Cuidados paliativos

o ensino na graduação é suficiente para a atuação na atenção primária à saúde no Brasil?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3626

Palavras-chave:

Cuidados Paliativos, Educação Médica, Educação de Graduação em Medicina, Estudantes, Atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: Espera-se que o aumento da carga de doenças crônicas e do envelhecimento populacional repercuta em crescente demanda por cuidados paliativos no país. Apesar disso, no Brasil ainda há um déficit no ensino da área, visto sobretudo na escassez de sua abordagem na graduação em Medicina, assim como em outras áreas da saúde. Esse cenário traduz-se em uma formação frágil dos profissionais da saúde, principalmente médicos, impactando o cuidado necessário a pacientes com condições clínicas potencialmente ameaçadoras da vida em todos os contextos, incluindo a atenção primária à saúde. Objetivos: Este estudo objetiva analisar o panorama de ensino de cuidados paliativos no Brasil e sua implicação na formação do médico generalista e na qualidade dos cuidados prestados na atenção primária à saúde. Também objetiva identificar competências necessárias para o ensino de cuidados paliativos na graduação de Medicina. Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura nacional a respeito do ensino de cuidados paliativos nas escolas médicas do Brasil e suas implicações na adequação à prática na atenção primária à saúde. Resultados: Dos estudos analisados, todos ressaltam a importância da abordagem dos cuidados paliativos na formação de base profissional na graduação e revelam a existência de lacunas a serem supridas nessa área de ensino. Entre as lacunas foram identificadas baixa abordagem nas grades curriculares, metodologias de ensino não adequadas e pouca especialização dos docentes. Com base nisso, alguns estudos brasileiros construíram propostas curriculares baseadas em mapeamento de competências mínimas na tentativa de sanar essas lacunas, incluindo habilidades de comunicação e a atitude médica diante do processo de morte. Este artigo compila as principais competências para o ensino de cuidados paliativos na graduação encontradas para o contexto brasileiro. Conclusões: A fragilidade do ensino de cuidados paliativos na graduação médica resulta em médicos generalistas carentes de competências básicas para esse tipo de cuidado, o qual ocupa cada vez mais lugar de destaque no cotidiano da atenção primária à saúde. Essa fragilidade precisa ser urgentemente abordada a fim de se adequar às necessidades populacionais, particularmente no Sistema Único de Saúde (SUS), dado o quantitativo de médicos de família e comunidade aquém das necessidades da APS brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lara Guerra Guimarães, Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein – São Paulo (SP), Brasil.

Médica formada pela Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein (FICSAE)

Isabella Pagan Manginelli , Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein – São Paulo (SP), Brasil.

Médica formada pela Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein (FICSAE)

Dannielle Fernandes Godoi , Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein – São Paulo (SP), Brasil.

Possui Graduação em Medicina pela Universidade de São Paulo (1999), Residência Médica em Clínica Geral (2000-2001) e Reumatologia e Imunologia Clínica (2002-2003) e Doutorado em Clínica Médica pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP em 2008. Título de Especialista em Reumatologia pela Sociedade Brasileira de Reumatologia. Título de Especialista em Medicina de Família pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Especialização em Saúde Pública, modalidade Saúde da Família (2010) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especialização em Gestão da Saúde Pública pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011). Especialização em Processos Educacionais na Saúde - sub-área Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês (2012) e Especialização em Políticas de Saúde Informadas por Evidências pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês (2017). Atua também na equipe técnica da Diretoria de Inteligência em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, onde é médica concursada desde 2005. Atualmente é professora da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, ministrando as disciplinas de Atenção primária à Saúde, Medicina Interna e Gestão e Liderança; coordenadora adjunta da pós graduação em Medicina de Família e Comunidade do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein; professora do MBA em Gestão em Saúde e coordenadora adjunta do MBA em Liderança e Gestão Pública na Saúde do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein.

Referências

World Health Organization. Palliative care [Internet]. Genebra: OMS; 2020 [acessado em 31 ago. 2022]. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/palliative-care

Hermes HR, Lamarca ICA. Cuidados paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais de saúde. Ciênc Saúde Coletiva 2013;18(9):2577-88. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900012

Academia Nacional de Cuidados Paliativos. ANCP e cuidados paliativos no Brasil [Internet]. ANCP; 2022 [acessado em 31 ago. 2022]. Disponível em: https://www.paliativo.org.br/cuidados-paliativos/cuidados-paliativos-no-brasil/

Brasil. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União. 23 jun. 2014. Seção 1.

The Economist. The 2015 Quality of Death Index: Ranking palliative care across the world [Internet]. The Economist Intelligence Unit Limited; 2015 [acessado em 31 ago. 2022]. Disponível em: https://impact.economist.com/perspectives/sites/default/files/2015%20EIU%20Quality%20of%20Death%20Index%20Oct%2029%20FINAL.pdf

Academia Nacional de Cuidados Paliativos. Análise situacional e recomendações da ANCP para estruturação de programas de cuidados paliativos no Brasil [Internet]. São Paulo: ANCP; 2018 [acessado em 31 ago. 2022]. Disponível em: https://paliativo.org.br/wp-content/uploads/2018/12/ANALISE-SITUACIONAL_ANCP-18122018.pdf

Castro AA, Taquette SR, Marques NI. Inclusion of palliative care teaching in medical schools in Brazil. Rev Bras Educ Med 2021;45:e056. https://doi.org/10.1590/1981-5271v45.2-20200162.ING. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v45.2-20200162.ing

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde. 22 dez. 2006. Seção 1.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 963, de 27 de maio de 2013. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde. 28 maio 2013. Seção 1:30. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0248

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução n. 41, de 31 de outubro de 2018. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos cuidados paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde. 23 nov. 2018. Seção 1:276.

Dalpai D, Mendes FF, Asmar JAVN, Carvalho PL, Loro FL, Branco A. Pain and palliative care: the knowledge of medical students and the graduation gaps. Rev Dor 2017;18:307-10. https://doi.org/10.5935/1806-0013.20170120 DOI: https://doi.org/10.5935/1806-0013.20170120

Silva TC da, Nietsche EA, Cogo SB. Palliative care in Primary Health Care: an integrative literature review. Rev Bras Enferm 2022;75(1):e20201335. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-1335 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-1335

Brasil. Ministério da Saúde. Portal e-gestor – Informação e Gestão da Atenção Básica [Internet]. Dados referentes à competência dezembro 2022. [acessado em 28 jul. 2023]. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relCoberturaAPSCadastro.xhtml;jsessionid=TWZMinHOnf+NB-K3vSQquzdv

Scheffer M, org. Demografia Médica no Brasil 2023 [Internet]. São Paulo, SP: FMUSP, AMB, 2023 [acessado em 28 jul. 2023]. Disponível em: https://amb.org.br/wp-content/uploads/2023/02/DemografiaMedica2023

Reis JG, Martins MFM, Lopes MHBM. Indicativos de qualidade para artigos de revisão integrativa — procedimento técnico de metodologia de pesquisa. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2015.

Kanashiro ACS, Grandini RICM, Guirro UBP. Cuidados paliativos e o ensino médico mediado por tecnologias: avaliação da aquisição de competências. Rev Bras Educ Med 2021;45(4):e199. https://doi.org/10.1590/1981-5271v45.4-20210254 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v45.4-20210254

Orth LC, Haragushiku EY, Freitas ICS, Hintz MC, Marcon CEM, Teixeira JF. Conhecimento do acadêmico de medicina sobre cuidados paliativos. Rev Bras Educ Med 2019;43(1 suppl 1):286-95. https://doi.org/10.1590/1981-5271v43suplemento1-20190039 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v43suplemento1-20190039

Malta R, Rodrigues B, Priolli DG. Paradigma na formação médica: atitudes e conhecimentos de acadêmicos sobre morte e cuidados paliativos. Rev Bras Educ Med 2018;42(2):34-44. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n2RB20170011 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n2rb20170011

Mendes PB, Pereira A de A, Barros I da C. Bioética e cuidados paliativos na graduação médica: proposta curricular. Rev Bioét 2021;29(3):534-42. https://doi.org/10.1590/1983-80422021293489 DOI: https://doi.org/10.1590/1983-80422021293489

Correia DS, Taveira MG, Marques AM, Chagas RR, Castro CF, Cavalcanti SL. Percepção e vivência da morte de estudante de medicina durante a graduação. Rev Bras Educ Med 2020;44(1):e013. https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.1-20190200 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.1-20190200

Dall’Oglio LM, Reinert C, Digner IS, Deina M, Sfredo LR. Ensino de cuidados paliativos nas escolas médicas brasileiras: uma revisão integrativa. Espac Saude 2021;22. https://doi.org/10.22421/1517-7130/es.2021v22.e705 DOI: https://doi.org/10.22421/1517-7130/es.2021v22.e705

Freitas ED. Manifesto pelos cuidados paliativos na graduação em medicina: estudo dirigido da Carta de Praga. Rev Bioét 2017;25(3):527-35. https://doi.org/10.1590/1983-80422017253209. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-80422017253209

Souza TIM, Assis LC, Silva LO da, Souza THOM, Tadeu HAC, Campos MEC, et al. Sentimentos dos Estudantes de Medicina e Médicos Residentes ante a Morte: uma Revisão Sistemática. Rev Bras Educ Med 2020;44:e178. https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.4-20200082 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.4-20200082

Correia DS, Bezerra MES, Lucena TS, Farias MSJA, Freitas DA, Riscado JL de S. Cuidados Paliativos: Importância do Tema para Discentes de Graduação em Medicina. Rev Bras Educ Med 2018;42(3):78-86. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n3RB20170105.r1 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n3rb20170105.r1

Costa NS, Fonseca NM, Santos IA, Paulino GM, Carvalho JO, Vieira ADFP. Cuidados paliativos: conhecimento dos formandos de Medicina de uma instituição de ensino superior de Goiás. Rev Bras Educ Med 2021;45:e208. https://doi.org/10.1590/1981-5271v45.4-20210298 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v45.4-20210298

Castro AA. Taquette SR, Pereira CA. Palliative care and medical education: systematic review. Res Soc Dev 2021;10(1):e50210111976. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11976 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11976

Caldas GH de O, Moreira S de NT, Vilar MJ. Palliative care: A proposal for undergraduate education in Medicine. Rev Bras Geriatr Gerontol 2018;21(3):261-71. https://doi.org/10.1590/1981-22562018021.180008 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-22562018021.180008

Quintiliano KM, Soares FJ. Definição de competências em cuidados paliativos na formação do médico generalista. New Trends Qual Res 2020;3:175-87. https://doi.org/10.36367/ntqr.3.2020.175-187 DOI: https://doi.org/10.36367/ntqr.3.2020.175-187

Dias LM, Arantes AM, Bezerra MR, Santos G, Santos AF, Tommaso AB, et al. Competency framework of palliative medicine for geriatricians. Geriatr Gerontol Aging 2018;12(4):206-14. https://doi.org/10.5327/Z2447-211520181800067 DOI: https://doi.org/10.5327/Z2447-211520181800067

Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n.3, de 20 de junho de 2014. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União. 23 jun 2014. Seção 1.

Pineli PP, Krasilcic S, Suzuki FA, Maciel MGS. Cuidado Paliativo e Diretrizes Curriculares: Inclusão Necessária. Rev Bras Educ Med 2016;40(4):540-6. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v40n4e01182015 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v40n4e01182015

Mattos CW, Derech RD. Cuidados paliativos providos por médicos de família e comunidade na atenção primária à saúde brasileira: um survey nacional. Rev Bras Med Fam Comunidade 2020;15(42):2094. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2094 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2094

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Currículo baseado em competências para medicina de família e comunidade [Internet]. Rio de Janeiro: SBMFC; 2015 [acessado em 31 ago. 2022]. Disponível em: https://www.sbmfc.org.br/wp-content/uploads/media/Curriculo%20Baseado%20em%20Competencias(1).pdf

Costa LB, Esteche FF, Augusto Filho RF, Bomfim AL, Ribeiro MT. Competências e atividades profissionais confiáveis: novos paradigmas na elaboração de uma matriz curricular para residência em medicina de família e comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade 2018;13(40):1-11. https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1632 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1632

Gryschek G, Pereira EA, Hidalgo G. Médicos de família e cuidados paliativos: contribuições ao currículo baseado em competências. Rev Bras Med Fam 2020;15(42):1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2012 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2012

Publicado

2023-12-22

Como Citar

1.
Guimarães LG, Manginelli IP, Godoi DF. Cuidados paliativos: o ensino na graduação é suficiente para a atuação na atenção primária à saúde no Brasil?. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 22º de dezembro de 2023 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3626. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3626

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit