais da saúde visual de escolares. Os dados epidemiológicos descritivos gerados podem auxiliar gestores da saúde e educação em tomadas de decisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Vieira JK, Rezende GX, Anastácio LB, Freitas Filho RT, Benevides HCC, Fonseca JM, et al. Prevalence of visual disorders in school children. Rev Bras Oftalmol 2018;77(4):175-9. https://doi.org/10.5935/0034-7280.20180038

Figueiredo SO, Roque ILF, Guimarães IISM, Vieira LMP, Amaral NS, Gonzaga RMC. Detecção precoce e resolução de deficiência visual em escolares da cidade de Patos de Minas. Rev Med Minas Gerais 2015;25(Supl 5):18-21.

Lemos AC, Cerdeira CD, Laignier BF, Cota LH, Silva MC, Barros GBS. Triagem oftalmológica e análise dos potenciais fatores de risco para a baixa acuidade visual de alunos no ensino fundamental I (primeira a quarta série) da rede pública em alfenas/MG. ACM Arq Catarin Med 2018;47(1):106-20.

Rodrigues EC, Souza GAC, Martins WA, Soibelman I, Meira AR, Faustino NC, et al. Levantamento de condições de saúde de alunos dos estabelecimentos de ensino primário da secretaria dos negócios da educação do estado, no município de São Paulo Brasil. Rev Saúde Pública 1972;6(4):343-59. https://doi.org/10.1590/S0034-89101972000400004

Lopes LKMO, Ribeiro AD, Nóbrega WFS. Prevalência da baixa acuidade visual em escolares associada ao desempenho escolar: revisão de literatura. Rev Interdisciplin Saúde 2020;7(1):1761-73. https://doi.org/10.35621/23587490.v7.n1.p1761-1773

Temporini ER. Ação preventiva em problemas visuais de escolares. Rev Saúde Pública 1984;18(3):259-62. https://doi.org/10.1590/S0034-89101984000300007

Bechara SJ, Kara-José N. Detecção e tratamento de pacientes amblíopes na cidade de São Paulo, SP (Brasil). Rev Saúde Pública 1987;21(4):326-30. https://doi.org/10.1590/S0034-89101987000400006

Dehaene S. How we learn: Why brains learn better than any machine… for now. Cape Town: Penguin; 2020.

Granzoto JA, Ostermann CSPE, Brum LF, Pereira PG, Granzoto T. Avaliação da acuidade visual em escolares da 1ª série do ensino fundamental. Arq Bras Oftalmol 2003;66(2):167-71. https://doi.org/10.1590/S0004-27492003000200010

Gasparetto MER, Temporini ER, Carvalho KMM, Kara-José N. O aluno portador de visão subnormal na escola regular: desafio para o professor? Arq Bras Oftamol 2001;64(1):45-51. https://doi.org/10.1590/S0004-27492001000100009

Guimarães RQ, Vilhena DA, Nogueira MRV, Guimarães JR, Guimarães MR. Programa Bom Começo para saúde da criança: identificação e intervenção nas dificuldades de aprendizagem relacionadas. Tempus Psicológico 2023;6(1):138-161. https:/doi.org/10.30554/tempuspsi.6.1.4733.2023

Soares FC, Barbosa MP, Guimarães RQ, Guimarães MR. Desenvolvimento de um sistema de triagem da acuidade visual e do limiar auditivo acoplados em um banco de dados. Rev Bras Inov Tecnol Saúde 2016;6(3):32-44. https://doi.org/10.18816/r-bits.v6i3.7627

Associação Médica Mundial. 7th Revision of the Declaration of Helsinki: Ethical principles for medical research involving human subjects. 59th World Medical Association General Assembly, Seoul, South Korea; 2008.

Keystone View (Instruction Manual). Vision Screening with the Keystone View: VS-V Universal Screener: Model #1156, Mast Concepts Inc.; 2008.

Metsing I, Hansraj R, Jacobs W, Ne l E. Review of school vision screening guidelines. African Vision and Eye Health 2018;77(1):1-10. https://doi.org/10.4102/aveh.v77i1.444

Brasil. Ministério da Saúde. Projeto Olhar Brasil "Triagem de Acuidade Visual". Manual de Orientação. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Organização Mundial da Saúde. CID-10: Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. 10. ed. Genebra: OMS; 1990.

Organização Mundial da Saúde. CID-11: Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. 11. ed. Genebra: OMS; 2022.

Cohen JW. Statistical power analysis for the behavioural sciences. 2. ed. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates; 1988.

Ribeiro GB, Coelho ALD, Chaves PHP, Macedo RL, Silva TAB. Avaliação oftalmológica de crianças de escolas públicas de Belo Horizonte/MG: um panorama acerca da baixa acuidade visual. Rev Brasil Oftalmol 2015;74(5):288-21. https://doi.org/10.5935/0034-7280.20150059

Laignier MR, Castro MAS, Paula SC. De olhos bem abertos: investigando acuidade visual em alunos de uma escola municipal de Vitória. Esc Anna Nery 2010;14(1):113-9. https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000100017

Fissmer LW, Lima GC, Netto AA, Corrêa M, Auwaerter GA, Fissmer JFW. Avaliação da acuidade visual de alunos do ensino fundamental de uma escola de rede pública de Tubarão-SC. ACM Arq Catar Med 2005;34(1):15-9.

Régis-Aranha LA, Moraes FH, Santos STC, Heufemann NEC, Magalhães WOG, Zacarias Filho RP, et al. Acuidade visual e desempenho escolar de estudantes em um município na Amazônia Brasileira. Esc Anna Nery 2017;21(2):1-6. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20170032

Estacia P, Stramari LM, Schuch SB, Negrello D, Donato L. Prevalência de erros refrativos em escolares da primeira série do ensino fundamental da região Nordeste do Rio Grande do Sul. Rev Bras Oftalmol 2007;66(5):297-303. https://doi.org/10.1590/S0034-72802007000500002

Gianini RJ, Mais E, Coelho EC, Oréfice FR, Moraes RA. Prevalência de baixa acuidade visual em escolares da rede pública, Sorocaba. Rev Saúde Pública 2004;38(2):201-08. https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000200008

Dan VJL. Prevalência de baixa acuidade visual em escolares do oeste paulista. Rev Urutágua 2016;(33):132-8. https://doi.org/10.4025/revurut.vi33

Oliveira RS, Parizotto AV, Caleffi MF, Beal C, Yeh WSS, Vicensi MC. Avaliação da acuidade visual em escolares no município de Herval d’Oeste, Santa Catarina, Brasil. Rev Bras Med Fam Com 2013;8(28):180-6. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(28)544

Liboreiro KR, Uliana PS, Huebner R. Turning the Innovative Behavior in a University Lab into University-Industry Partnership. In: GVL Summit Conference – Future of Entrepreneurship with Examples from Data, AI, and Stem subjects; 2018 Aug 1-17; University of California Berkeley: SCET8; 2018.

Zanoni LZ, Biberg-Salum TG, Espíndola YD, Cônsolo EZ. Prevalência da baixa acuidade visual em alunos do primeiro ano do ensino fundamental de uma escola pública. Rev AMRIGS 2010;54(1):19-24.

Neto CAM, Moreira ATR, Moreira LB. Visual acuity evaluation in children of the elementary school of Curitiba. Rev Bras Oftalmol 2014;73(4):216-19. https://doi.org/10.5935/0034-7280.20140047

Becker TOF, Cortela DCB, Miura H, Matsuhara ML. Evaluation of visual acuity in municipal elementary school students. Rev Bras Oftalmol 2019;78(1):37-41. https://doi.org/10.5935/0034-7280.20190008

Abdulameer AJ, Alfadhul SAL, Hameed HG, Kareem AA. Prevalence and possible attributes of decreased visual acuity among primary schoolchildren in Kufa City, Al-Najaf Governorate. Med J Babylon 2018;15(1):57-62. https://doi.org/10.4103/MJBL.MJBL_15_18

Vitale S, Cotch MF, Sperduto RD. Prevalence of Visual Impairment in the United States. JAMA 2006;295(18):2158-63. https://doi.org/10.1001/jama.295.18.2158

Darge HF, Shibru G, Mulugeta A, Dagnachew YM. The prevalence of visual acuity impairment among school children at arada subcity primary schools in addis ababa, Ethiopia. J Ophthalmol 2017(ID9326108):1-7. https://doi.org/10.1155/2017/9326108

Sewunet SA, Aredo KK, Gedefew M. Uncorrected refractive error and associated factors among primary school children in Debre Markos District, Northwest Ethiopia. BMC Ophthalmol 2014;14(95):1-6. https://doi.org/10.1186/1471-2415-14-95

Mahayana IT, Indrawati SG, Pawiroranu S. The prevalence of uncorrected refractive error in urban, suburban, exurban and rural primary school children in Indonesian population. Int J Ophthalmol 2017;10(11):1771-6. https://doi.org/10.18240/ijo.2017.11.21

Qian DJ, Hu M, Zhong H, Nie Q, Li J, Yuan Y, et al. Epidemiology of Reduced Visual Acuity among Chinese Multiethnic Students. Optom Vis Sci 2017;94(12):1153-8. https://doi.org/10.1097/OPX.0000000000001141

Yamamah GA, Talaat Abdel Alim AA, Mostafa YS, Ahmed RA, Mohammed AM. Prevalence of Visual Impairment and Refractive Errors in Children of South Sinai, Egypt. Ophthalmic Epidemiol 2015;22(4):246-52. https://doi.org/10.3109/09286586.2015.1056811

Publicado

2024-02-05

Como Citar

1.
Guimarães RQ, Vilhena D de A, Soares FC, Canestri JA, Guimarães JR, Guimarães MR. Programa Bom Começo para a saúde da criança: identificação populacional de perda da acuidade visual. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 5º de fevereiro de 2024 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3549. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3549

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit