Depressão em Idosos de uma Comunidade assistida pela Estratégia de Saúde da Família em Passo Fundo, RS

Daniela Teixeira Borges, Bernadete Maria Dalmolin

Resumo


Objetivo: Identificar a prevalência de depressão em idosos atendidos pela Estratégia de Saúde da Família (ESF) e os fatores associados. Métodos: Estudo transversal com 151 idosos residentes em área adscrita à ESF de Passo Fundo/RS. Coletaram-se os dados utilizando questionário estruturado e Escala de Depressão Geriátrica GDS–15. Resultados: 33,1% são do sexo masculino, com faixa etária predominante entre 60-69 anos (50,3%), escolaridade média de 4,14 anos de estudo (DP: 2,63), 8,2% são analfabetos ou semianalfabetos, 21,9% declararam algum episódio depressivo e 2,6% outra doença psiquiátrica. Houve associação entre depressão e percepção de saúde, perda familiar, asma, ocorrência de fratura, insuficiência cardíaca e artrite (p < 0,01). Conclusões: os resultados mostraram que a prevalência de depressão em idosos na ESF estudada foi de 21,2%, desses, 17,9% com diagnóstico de depressão leve a moderada e 3,3% com depressão severa, necessitando de intervenções multidisciplinares e integrais visando reduzir os fatores associados e qualificar a vida dessas pessoas.

 


Palavras-chave


Idoso; Depressão; Escala de Depressão; Atenção Integral ao Idoso; Saúde da Família; Estudos Transversais

Texto completo:

PDF/A

Referências


Gazalle FK, Lima MS, Tavares BF, Hallal PC. Sintomas depressivos e fatores associados em população idosa no Sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2004; 38(3): 365-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0034 89102004000300005

Veras R. Em busca de uma assistência adequada à saúde do idoso: revisão da literatura e aplicação de um instrumento de detecção precoce e de previsibilidade de agravos. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3): 705-715. http://dx.doi.org/10.1590/S0102 311X2003000300003

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Dados do Censo 2010. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 04 nov. 2010. Acessado no ibge.gov.br/dados_divulgados/index.php?uf=43.

Silvestre JA, Costa Neto MM. Abordagem do idoso em programas de saúde da família. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3): 839-847. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300016

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília; 2006.

Timm LA. A qualidade de vida no idoso e sua relação com o lócus de controle. [Dissertação]. Porto Alegre: Faculdade de Psicologia da PUCRS; 2006.

Rosa PV. Estudo sobre os fatores associados à depressão em idosos da comunidade de Barra Funda – RS. [Tese]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul; 2007.

Weyerer S, Eifflaender-Gorfer S, Köhler L, Jessen F, Maier W, Fuchs A, et al. Prevalence and risk factors for depression in non-demented primary care attenders aged 75 years and older. J Affect Disord. 2008; 111: 153-63. PMid:18372049. http://dx.doi.org/10.1016/j.jad.2008.02.008

Paradela EMP, Lourenço RA, Veras RP. Validação da escala de depressão geriátrica em um ambulatório geral. Rev Saúde Pública. 2005; 39(6): 918-23. PMid:16341401.

Almeida OP, Almeida SA. Confiabilidade da Versão Brasileira da Escala de Depressão em Geriatria (GDS) Versão Reduzida. Arq Neuropsiquiatr. 1999; 57(2B): 421-6. PMid:10450349. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1999000300013

Castelo MS. Validade da Escala de Depressão Geriátrica em Unidades Primárias de Saúde na Cidade de Fortaleza, Ceará. [Dissertação]. Fortaleza. Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará. 2004.

Almeida, OP, Almeida, SA. Short versions of the Geriatric Depression Scale: a study of their validity for the diagnosis of a major depressive episode according to ICD-10 and DSM-IV. Int J Geriat Psychiatry. 1999; 14(10): 858-865. http://dx.doi.org/10.1002/(SICI)1099-1166(199910)14:10<858::AID-GPS35>3.0.CO;2-8

Ursine PGS, Cordeiro H de A, Moraes CL. Prevalência de idosos restritos ao domicílio em região metropolitana de Belo Horizonte. Ciênc Saúde Colet. 2011; 16(6) [online] [acesso em 27 Jan 2012]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413 81232011000600033&lng=en&nrm=iso

Jorm LR, Walter SR, Lujic S, Byles JE, Kendig HL. Home and community care services: a major opportunity for preventive health care. BMC Geriatr. 2010; 22: 10-26. PMid:15576541 PMCid:1466751.

Noël PH, Williams Junior JW, Unützer J, Worchel J, Lee S, Cornell J, et al. Depression and comorbid illness in elderly primary care patients: impact on multiple domains of health status and well-being. Ann Fam Med. 2004; 2(6):555-62. PMid:22088681. http://dx.doi.org/10.1370/afm.143

Richard AB, Peter B, Timothy DW, Mary L, Lesley AR, Kaarin JA. Deriving prevalence estimates of depressive symptoms throughout middle and old age in those living in the community. Int Psychogeriatr. 2012; 24(3): 503-11. doi:10.1017/S1041610211002109 http://dx.doi.org/10.1017/S1041610211002109

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS – Datasus. [online] [acesso em 2010 Set 09]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?ibge/cnv/poptrs.def

StataCorp. Stata Statistical Software: release 7.0. College Station: Stata Corporation; 2001.

Benedetti TRB, Borges LJ, Petroski EL, Gonçalves LHT. Atividade Física e Saúde Mental de Idosos. Rev Saúde Pública. 2008; 42(2): 302-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008005000007

Oliveira DAAP, Gomes L, Oliveira RF. Prevalência de depressão em idosos que freqüentam centros de convivência. Rev Saúde Pública. 2006; 40(4): 734-6. PMid:12806478. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000500026

Lima Costa MF, Gomes L, Oliveira RF. Desigualdade social e saúde entre idosos brasileiros: um estudo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3): 745-757.

Ferrari JF, Dalacorte RR. Uso da Escala de Depressão Geriátrica de Yesavage para avaliar a prevalência de depressão em idosos hospitalizados. Sci Med. 2001; 17(1): 3-8.

Sheikh JI, Yesavage JA. Geriatric Depression Scale (GDS): Recent evidence and development of a shorter version. In: Brink TL, editor. Clinical Gerontology: a guide to assessment and intervention. New York: The Haworth Press; 1986. p. 165-173.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(23)381

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia