Oficina acadêmica: bases curriculares e Medicina de Família e Comunidade

Phelipe Antônio Calixto, Celice Bandina, Haniel Caetano de Oliveira, Hermano Lúcio Gomes de Assis Filho, Gustavo Faria de Matos, Camillo de Alcântara César, Adriano Aparecido Correia Damasceno, Aureliano Inácio de Souza Neto, Daniel Camilo de Oliveira, Giovanna de Faria Alvim Pereira, Luana Bandeira Rocha, Matheus Bueno de Moraes, Nathália Lie Ishisaki, Rafael César Melo, Theara de Castro Nicolau

Resumo


De acordo com as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais da Graduação Médica (NDCN) e sua orientação para uma postura crítica e reflexiva do acadêmico realizou-se a oficina “Bases curriculares e Medicina de Família e Comunidade” durante o IV Congresso Mineiro de Medicina de Família e Comunidade (IVCMMFC), em Belo Horizonte - MG, 12 de junho de 2009. A oficina tratou sobre a inserção da especialidade, Medicina de Família e Comunidade (MFC), na graduação, discutindo os métodos de ensino médico: Aprendizado baseado em problematização (PBL), método integrado de ensino e método tradicional Flexneriano. A oficina foi dividida em três momentos. Primeiramente, foi proposta adequação de algumas definições da literatura médica: Atenção Primária à Saúde, Médico generalista, Médico sanitarista, Especialista em Clínica Médica e Médico de Família e Comunidade. Após, foram discutidas as Novas diretrizes curriculares; o Relatório Flexner e sua influência nos modelos de ensino existentes (tradicional, problematizado e integrado), o momento oportuno para inserção da MFC na graduação e qual método de ensino utilizar. O tema do preconceito contra a especialidade surgiu nas discussões, assim como adequação da MFC e níveis de serviço (primário, secundário e terciário) e como valorizar a especialidade sem ¨super-especializar¨ o estudante. As conclusões levantadas na oficina foram descritas neste documento e apresentadas em plenária ao final do congresso.


Palavras-chave


Medicina de Família e Comunidade; Graduação; Ensino Médico

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução nº 4, CNE/CES, de 07 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 9 nov. 2001. Seção 1, p. 38. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pedf/CES04.pdf

Mitre SM, Siqueira-Batista R, Girardi-de-Mendonça JM, Morais-Pinto NM, Meirelles CAB, Pinto-Porto C, et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc saúde coletiva. 2008; 13(Suppl.2): 2133-2144. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018

Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ABRASCO; 2001. p. 39-64.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde; 2002. p. 62-699.

Gusso GFD. Terminologia da Atenção Primária à Saúde. Faculdade de Medicina da USP; 2007. [cited 2007 Dec 5]. Disponível em: http://www.fm.usp.br/cedem/did/atencao/terminologia.pdf

Flexner A. Medical Education in the United States and Canada. New York: Carnegie Foundation for The Advancement of Teaching; 1910. (Bulletin,n. 4).

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Interface Comum Saúde Educ. 1998; 2: 139-54. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32831998000100008

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Formação e qualificação do Médico de Família e Comunidade através de Programas de Residência Médica no Brasil, hoje: Considerações, Princípios e Estratégias. [online]. SBMFC; 2005. [acesso em: 10 dez. 2008]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br

Stewart M, Brown JB, Donner A, McWhinney IR, Oates J, Weston WW et al. The impact of patient-centered care on outcomes. J Fam Pract. 2000; 49(9): 796-804.

Mello GA, Mattos ATR, Souto BGA, Fontanella BJB, Demarzo MIP. Médico de família: ser ou não ser? Dilemas envolvidos na escolha desta carreira. Rev Bras Educ Med. 2009; 33(3): 475-482. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000300017




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(25)407

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia