Desafios e potencialidades na implantação de uma experiência de matriciamento em saúde mental na atenção primária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3726

Palavras-chave:

Saúde mental, Atenção primária à saúde, Práticas interdisciplinares, Serviços de saúde.

Resumo

Introdução: A assistência à saúde mental no Brasil passou por avanços com a Reforma Psiquiátrica, introduzindo-se novas práticas e aperfeiçoando-se estratégias na Rede de Atenção Psicossocial, como a Atenção Primária à Saúde. Nesta nova realidade, o matriciamento destaca-se como um novo modo de produzir os cuidados compartilhados entre a equipe especializada e a equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF). Entretanto, ainda se encontram dificuldades em implementar suas ações. Objetivo: Descrever os desafios e potencialidades na implantação de uma metodologia proposta para o matriciamento em Saúde Mental na Atenção Primária. Métodos: Trata-se de estudo qualitativo, cuja população foi composta de cinco médicos participantes de uma intervenção de implantação do matriciamento em dois Centros de Saúde da Família, sendo três médicos da ESF e dois que atuavam como matriciadores. Para a coleta de dados, incluíram-se: observação sistemática, entrevista não estruturada, entrevistas grupais e pesquisa documental. Realizou-se pré-teste com um médico da ESF e, após esta fase, realizaram-se cinco entrevistas individuais e três grupais, sendo um grupo com médicos da ESF, outro com os matriciadores e um com os cinco médicos. Para a análise dos dados, utilizou-se análise temática de Minayo. Resultados: Com base na análise temática, emergiram das falas dos entrevistados quatro categorias de análise: “definição de matriciamento”, “como implantar e desenvolver o matriciamento”, “vantagens e potencialidades do matriciamento” e “dificuldades para o processo”. Conclusões: O matriciamento em saúde mental é uma ferramenta extremamente útil e precisa ser amplamente expandida no atual cenário da saúde. Neste estudo, a percepção das vantagens e a motivação para realizar as ações pelos entrevistados demonstram como esta é uma estratégia de exequível implementação e passível de multiplicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

André Luís Bezerra Tavares, Secretaria Municipal de Saúde de Caucaia – Caucaia (CE), Brasil.

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Ceará (2007), tendo realizado graduação sandwich (CAPES/DAAD) em Berlim, Alemanha (Charité/Humboldt Universität - 2006). Especialista em Práticas Clínicas em Saúde da Família pela Escola de Saúde Pública do Ceará (2009). Titulado pela SBMFC (2012). Mestre em Saúde Pública pela Universidade Federal do Ceará (2012). Atualmente trabalha na Estratégia Saúde da Família do município de Caucaia.

Referências

Gaino LV, Souza J, Cirineu CT, Tulimosky TD. O conceito de saúde mental para profissionais de saúde: um estudo transversal e qualitativo. Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog 2018;14 (2):108-16. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2018.149449

World Health Organization (WHO). MI-mhGAP Manual de Intervenções para transtornos mentais, neurológicos e por uso de álcool e outras drogas na rede de atenção básica à saúde. v. 2. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2018.

Tavares ALB. Demanda e percepções do sofrimento psíquico entre usuários da estratégia saúde da família [dissertação de mestrado]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2012.

World Economic Forum. Empowering 8 Billion Minds Enabling Better Mental Health for All via the Ethical Adoption of Technologies. In collaboration with Accenture [Internet]. 2019 [acessado em 01 mar. 2023]. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www3.weforum.org/docs/WEF_Future%20Council_Mental_Health_and_Tech_Report.pdf.

Lopes CS. Como está a saúde mental dos brasileiros? A importância das coortes de nascimento para melhor compreensão do problema. Cad Saúde Pública 2020;36(2):1-4. https://doi.org/10.1590/0102-311X00005020 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00005020

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Coordenação de Geografia. Pesquisa Nacional de Saúde [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2019 [acessado em 01 mar. 2023]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9160-pesquisa-nacional-de-saude.htlm?=&t=o-que-e.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3088 de 23 de dezembro de 2011. Brasília, 2011 [acessado em 01 mar. 2023]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.hml.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 336, de 19 de Fevereiro de 2002. Estabelece que os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 9 fev. 2002 [acessado em 01 mar. 2023]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html.

Brasil. Guia prático de matriciamento em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: HUCITEC; 2010.

Trivinos ANS. A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; 1987.

Tavares ALB. Inserção de ações de saúde mental na Estratégia Saúde da Família. Sustentação 2014;34:42-3.

Tavares ALB. Matriciamento em saúde mental: um novo cenário de prática para a psiquiatria contemporânea [monografia]. Fortaleza: Escola de Saúde Pública do Ceará; 2016.

Sombra Neto LL. Forte MPN, Campos EM, Pessoa VM. Problemas de saúde mental na população rural brasileira: prevalência, fatores de risco e cuidados. Rev Med UFC 2022;62(1):1-5. https://doi.org/10.20513/2447-6595.2022v62n1e78065p1-5 DOI: https://doi.org/10.20513/2447-6595.2022v62n1e78065p1-5

Gonçalves DA, Mari J DE J, Bower P, Gask L, Dowrick C, Tófoli LF, et al. Brazilian multicentre study of common mental disorders in primary care: rates and related social and demographic factors. Cad Saúde Pública 2014;30(3):623-32. ttps://doi.org/10.1590/0102-311X00158412 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00158412

Salgado MA, Fortes S. Indicadores de saúde mental na atenção primária à saúde: avaliando a qualidade do acesso através da capacidade de detecção de casos. Cad Saúde Pública 2021; 37(9): 1-7. https://doi.org/10.1590/0102-311X00178520 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00178520

Rotoli A, Silva MRS, Santos AM, Oliveira AMN, Gomes GC. Saúde mental na atenção primária: desafios para a resolutividade das ações. Esc Anna Nery 2019; 23(2):1-9. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2018-0303 DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0303

Fortes S, Menezes A, Athié K, Chazan LF, Rocha H, Thiesen J, et al. Psiquiatria no século XXI: transformações a partir da integração com a Atenção Primária pelo matriciamento. Physis 2014;24(4):1079-102. https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000400006 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000400006

Gleriano JS, Fabro GCR, Tomaz WB, Forster AC, Chaves LDP. Gestão do trabalho de equipes da saúde da família. Esc Anna Nery 2021;25(1):1-8. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2020-0093 DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2020-0093

Alves KVG, Aragão EIS, Almeida APF, Souza AC, Saggese BL, Andrade BG, et al. Grupos de artesanato na atenção primária como apoio em saúde mental de mulheres: estudo de implementação. Estud Psicol 2020;25(1):102-12. https://doi.org/10.22491/1678-4669.20200010 I

Aguiar J, Kanan LA E Masiero AV. Práticas Integrativas e Complementares na atenção básica em saúde: um estudo bibliométrico da produção brasileira. Saúde Debate 2019;43(123):1205-18. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912318 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912318

Silva LF, Tavares ALB. Matriciamento em saúde mental: sonho ou realidade? Cad ESP 2022;16(3):16-23. https://doi.org/10.54620/cadesp.v16i3.829 DOI: https://doi.org/10.54620/cadesp.v16i3.829

Fagundes GS, Campos MR, Fortes SLCL. Matriciamento em Saúde Mental – Análise do cuidado às pessoas em sofrimento psíquico na Atenção Básica. Ciênc Saúde Coletiva 2021;26(6):2311-22. https://doi.org/10.1590/1413-81232021266.20032019 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021266.20032019

Iglesias A, Avellar LZ. Matriciamento em Saúde Mental: práticas e concepções trazidas por equipes de referência, matriciadores e gestores. Ciênc Saúde Coletiva 2019;24(4):1247-54. https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.05362017 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.05362017

Gasparini MFV, Furtado JP. Longitudinalidade e integralidade no Programa Mais Médicos: um estudo avaliativo. Saúde Debate 2019;43(120):30-42. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912002 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912002

Publicado

2023-12-22

Como Citar

1.
Tavares ALB, Sombra Neto LL, Campos E de M, Fortes S. Desafios e potencialidades na implantação de uma experiência de matriciamento em saúde mental na atenção primária. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 22º de dezembro de 2023 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3726. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3726

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit