A saúde bucal masculina dos servidores públicos de Marília, São Paulo, Brasil

Maria Luiza Freire Marconatto, Catiane Maria Nogueira, Caroline Brandão Pires Almeida, Sueli Moreira Pirolo

Resumo


Este estudo aborda a saúde do homem no âmbito do cuidado da saúde bucal na Atenção Primária à Saúde. Tem como objetivo analisar o conhecimento e a adesão masculina aos cuidados de saúde bucal. O método utilizado foi um estudo transversal, descritivo, realizado no município de Marília, SP. Amostragem não probabilística por acessibilidade foi utilizada para o tamanho amostral, perfazendo 280 trabalhadores. Para a coleta de dados utilizou-se a técnica de entrevista estruturada. Os dados foram processados pelo programa Epi-Info versão 6.0 e tratados por teste como qui quadrado. Este estudo permitiu compreender as limitações dos homens no cuidar da sua saúde bucal. As variáveis faixa etária, escolaridade e renda familiar, quando associadas às categorias hábitos alimentares, práticas de higiene e conhecimento sobre a saúde bucal, apresentaram alguns resultados significativos (p<0,05). Tais achados sinalizam a necessidade de investimento tanto em ações de promoção da saúde quanto em ações de prevenção de doenças bucais.


Palavras-chave


Saúde do Homem; Saúde Bucal; Promoção da Saúde; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Para entender a gestão do SUS. Brasília: CONASS; 2003. p. 248. [acesso em 2009 Ago 18]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/para_entender_gestao.pdf.

Gomes R. Os homens cuidam pouco da saúde. Radis. 2008; 74:10.

Figueiredo W. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2005; 10(1): 105-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100017

Pinheiro RS, Torres TZG. Uso de serviços odontológicos entre os Estados do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2006; 11(4): 999-1010. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000400021

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. p. 92.

Rank RCIC, Rank MS, Dib JE. Dificuldades maternas quanto ao uso do fio dental em crianças. Publ UEPG Ciênc Biol Saúde. 2006; 12(3): 31-8.

Guedes-Pinto AC, Bonecker M, Rodrigues CRMD. Fundamentos de odontología: odontopediatria. São Paulo: Editora Santos; 2009. 446 p.

Associação Brasileira de Odontologia de Promoção de Saúde - Aboprev. Promoção de Saúde Bucal. Rio de Janeiro: Artes Médicas; 1997.

Panzeri H, Lara E, Zaniquelli O, Schiavetto F. Avaliação de algumas características das escovas dentais do mercado nacional. Rev Assoc Bras Odontol. 1993; 1(1): 23-9.

Montenegro FLB, Marchini L, Leite JÁ, Manetta CE. Tipificando e classificando os limpadores linguais no mercado brasileiro. Rev EAP/APCD. 2006; 8(1): 12-5. [acesso em 2012 Mar 30]. Disponível em: http://www.proteseodontologica.odo.br/fbrunetti/limpadoreslinguais.htm.

Navas EAFA, Inocêncio AC, Jorge AOC, Koga-Ito CY. Avaliação da utilização de limpador de língua na reduçãodos níveis de leveduras na cavidade bucal. Rev Odontol UNESP. 2009;38(2):99-103.

Philipp ST, Latterza AR, Cruz ATR, Ribeiro LC. Pirâmide alimentar adaptada: guia para a escolha dos alimentos. Rev Nutr.1999;12(1):65-80.

Mendes ML, Mendes CL, Rocha ML. Avitaminoses e suas manifestações bucais. Int J Dent. 2003; 2(2): 257-61.

Abegg C. Hábitos de higiene bucal de adultos porto-alegrenses. Rev Saúde Pública. 1997; 31(6): 586-93. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000700007

Rimondini L, Zolfanelli B, Bernardi F, Bez C. Self-preventive oral behavior in an Italian University student population. J Clin Periodontol. 2001; 28(3): 207-11. http://dx.doi.org/10.1034/j.1600-051x.2001.028003207.x

Gonçalves NCLAV, Valsecki Junior A, Salvador SLS, Bergamo GC. Efeito de soluções fluoretadas contendo xilitol e sorbitol no número de estreptococos do grupo mutans na saliva de seres humanos. Rev Panam Salud Pública. 2001; 9(1): 30-4. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892001000100007

Thomaz EBAF, Cutrim MCFN, Lopes FF. A importância da educação como estratégia para prevenção e diagnóstico precoce do câncer oral. Acta Oncol Bras. 2000; 20(4): 149-52.

Travassos C, Viacava F, Pinheiro R, Brito A. Utilização dos serviços de saúde no Brasil: gênero, características familiares e condição social. Rev Panam Salud Publica. 2002; 11(5-6): 365-73. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892002000500011

Watson MR, Gibson G, Guo I. Women’s oral health awareness and care-seeking characteristics: a pilot study. J Am Dent Assoc. 1998; 129(12): 1708 1716.

Ostberg Al, Halling A, Lindblad U. A gender perspective of self-perceived oral health in adolescents: associations with attitudes and behaviours. Community Dent Health. 2001; 18(2): 110-116.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(26)369

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia