Construindo um ambulatório para a população transgênero

relato de experiência no contexto da Residência de Medicina de Família e Comunidade

Autores

  • Rafael da Silva Machado Hospital Santa Casa de Misericórdia de Vitória, Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0009-0003-2909-1153
  • Tatiani Almeida Louzado Sant'Anna Fundação Oswaldo Cruz, Mestrado Profissional em Saúde da Família – Rio de Janeiro (RJ), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8273-1672
  • Matheus Magno dos Santos Fim Universidade Federal do Espírito Santo – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7986-3444

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3830

Palavras-chave:

Internato e residência, Serviços de saúde para pessoas transgênero, Pessoas Transgênero, Medicina de família e comunidade, Atenção primária à saúde

Resumo

Problema: Este artigo é um relato de experiência da construção de um ambulatório de hormonização para pessoas transgênero no contexto de um Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade no município de Vitória, Espírito Santo. Entende-se como pessoa transgênero aquela que não se identifica com o gênero atribuído ao nascimento, sendo uma das suas necessidades de saúde a hormonização, que é competência da/o médica/o de família e comunidade e não apenas de especialistas focais. No estado do Espírito Santo havia apenas um serviço público que oferecia a hormonização, mas não acolhia novas/os usuárias/os desde o ano de 2020. Método: Neste contexto surgiu a proposta de ofertar acolhimento e o manejo inicial da demanda de pessoas transgênero, voltados à saúde integral, com foco no processo de hormonização, aproveitando a estrutura existente de uma Unidade de Saúde da Família e médicos residentes. A equipe referida buscou se capacitar com o apoio da gerência local e da Secretaria Municipal de Saúde, ofertando atendimento semanal a partir de maio de 2022. Resultados: Tendo mal completado um ano de atividade, o ambulatório atende mais de cem pacientes e recebe encaminhamentos de outros serviços da rede de saúde e assistência. Conclusão: Com base nessa experiência, afirma-se que os programas de residência médica em Medicina de Família e Comunidade se mostram como espaços potenciais de fomento de construção das políticas públicas para esta população, que historicamente possui barreiras de acesso ao cuidado em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael da Silva Machado, Hospital Santa Casa de Misericórdia de Vitória, Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade – Vitória (ES), Brasil.

Residente de Medicina de Família e Comunidade pelo Hospital Santa Casa de Misericórdia de Vitória (HSCMV) Foco de interesse em Hormonização da População Trans. Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (FM-UFMG) Arquiteto Urbanista graduado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Passado de atuação como ator e artista visual, participando de residências artísticas na Alemanha e Argentina, com principal eixo de pesquisa artística sendo os limites nas relações pessoais da contemporaneidade, através de instalações e performances. Acredita na força da transdisciplinaridade na formação do indivíduo.

Tatiani Almeida Louzado Sant'Anna, Fundação Oswaldo Cruz, Mestrado Profissional em Saúde da Família – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Graduada em Medicina pela UFES Médica de Família e Comunidade pela AMB Ginecologista e Obstetra pela AMB Mestre em Saúde de Família pelo PROFSAUDE/FIOCRUZ-RJ Pós-graduada em Saúde da Família pela UFES Pós-graduada em Saúde da Pessoa Idosa pela UFMA Pós-graduada em Atenção às Pessoas com Sobrepeso e Obesidade pela UFSC Médica da ESF da PMV Preceptora de Internato de Atenção Primária da EMESCAM Preeceptora do Programa de Residência Médica em MFC do HSCMV e da PMV Supervisora médica do Programa QUALIFICA-APS do ICEPi/SESA Supervisora médica do Programa Mais Médicos para o Brasil

Matheus Magno dos Santos Fim, Universidade Federal do Espírito Santo – Vitória (ES), Brasil.

Psicólogo, Mestre em Psicologia Institucional, doutorando em Psicologia Institucional pela UFES. Acupunturista pela Escola Neijing. Desenvolve pesquisa sobre o cuidado e humanização na formação médica. Atuou na clínica, em políticas públicas de assistência social e atualmente é professor universitário.

Referências

Monteiro A, Coimbra C, Filho MF. Estado Democrático de Direito e Políticas Públicas: Estatal é necessariamente Público? Psicol Soc 2006;18(2):7-12. https://doi.org/10.1590/S0102-71822006000200002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-71822006000200002

Jungles RP, Martins BL, Machado PF. Reflexões acerca das percepções dos profissionais residentes sobre um programa de residência multiprofissional em saúde da família. Saúde e Meio Ambient: Rev Interdisciplin 2021;10:193-209. https://doi.org/10.24302/sma.v10.3553 DOI: https://doi.org/10.24302/sma.v10.3553

Campos G, Hur D. Da Invisibilidade à Participação Política: experiências e discursos sobre a luta de travestis e transexuais. Rev Gest Políticas Públicas 2017;7(2):244-61. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v7p244-261 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v7p244-261

Hercowitz A, Morikawa M, Ciasca SV, Junior AL. Desenvolvimento da identidade de gênero. In: Ciasca SV, Hercowitz A, Junior AL, orgs. Saúde LGBTQIA+: Práticas de cuidado transdisciplinar. Santana de Parnaíba: Manole; 2021. p. 168-184.

Spizzirri G, Eufrásio R, Lima MCP, Nunes HRC, Kreukels BPC, Steensma TD, et al. Proportion of people identified as transgender and non-binary gender in Brazil. Sci Rep 2021;11(2240). https://doi.org/10.1038/s41598-021-81411-4 DOI: https://doi.org/10.1038/s41598-021-81411-4

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativa de População [Internet]. 2020 [acessado em 31 out. 2023]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?edicao=28674&t=destaques

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais [Internet]. 2013 [acessado em 31 out. 2023]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_lesbicas_gays.pdf

Calazans G, Kalichman A, dos Santos MR, Pinheiro TF. Necessidades de saúde: demografia, panorama epidemiológico e barreiras de acesso. In: Ciasca SV, Hercowitz A, Junior AL, orgs. Saúde LGBTQIA+: Práticas de cuidado transdisciplinar. Santana de Parnaíba: Manole; 2021. p. 287-308.

Ministério da Saúde. Transexualidade e travestilidade na saúde [Internet]. 2015 [acessado em 31 out. 2023]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/transexualidade_travestilidade_saude.pdf

Alencar Albuquerque G, de Lima Garcia C, da Silva Quirino G, Alves MJH, Belém JM, Figueiredo FWS, et al. Access to health services by lesbian, gay, bisexual, and transgender persons: systematic literature review. BMC Int Health Hum Rights 2016;16(2):1-10. https://doi.org/10.1186/s12914-015-0072-9 DOI: https://doi.org/10.1186/s12914-015-0072-9

Lucena MM, Ferreira GG, Floss M; Melo DAC. Serviços de atendimento integral à saúde de transexuais e travestis no Sistema Único de Saúde: uma revisão integrativa. Rev Bras Med Fam Comunidade 2022;17(44):2964. https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2964 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2964

Schlüter K, G, Sabino MRA. Hormonização em adultos. In: Ciasca SV, Hercowitz A, Junior AL, orgs. Saúde LGBTQIA+: Práticas de cuidado transdisciplinar. Santana de Parnaíba: Manole; 2021. p. 1242-1264.

Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN). Pesquisa sobre homens transexuais, mulheres transexuais e travestis da Região Metropolitana da Grande Vitória – Relatório final [Internet]. 2018 [acessado em 31 out. 2023]. Disponível em: https://ijsn.es.gov.br/Media/IJSN/PublicacoesAnexos/cadernos/Relatorio_POP_TRANS.pdf

Padilha WAR. Transgeneridade e modificação corporal: ampliação de cuidados na atenção primária à saúde [dissertação de mestrado]. Recife: Instituto Aggeu Magalhães/Fundação Oswaldo Cruz; 2021.

Benevides R, Passos E. A humanização como dimensão pública das políticas de saúde. Ciênc Saúde Coletiva 2005;10(3):561-71. https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000300014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000300014

Downloads

Publicado

2023-12-05

Como Citar

1.
Machado R da S, Sant’Anna TAL, Fim MM dos S. Construindo um ambulatório para a população transgênero: relato de experiência no contexto da Residência de Medicina de Família e Comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 5º de dezembro de 2023 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3830. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3830

Edição

Seção

Especial Residência Médica

Plaudit